Matos Fernandes diz que Portugal é um país que lidera no mundo na neutralidade carbónica

António Cotrim / Lusa

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes

O ministro do Ambiente disse que a meta portuguesa está para além do pedido do secretário-geral da ONU para a redução de emissões em 45% até 2030, colocando Portugal numa posição de liderança.

O ministro do Ambiente disse esta segunda-feira que a próxima década é “a mais exigente” nas medidas de ação climática, após apresentar o Roteiro para a Neutralidade Carbónica aos parceiros internacionais em Nova Iorque.

A próxima década é a década mais exigente” para que Portugal chegue a 2030 com uma redução em 50% das emissões de carbono e com 80% da eletricidade a ser fornecida a partir de fontes renováveis, disse João Pedro Matos Fernandes aos jornalistas na Organização das Nações Unidas (ONU), onde considerou que o convite para Portugal intervir na Cimeira da Ação Climática foi “esperado e justo”.

O cumprimento daquelas metas vai permitir que, em 2050, 100% da energia consumida seja proveniente de fontes renováveis.

O Roteiro para a Neutralidade Carbónica faz parte da estratégia portuguesa para o ambiente, que põe a tónica no ordenamento do território, para uma distribuição igualitária de recursos, e na “remuneração dos serviços de ecossistema”, para uma transição justa para todo o país. Para o ministro do Ambiente e da Transição Energética, o roteiro “mostra que é possível chegar lá”.

O governante disse ainda que a meta portuguesa está para além do pedido do secretário-geral da ONU, António Guterres, para a redução de emissões em 45% até 2030, colocando Portugal numa posição de liderança.

“Somos um país que lidera no mundo”, considerou Matos Fernandes, acrescentando que a neutralidade carbónica vai contribuir para o bem-estar dos portugueses, além de dar prestígio acrescido ao nome do país, por ser um compromisso internacional em grande escala.

Segundo o ministro, o bem-estar da população vai verificar-se pela “economia hipocarbónica, regeneradora de recursos e que já está a dar provas”, sendo uma economia “tendencialmente menos utilizadora de combustíveis fósseis”.

O ministro do Ambiente chamou a atenção para a necessidade de mais negócios comerciais e sociais para atingir os objetivos de desenvolvimento sustentável, sem que se fale de lucros, mas, sim, de ação. “A economia tem de crescer nos limites do próprio planeta. A natureza nunca se enganou. Os sistemas naturais não têm nada a mais, nem nada lhes falta. Por isso, temos de evoluir também para um modelo económico e social fundado na racionalidade da suficiência.”

Segundo João Pedro Matos Fernandes, a Cimeira da Ação Climática, realizada segunda-feira na ONU, deu “uma nova dimensão” aos esforços de adaptação e mitigação dos efeitos climáticos porque juntou compromissos de estados, de empresas e organizações da sociedade civil.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou que Portugal foi o primeiro país a comprometer-se com a neutralidade carbónica até 2050. De seguida, o ministro do Ambiente apresentou as medidas assumidas pelo país no almoço executivo “Diálogo paralelo sobre compromissos de negócios para um futuro a 1,5ºC”.

Matos Fernandes disse, numa entrevista à Lusa antes da viagem a Nova Iorque, que o país não vai “chegar a 2050 com emissões zero (de dióxido de carbono, CO2)”. “As 68 megatoneladas de CO2 de há dois anos serão, correndo as coisas de acordo com a nossa ambição, 13 megatoneladas em 2050”, declarou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Discurso xenófobo. Na Áustria, "a islamofobia tornou-se uma forma dominante de racismo"

A Áustria regista um aumento preocupante do discurso xenofóbico, em particular em relação aos muçulmanos e refugiados, alerta um relatório do Conselho da Europa. A Comissão do Conselho da Europa contra o Racismo e a Intolerância …

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia é uma invenção

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia de coronavírus é uma invenção, de acordo com uma pesquisa realizada pela Escola Superior de Economia de Moscou (HSE). Segundo avançou o site de notícias RBC, citado …

"Botellón" está de volta a Lisboa. Ajuntamentos sem controle podem estar a espalhar o vírus

Há cada vez mais ajuntamentos de jovens em Lisboa, nomeadamente nos bairros típicos, mas também em locais como bombas de gasolina, para o convívio e o consumo de álcool. Um tipo de comportamento que está …

Trump negou ter-se abrigado num bunker da Casa Branca por causa dos protestos

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, negou esta quarta-feira ter sido escoltado para um 'bunker' na Casa Branca, devido aos protestos pela morte de George Floyd, alegando ter ido lá apenas para inspecionar …

Itália. Manifestantes desviam as máscaras e protestam contra medidas para conter pandemia

Centenas de manifestantes se reuniram em Roma, desviando as suas máscaras dos rostos, para protestar contra as medidas do Governo italiano para impedir a propagação do coronavírus. Segundo avançou na terça-feira a Time, os manifestantes, que …

Brasil pagou anúncios em sites investigados por publicar notícias falsas, avança O Globo

O Governo brasileiro publicou milhões de anúncios oficiais em sites investigados por divulgar notícias falsas, avança o jornal O Globo. O Governo do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, publicou milhões de anúncios oficiais em sites investigados por …

A covid-19 foi o balde de água fria de muitos países, mas pode ser uma oportunidade para a Nigéria

O mundo está a braços com uma pandemia e a Nigéria não é exceção. Agora que o país está a aliviar as restrições impostas para conter a disseminação do novo coronavírus, já se olha para …

Cidade japonesa propõe nova lei que proíbe uso do telemóvel enquanto se caminha

O Governo da cidade de Yamato, no Japão, propôs uma nova lei para proibir os pedestres de olhar para os seus telemóveis enquanto caminham nas ruas. Caso seja aprovada, entra em vigor a partir de …

Só 2% dos portugueses contam passar férias fora do país

Segundo uma sondagem da Pitagórica, a maioria dos portugueses está a evitar marcar férias a longo prazo, devido à pandemia de covid-19. A pandemia de covid-19 veio alterar os planos da grande maioria dos portugueses. De …

"O medo vai sempre existir". Um dos poucos países sem covid-19 autoriza regresso de 143 cidadãos

Palau, que tem mais de 500 ilhas e cerca de 18 mil habitantes, é um dos poucos lugares do mundo onde não foram registados casos de covid-19. Agora, o país vai permitir que 143 cidadãos …