Marshae levou um tiro na barriga e perdeu o bebé. Agora está a ser acusada de homicídio

(dr) change.org

Marshae Jones

Uma norte-americana foi formalmente acusada, esta quinta-feira, de homicídio involuntário por ter iniciado a discussão que levou uma outra mulher a dar-lhe um tiro na barriga, o que provocou a morte do seu bebé.

Em dezembro do ano passado, Marshae Jones, de 27 anos, estava grávida de cinco meses quando participou numa discussão que acabou com a norte-americana a ser baleada na barriga, o que levou à morte do feto.

A polícia de Pleasant Grove, no Estado norte-americano do Alabama, determinou que a mulher de 23 anos que puxou o gatilho e que foi depois detida, Ebony Jemison, tinha cometido homicídio involuntário.

Mas, agora, sete meses passados, Marshae passou de vítima a culpada deste caso. De acordo com o jornal espanhol El País, a mulher foi, esta quinta-feira, formalmente acusada de homicídio involuntário.

O tribunal de júri considera que foi a mulher grávida quem começou a discussão, alegadamente a propósito do pai do bebé. “A investigação mostrou que a única verdadeira vítima foi o bebé que estava por nascer”, afirmou o tenente da polícia Danny Reid, encarregado da investigação, citado pelo portal do Alabama AL.com.

“Quando uma mulher grávida de cinco meses começa uma briga e ataca outra pessoa, acho que tem alguma responsabilidade por qualquer lesão ao feto”, disse ainda.

O grande júri do condado de Jefferson recusou-se ainda a acusar a agressora depois de a investigação policial ter determinado que, como foi Marshae quem começou a briga, a outra mulher apenas agiu em legítima defesa.

De acordo com relatórios a que o AL.com teve acesso, Marshae Jones foi detida com uma fiança de 50 mil dólares. A decisão está a ser severamente criticada por organizações a favor do aborto, que nos últimos meses estão a lançar o debate sobre como os direitos das mulheres estão a ser ameaçados neste Estado conservador.

No mês passado, a governadora republicana do Alabama, Kay Ivey, assinou a legislação que proíbe o aborto em quase todos os casos, incluindo violação e incesto. A única exceção prevista na lei é para situações em que a vida da mãe esteja em perigo. Um médico que efetue o procedimento poderá enfrentar uma pena de prisão até 99 anos.

Antes do Alabama, logo no início de maio, foi a Geórgia a proibir a interrupção da gravidez a partir do momento em que o feto tenha batimento cardíaco, o que acontece por volta das seis semanas. Os dois Estados juntam-se ao Mississippi, Kentucky e Ohio, onde também já tinham sido aprovadas leis semelhantes.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Descobertas pegadas fossilizadas com mais de 10 mil anos. São a trilha pré-histórica de uma mãe com um bebé ao colo

Uma equipa de investigadores internacional descobriu o trilho pré-histórico mais comprido do mundo no Novo México, nos Estados Unidos. O novo estudo conta a historia de uma mulher que carregou um bebé nos braços durante …

Pure Skies. Empresa desenha cabines dos aviões do pós-pandemia

Desde o início da pandemia, os especialistas têm testado diferentes maneiras de alcançar o distanciamento social em aviões, embora com pouco sucesso. Agora, há uma empresa que está a levar esta ideia até ao próximo …

OE2021. Bloco de Esquerda vota contra na generalidade

O Bloco de Esquerda vai votar contra a proposta do Orçamento do Estado para 2021 na generalidade, anunciou a coordenadora do partido, Catarina Martins. Em declarações aos jornalistas, a bloquista confirmou este domingo que o …

PS ganha eleições nos Açores sem garantia de maioria absoluta

O PS voltou a ganhar as eleições regionais dos Açores, obtendo entre 37% e 41%, o que não garante a maioria absoluta, segundo a projeção à boca das urnas realizada este domingo pela Universidade Católica …

Extinção da fauna em Madagáscar pode dever-se à presença humana (e a mudanças climáticas)

Grande parte da fauna de Madagáscar e das ilhas Mascarenhas foi eliminada durante o último milénio. Neste sentido, uma equipa de cientistas analisou um registo do clima nos últimos 8000 anos nas ilhas. O resultado …

PAN vai abster-se na generalidade. OE mais próximo da aprovação

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) vai abster-se na votação na generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) na próxima quarta-feira, anunciou a líder parlamentar do partido, Inês Sousa Real. Com a abstenção dos três …

O passado tóxico fica para trás. Asbestos, a cidade "amianto", mudou de nome

A cidade canadiana Asbestos (que significa amianto) ganhou um novo nome, quase 11 meses após o anúncio da votação. Wuase metade dos cerca de 6 mil residentes da cidade canadiana marcaram presença numa votação organizada num …

Menino de 12 anos encontra fóssil de dinossauro com 69 milhões de anos

Nathan Hrushkin, aspirante a paleontólogo de 12 anos, encontrou o fóssil de um dinossauro enquanto passeava com o pai em Alberta, no Canadá. Depois de enviarem uma fotografia ao Museu Royal Tyrrell, ficaram a saber …

Autarca de Cascais associa festa privada de luxo a “número muito expressivo” de casos

O presidente da Câmara Municipal de Cascais associou este sábado uma festa privada, organizada num clube de luxo na Avenida de Liberdade, a "um número muito expressivo de casos" registado no concelho. "A festa de aniversário …

João Almeida acaba em 4.º e faz história no Giro. É o melhor português de sempre na prova

O português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) subiu este domingo ao quarto lugar final da 103.ª edição da Volta a Itália em bicicleta, no contrarrelógio da 21.ª etapa, que 'coroou' o britânico Tao Geoghegan Hart (INEOS). O português …