Médicos e jornalistas que criticam gestão da pandemia detidos no Egito

Mohamed Hossam / EPA

No Egito, sob o regime do Presidente Abdel Fattah al-Sissi, foram detidos pelo menos dez médicos e seis jornalistas desde fevereiro, numa tentativa de silenciar os críticos que denunciam as falhas dos serviços de saúde e contestam os números oficiais de casos de covid-19 no país.

“Vou trabalhar todos os dias, sacrifico-me e à minha família”, disse à Associated Press – citada esta quarta-feira pelo Público – um médico que trabalha no Cairo. “Prenderam um colega meu por nos ter enviado uma mensagem. Não vejo luz no horizonte”.

O profissional de saúde, que falou sob anonimato, é um dos dez médicos detidos pelas autoridades egípcias, indicou a Amnistia Internacional. Outro médico foi detido por publicar um artigo sobre a fragilidade do serviço de saúde e um farmacêutico por fazer uma publicação nas redes sociais sobre a falta de equipamento de proteção.

De acordo com o Público, médicos de três províncias contaram à Associated Press que os seus superiores ameaçaram denunciá-los à Agência Nacional de Segurança se expressassem publicamente frustração, se se despedissem ou se metessem baixa médica. “Mesmo que um médico esteja a morrer, deve continuar a trabalhar. Ou será submetido à punição mais pesada”, ouve-se numa gravação a que a agência teve acesso.

Um médico, contudo, revelou ter sido avisado pelo seu superior de que as suas folhas de entrada estavam a ser monitorizadas pelas autoridades e que dois dos seus colegas viram os seus salários cortados por fazerem publicações nas redes sociais.

O Egipto tinha até quinta-feira mais de 76 mil casos de covid-19 confirmados e 3422 vítimas mortais, segundo a Universidade Johns Hopkins. Suspeita-se sobre a veracidade dos números oficiais de infetados.

O regime tem tentado armazenar medicamentos e material médicos, montou hospitais militares e centros de isolamento com capacidade até quatro mil camas e entregou máscaras para evitar o contágio.

Abdel Fattah al-Sissi tem silenciado a oposição e os críticos, repressão que se tornou mais dura com a pandemia, a par das fronteiras encerradas. Em junho, o regime pediu um empréstimo na ordem dos 5,2 mil milhões de dólares ao Fundo Monetário Internacional.

“Temos visto definitivamente um aumento de detenções, não apenas em números, mas também em termos do perfil das pessoas alvo do Governo”, disse ao Financial Times Hussein Baoumi, investigador da Amnistia Internacional, referindo-se à detenção de 70 pessoas entre março e junho, entre as quais médicos, jornalistas, bloggers e advogados.

“Sissi usou a lei de imprensa egípcia, o código penal, a nova Constituição e a nova lei anti-terrorismo para silenciar jornalistas, com artigos a permitir a censura do Governo, multas e detenções em assuntos relativos à ‘segurança nacional’ egípcia. Hoje, o Egipto é o terceiro detentor de jornalistas”, escreveu no Middle East Eye Mohamad Elmasry, professor associado no Doha Institute for Graduate Studies.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas calculam probabilidade de contágio ao viajar de comboio

Investigadores da Universidade de Southampton, no Reino Unido, calcularam a probabilidade de contrair covid-19 ao viajar numa carruagem de comboio com uma pessoa infetada. Em colaboração com a Academia Chinesa de Ciências, a Academia Chinesa de …

Hong Kong. Magnata da imprensa Jimmy Lai libertado sob caução

O magnata da imprensa e uma das principais figuras do movimento pró-democracia de Hong Kong Jimmy Lai foi esta terça-feira libertado sob caução, constatou a agência France-Presse. Jimmy Lai tinha sido detido na segunda-feira, ao …

Lar de Reguengos de Monsaraz diz ter feito tudo para salvar vidas

A direção do lar de Reguengos de Monsaraz (Évora) onde surgiu o surto de covid-19 que causou 18 mortos garantiu ter feito “tudo” ao seu “alcance” para “salvar vidas”, nesta “crise” com “contornos dramáticos”. A Fundação …

Israel fecha os olhos e deixa palestinianos cruzarem a fronteira para ir a banhos

As autoridades israelitas têm deixado milhares de palestinianos cruzar a barreira de separação entre os dois territórios para poderem ir às praias. Este foi um fim-de-semana muito especial para Siham e os seus cinco filhos. …

Diabéticos e hipertensos voltam a ter faltas justificadas

Os diabéticos e hipertensos sem condições para desempenharem funções em teletrabalho voltam a ter direito a justificar as faltas ao trabalho devido à pandemia de covid-19, segundo um diploma publicado em Diário da República. “Os imunodeprimidos …

Deputada da Coreia do Sul debaixo de fogo. Usou um vestido no Parlamento

Na semana passada, a deputada sul-coreana Ryu Ho-jeong usou um vestido numa assembleia legislativa, sendo bombardeada com críticas que gerou um debate sobre sexismo e a cultura patriacal do país. De acordo com a CNN, na …

SC Braga oficializa "top gun" Gaitán por duas temporadas

O internacional argentino Nicolas Gaitán assinou um contrato com o Sporting de Braga válido por uma época, com outra de opção, informou esta terça-feira o clube minhoto da I Liga de futebol. Formado no Boca Juniors, …

Vacina russa chama-se "Sputnik V" e foi já pedida por 20 países

A vacina russa contra a covid-19, cujo registo foi esta terça-feira anunciado pelo Presidente, Vladimir Putin, chama-se "Sputnik V", vai começar a ser fabricada em setembro e já foi encomendada por 20 países. De acordo com …

Rui Pinto no Twitter: "Travessia do deserto” terminou mas a “luta continua”

Rui Pinto assumiu que a “árdua e longa ‘travessia do deserto’” chegou ao fim, aludindo à sua libertação, mas avisou que “a luta continua”, pois Portugal “continua um paraíso para a grande corrupção” e branqueamento …

PJ deteve suspeita de atear fogo florestal no Parque Nacional da Peneda-Gerês

A Polícia Judiciária (PJ) de Braga deteve uma mulher de 57 anos suspeita de atear um incêndio florestal registado em 4 de agosto no Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG), no concelho de Terras de Bouro. Em …