Presidente do Marítimo desafia FPF a realizar final da Taça na Madeira

Paulo Novais / Lusa

O presidente do Marítimo, Carlos Pereira

O presidente do Marítimo revelou, esta sexta-feira, ter desafiado a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) a realizar a final da Taça de Portugal, entre Benfica e FC Porto, no estádio do clube, na Madeira.

A final da prova estava marcada originalmente para 24 de maio, no Estádio Nacional, no Jamor, mas foi adiada devido à suspensão da atividade desportiva, motivada pela pandemia de covid-19, tal como a I Liga, que irá regressar a 4 de junho, para a disputa das últimas 10 jornadas.

“Ontem, fiz o desafio à FPF. A final da Taça de Portugal na Região Autónoma da Madeira, nesta fortaleza. Seria também um momento histórico para a Federação. Estou a lutar por esse objetivo, o presidente da Associação de Futebol da Madeira, ontem, transmitiu isso e vamos continuar nessa luta para ver se conseguimos que aconteça”, revelou o presidente do Marítimo, Carlos Pereira, numa conversa realizada na página do clube no Facebook.

Carlos Pereira mencionou a intenção também manifestada por Rui Marote, presidente da AF da Madeira, que destacou o mérito e esforço do futebol madeirense e a qualidade do turismo na região.

“Era bem-vindo esse jogo à Madeira, era até um prémio para todo o trabalho que tem sido feito, não só pelos nossos clubes, como pela própria associação, e era a forma de termos aqui uma mais-valia que vinha beneficiar também o nosso turismo e as nossas unidades hoteleiras. A Federação já tem conhecimento desta oportunidade”, afirmou à RTP Madeira.

Esta semana, a imprensa desportiva avançou que a final da Taça não deverá ser jogada no Jamor, estando a ser vistas como alternativas para a final da prova rainha de futebol os estádios do Algarve e o de Aveiro.

Hoje, ficou também a saber-se que o clube madeirense pondera impugnar a I Liga caso não dispute os cinco jogos que tem como visitado no seu estádio, na Madeira.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.