Após batalha legal, médicos vão desligar máquinas a bebé com doença incurável

#CharliesFight / Facebook

Charlie, Connie Yates e Chris Gard

Charlie, Connie Yates e Chris Gard

A Justiça britânica autorizou, nesta terça-feira, os médicos de um hospital de Londres a desligarem as máquinas que mantinham o recém-nascido Charlie Gard vivo desde outubro do ano passado.

Numa decisão que gerou polémica no país, e que não agradou os pais da criança, a justiça britânica concordou com a alegação do hospital Great Ormond Street de que Charlie tem um “dano irreversível no cérebro” e permitiu que os médicos responsáveis suspendam o tratamento que o mantém vivo desde que nasceu.

Charlie estava muito mal quando foi internado no nosso hospital, onde está a receber cuidados 24 horas por dia na nossa unidade de terapia intensiva. Mas ele continuou a piorar e já esgotamos todos os tratamentos disponíveis”, afirmou.

“Não podemos imaginar o quão angustiante é para a família. Continuamos a apoiá-los de todas as maneiras, enquanto defendemos o que acreditamos ser o melhor para Charlie.”

Na decisão, o juiz afirmou que julgou o caso com “um aperto enorme no peito”, mas também com “plena convicção” que era o melhor a fazer pelo bem da criança.

O juiz salientou o esforço dos pais do bebé por terem feito “uma bela campanha” para arrecadar fundos para o tratamento de Charlie e pela sua “total dedicação ao menino”.

Os pais de Charlie ficaram arrasados com a notícia. Quando a decisão foi anunciada, Chris Gard, pai do menino, gritou: “Não” e desfez-se em lágrimas.

Charlie tem uma doença rara, complexa e incurável.

Charlie Gard, filho de Connie Yates e Chris Gard, nasceu saudável em agosto de 2016, mas começou a perder peso e força com seis semanas de vida. O seu estado de saúde piorou rapidamente e o menino foi internado em outubro no Hospital Great Ormond Street, em Londres, depois de desenvolver pneumonia por aspiração.

O bebé foi diagnosticado com miopatia mitocondrial – uma doença que causa perda progressiva de força muscular. Como a doença não tem cura, o hospital acredita que Charlie deveria ter o direito de morrer com dignidade porque “a sua qualidade de vida já é muito instável“.

No entanto, a advogada de defesa do casal, Laura Hobey-Hamsher, afirmou que os pais não conseguiram entender porque é que o juiz não deu ao Charlie “pelo menos a hipótese de receber um tratamento”.

Os pais do bebé, que moram em Londres, querem levá-lo para os Estados Unidos, porque acreditam que o menino pode ter boas probabilidades de sobreviver se participar em tratamentos pioneiros.

Segundo Kate Gollop, a advogada que representa os médicos do Hospital Great Osmond, os especialistas britânicos já consideraram o tipo de tratamento que está disponível nos EUA, mas decidiram não aplicá-lo no bebé.

A advogada Victoria Butler-Cole, que foi nomeada para representar o bebé de oito meses, disse que o tratamento proposto nos Estados Unidos era “puramente experimental” e que continuar o seu tratamento com aparelhos só “prolongaria o processo de morte”.

A mãe de Charlie lançou uma campanha chamada #CharliesFight, que arrecadou mais de 80 mil libras (cerca de 94 mil euros) do total de 1 milhão de libras que os pais acreditam ser necessário para que o bebé receba o tratamento nos Estados Unidos.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Rochas antigas de Vénus apontam para origem vulcânica

Uma equipa internacional de investigadores descobriu que alguns dos terrenos mais antigos de Vénus, conhecidos como "tesserae", têm camadas que parecem consistentes com atividade vulcânica. A descoberta pode fornecer informações sobre a enigmática história geológica …

Na África do Sul, há uma associação entre violência sexual e gravidez indesejada

Na África do Sul, as meninas que sofreram violência sexual têm maior probabilidade de relatar uma gravidez indesejada em comparação com aquelas que nunca sofreram violência sexual. Na África do Sul, a taxa de gravidez na …

Hackers russos associados ao ataque em hospital alemão que resultou na morte de uma paciente

O ataque informático num hospital alemão na semana passada, que resultou na morte de uma paciente em estado crítico, pode ter sido causado por um grupo russo com ligações ao crime cibernético. A informação é …

Paços 0-2 Sporting | “Leão” competente estreia-se com triunfo

Após o adiamento do jogo da primeira jornada ante o Gil Vicente, devido a vários casos de Covid-19 nas duas equipas, o Sporting estreou-se na Liga NOS 2020/21 e não vacilou. Na visita ao Paços de …

Medicamentos para a tensão arterial diminuem mortalidade em doentes com covid-19

Um estudo de meta-análise concluiu que medicamentos para a tensão arterial, ao contrário do que se pensava, reduzem a mortalidade em pacientes com covid-19. No início da pandemia, havia a preocupação de que certos medicamentos para …

A ilha mais povoada do Hawai pode perder 40% das suas praias até 2050

A subida do nível das águas do mar pode fazer com que a ilha mais povoada do Havai perca 40% das suas praias, alerta uma nova investigação. Em causa está a ilha de Oahu, a …

Pela primeira vez em 10 anos, a Wikipédia vai mudar de aparência

A icónica Wikipédia vai, pela primeira vez em 10 anos, ser modificada para tornar o site mais acessível - e menos "assustador" - para novos utilizadores. A Wikipédia tem sido parte integrante da cultura da web …

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …