Físicos medem força nuclear fraca pela primeira vez

DESY/Science Communication Lab

Pela primeira vez, físicos conseguiram fazer a medição precisa da força entre eletrões e protões, a chamada força nuclear fraca.

Físicos internacionais aproveitaram uma particularidade estranha da física de partículas para conseguirem obter uma medida sólida numa das forças fundamentais mais fracas da natureza. Este esforço internacional conduzido no Jefferson Lab, um laboratório pertencente ao Governo norte-americano.

As interações entre as partículas ocorrem em quatro categorias, que podem ainda combinar-se em energias altas. A primeira categoria é a gravidade, responsável por manter juntos os planetas, exigindo assim pedaços de matéria do tamanho de um planeta para que seja possível observar os seus efeitos.

A segunda força, que também já é nossa conhecida, é o eletromagnetismo, responsável por manter as moléculas juntas. Na sequência, encontramos a força nuclear forte, que é uma espécie de “cola” dos núcleos atómicos, atuando sobre distâncias minúsculas para ligar partículas quarks a protões e neutrões.

Por último, a estranha força nuclear fraca, que ajuda alguns átomos a passarem pelo decaimento radioativo e transforma neutrões em protões. Através da medição, os cientistas descobriram que, mesmo sendo tão leve quanto a gravidade, a interação nuclear fraca representa apenas uma fração da atração entre as cargas de um protão e de um eletrão.

Ross Young, físico da Universidade de Adelaide, explica que fazer esta medição era muito difícil “porque a força fraca é muito mais fraca do que a eletromagnética“.

Os físicos aproveitaram-se de uma descoberta feita nos anos 1950. O estudo, publicado esta quarta-feira na Nature, sustenta que grande parte da física segue uma regra de equilíbrio e simetria. Isto significa que se trocássemos cargas positivas por negativas, tudo ficaria praticamente igual.

Já a força nuclear fraca é uma exceção importante, devido a um viés de esquerda e direita no colapso das partículas que estão envolvidas nesta força.

Assim, girar eletrões quer para a direita, quer para a esquerda e “atirá-los” contra protões faz com que haja um efeito de ricochete de maneira precisa dependendo da sua direção ou “helicidade” dependendo da sua rotação.

“A diferença entre as duas configurações de helicidade é de menos de 300 para cada mil milhões de eletrões espalhados”, explicou Young. “Medindo essa pequena diferença com muita precisão, conseguimos determinar a fraca carga do protão”.

Os resultados da experiência estão alinhados com o que seria esperado, dentro da nossa atual compreensão da física de partículas, o Modelo Padrão.

PARTILHAR

RESPONDER

Pasta de dentes de carvão não branqueia os dentes (e faz muito mal)

O carvão ativado, como uma moda de saúde, começou a ficar popular em 2016. Hoje, podemos encontrá-lo em bebidas, gelados e pizza, por exemplo. Não há dúvida de que parte da atração está na estética das …

O exoplaneta mais tórrido já descoberto tem valiosas terras raras

A 650 anos-luz da Terra, o KELT-9 b, o exoplaneta mais quente até agora descoberto, tem assinaturas de alguns dos cobiçados minerais de terras-raras.  Além das assinaturas de ferro gasoso e titânio encontradas na sua atmosfera, …

Conseguirá a Terra sair ilesa se o Sol ficar sem combustível?

Planetas rochosos formados por elementos densos serão, muito provavelmente, os únicos sobreviventes da morte explosiva de uma estrela. Esta descoberta dá-nos pistas preciosas sobre o futuro da Terra. Quando uma estrela morre destrói tudo o que …

As colónias espaciais de Bezos flutuam, são auto-sustentáveis e até se podem parecer com Florença

O CEO da Amazon e fundador da empresa de transporte aeroespacial Blue Origin levantou o véu sobre os seus planos futuros, detalhando as suas ideias para a colonização do Espaço. Jeff Bezos sonha com "cápsulas" …

Descoberta nova espécie de rã de cristal na Colômbia

Uma rã de cristal com um coaxar peculiar foi descoberta na Sierra Nevada de Santa Marta, uma cordilheira localizada na Colômbia. "Foi um golpe de sorte", revelou o cientista que encontrou o novo espécime. Segundo …

O café mais caro do mundo vende-se na California. Custa 66 euros

Um café na California, nos EUA, prepara o que apresenta como o café mais caro do mundo. Chama-se Elida Natural Geisha 803 e custa 75 dólares (66 euros) por chávena. A rede Klatch Coffee Roasters, que …

Inglês pagou 265 euros por um Picasso falso. Afinal, era verdadeiro

Um residente da cidade de Crawley, na Inglaterra, comprou por 292 dólares (cerca de 261 euros) uma pintura que achava ser uma boa farsa de um conhecido trabalho de Pablo Picasso. Porém, seis meses depois, soube …

China cria aplicação de reconhecimento facial para distinguir pandas

Investigadores do Centro de Pesquisa e Conservação da China para Pandas Gigantes, juntamente com a Universidade de Tecnologia de Nanyang, em Singapura, e a Universidade Normal de Sichuan desenvolveram uma aplicação com um software de …

Corvos da Torre de Londres "salvaram" o país. Tiveram crias pela primeira vez em 30 anos

Os icónicos corvos negros da Torre de Londres "salvaram" o Reino Unido das consequências fatídicas de uma antiga profecia ao ter descendentes pela primeira vez desde 1989. O casal formado por Huginn (o pai) e Muninn …

A Estónia só tem um lingote de ouro e nem sequer o pode vender

O Banco Central da Estónia, que completou em maio 100 anos desde a sua função, só tem um lingote de ouro e nem sequer o pode vender, uma vez que o material não é puro …