Mark Zuckerberg no Senado. “Foi um erro meu e peço desculpa”

O presidente e fundador do Facebook assumiu, esta terça-feira, a culpa perante o Senado norte-americano pelo abuso da Cambridge Analytica, que utilizou dados de milhões de utilizadores para a campanha eleitoral de Donald Trump.

Mark Zuckerberg, que afirmou não ter a Cambridge Analytica medido adequadamente “a responsabilidade” de fornecer dados de forma ilegal para a campanha eleitoral do Presidente dos EUA, em 2016, vincou que “isso foi um grande erro”.

Foi um erro meu e peço desculpa. Não tivemos a visão completa da nossa responsabilidade com o que aconteceu na época. Eu comecei o Facebook e essa é a minha responsabilidade”, disse o presidente e fundador do gigante tecnológico, na audição do comité de Justiça do Senado norte-americano.

O CEO da rede social fez ainda questão de sublinhar que está a decorrer “uma investigação a toda e qualquer aplicação que teve acesso aos dados de utilizadores do Facebook” e que a mesma será banida caso se prove a invasão de privacidade.

Zuckerberg participou esta terça-feira na primeira de duas audições. A primeira é no Senado e, esta quarta-feira, é ouvido na comissão de Comércio e de Energia da Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso).

O Facebook está no centro de uma polémica internacional associada com a empresa Cambridge Analytica, acusada de ter recuperado dados de milhões de utilizadores daquela rede social, sem o seu consentimento, para elaborar um programa informático destinado a influenciar o voto dos eleitores, nomeadamente nas eleições que ditaram a nomeação de Donald Trump para a Casa Branca e no referendo sobre o Brexit.

Inicialmente, foi avançado que o número de utilizadores afetado rondava os 50 milhões. Dias mais tarde, o Facebook admitiu que o número ascendia aos 87 milhões de utilizadores. Em Portugal, o número de utilizadores afetados poderá rondar os 63.080.

Na véspera do início destas audições, as agências internacionais citaram um texto no qual Zuckerberg assume que foi um “erro pessoal” ao não ter feito o suficiente para combater os abusos que afetaram a rede social, lançada em 2004.

Michael Reynolds / EPA

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, no Senado norte-americano

“Não fizemos o suficiente para impedir que estas ferramentas fossem mal utilizadas (…). Não tomámos uma medida suficientemente grande perante as nossas responsabilidades e foi um grande erro. Foi um erro meu e peço desculpa”, segundo o texto citado pelas agências internacionais.

Na sequência deste escândalo, outros órgãos nacionais e internacionais solicitaram a presença de Zuckerberg para prestar esclarecimentos. Foi o caso do Parlamento Europeu e do Parlamento do Reino Unido. Nos dois casos, o convite foi, até à data, recusado.

Na sexta-feira, a Comissão Europeia afirmou ter tido indicações do Facebook que dados de “até 2,7 milhões” de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia poderiam ter sido transmitidos de “maneira inapropriada” à empresa britânica Cambridge Analytica.

Zuckerberg admitiu poder ver a sua atividade no Facebook ser regulada, de uma forma próxima ao que irá acontecer na UE, a partir de 25 de maio, com a aplicação de multas a empresas que utilizem de forma indevida dados pessoais.

O presidente executivo do Facebook disse que apresentará propostas regulatórias ao Senado e que a sua equipa trabalhará estreitamente com o senador republicano Lindsey Graham, que preside a este painel que hoje esteve a ouvi-lo, de modo a promover o diálogo acerca das “diferentes categorias em que este debate deve inserir-se”.

Já sobre a forma de obtenção de receitas, Zuckerberg defende que “sempre haverá uma versão gratuita do Facebook”. Esta declaração já incendiou as redes sociais, com os cibernautas a admitirem que uma versão paga pode estar para breve.

Os acionistas e analistas de mercados parecem ter gostado da performance de Zuckerberg. Esta terça-feira, as ações do Facebook tiveram o seu maior ganho diário: a rede social valorizou 4,5% e atingiu os 165,04 mil milhões de dólares, o seu nível mais alto em mais de três semanas. A subida foi a mais acentuada desde 28 de abril de 2016.

Shawn Thew / EPA

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, no Senado norte-americano

PARTILHAR

RESPONDER

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …

Roubar aos ricos para dar aos pobres. Misterioso grupo de hackers desviou dinheiro para doar à caridade

Um misterioso grupo de hackers, conhecidos como hackers Darkside, doou dinheiro a duas instituições de caridade - mas esse dinheiro foi roubado pelo mesmo grupo a grandes corporações através de um ataque de ransomware. Quase podia …