“Manobras político-mediáticas”. Novo Banco lamenta ser usado como arma de arremesso político

O Conselho de Administração do Novo Banco lamentou esta quinta-feira “profundamente” que a instituição continue a ser usada “como arma de arremesso político e/ou manobras político-mediáticas”.

A comunicação do banco surge depois de a injeção de capital na instituição bancária ter marcado o debate quinzenal desta quarta-feira, no Parlamento.

Em comunicado citado pela Lusa, o Novo Banco diz que é “seguramente uma das entidades bancárias mais escrutinadas, tanto a nível nacional como a nível europeu, fruto, aliás, do processo que lhe deu origem”, tendo o próprio presidente executivo, por várias vezes, se deslocado ao parlamento para prestar todos os esclarecimentos pedidos.

“Se, apesar de tudo, subsistem dúvidas sobre a criação e a forma como é gerido o Novo Banco, como transpareceu, uma vez mais, do debate parlamentar de ontem à tarde, os senhores deputados devem procurar, através de todas as iniciativas, e sublinhamos todas as iniciativas que estão nas suas atribuições, apurar tudo o que quiserem”, disse.

O Novo Banco reitera assim que está disponível “para tudo esclarecer”, mas “não pode continuar a assistir a constantes manobras que só prejudicam a sua atividade, perturbam o esforço de recuperação duramente realizado por milhares de colaboradores do banco, que diariamente servem centenas de milhares de clientes” e esquecem a importância do Novo Banco para a economia do país, que “ficou bem evidenciada, sobretudo nesta hora de maior dificuldade para as empresas e famílias portuguesas”.

Novo Banco aqueceu debate

O primeiro-ministro, António Costa, disse na quarta-feira que, se a auditoria ao Novo Banco vier a revelar falhas de gestão que injustifiquem as injeções de capital, o Fundo de Resolução “tem toda a legitimidade” para recuperar o dinheiro.

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, arrancou o debate quinzenal com a questão do Novo Banco por considerar necessário saber o que mudou para que “uma auditoria que era indispensável agora ser dispensável”, deixando uma pergunta a António Costa: “quando a auditoria for conhecida, como é? Se tiver sido mal gerido o Novo Banco, vamos lá buscar o dinheiro?”. Em resposta, o primeiro-ministro começou por distinguir “os diferentes intervenientes” do Estado.

“Se pelo Estado se refere ao Fundo de Resolução, que é quem tem feito as injeções de capital no Novo Banco, não tenho a menor das dúvidas de que, se a auditoria vier a dizer que o banco cometeu falhas de gestão que injustificavam as injeções que forem feitas, o Fundo de Resolução tem toda a legitimidade para agir no sentido da recuperação do dinheiro que desembolsou e que não tinha que desembolsar”, considerou.

Costa foi mais longe e disse mesmo estar “aliás desconfiado” que, sendo o Fundo de Resolução financiado pelos outros bancos, “concorrentes do Novo Banco”, que estes “não estejam propriamente disponíveis para financiar a má gestão do Novo Banco”.

No que diz respeito ao “Estado-Governo”, o papel que este tem, de acordo com o primeiro-ministro, “não é injetar dinheiro no Novo Banco, é emprestar dinheiro ao Fundo de Resolução”. “Se depois o dinheiro que o Fundo de Resolução injetou no Novo Banco foi mal injetado e isso vier a ser verificado na auditoria, com certeza que o fundo de resolução terá de retirar daí as necessárias ilações”, apontou.

Em causa está uma nova transferência do Estado para o Fundo de Resolução de 850 milhões destinados à recapitalização do Novo Banco, que foi conhecida na semana passada, levando a uma crise política entre António Costa e Mário Centeno.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Banca empresta 475 milhões para Fundo de Resolução pagar ao Novo Banco

O sindicato bancário, composto por sete bancos, vai proceder ao financiamento do Fundo de Resolução para este cumprir a injeção de capital no Novo Banco já na próxima semana. O Jornal Económico avança, esta sexta-feira, que …

China suspende "diálogo económico" com a Austrália e denuncia "mentalidade de Guerra Fria"

Esta quinta-feira, o Governo chinês anunciou a suspensão "por tempo indefinido" de todas as atividades realizadas no âmbito da iniciativa "Diálogo Económico Estratégico China-Austrália". As relações entra a China e o ocidente estão cada vez mais …

Bolsonaro diz ter tido sintomas de reinfeção. China acusa-o de "politizar" novo coronavírus

O Presidente do Brasil admitiu na quinta-feira que teve sintomas de reinfeção pelo novo coronavírus "há poucos dias" e afirmou que tomou ivermectina, fármaco sem comprovação científica contra a covid-19. As declarações de Jair Bolsonaro foram …

"É fácil despedir". PCP quer mudar regime de despedimento coletivo e extinção de postos de trabalho

O PCP vai entregar na Assembleia da República esta sexta-feira um projeto de lei que visa limitar os despedimentos coletivos e a extinção de postos de trabalho, eliminando o despedimento por inadaptação. O objetivo do partido …

Páginas ocultas do PRR revelam "reedição da troika" na reforma aos hospitais

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) prevê uma concentração das urgências da Grande Lisboa e Grande Porto, cortes nos gastos e uma gestão dos hospitais mais vigiada com imposição de objetivos financeiros. O jornal Expresso …

Já há uma explicação científica para as "dunas" do céu do Norte

Um ano depois da sua observação, as auroras de dunas, ou auroras boreais em forma de duna, já possuem confirmação e explicação científica. A aurora boreal nasce quando as partículas carregadas expelidas pelo Sol, como eletrões, …

Praia. Desporto e equipamentos de lazer vão ter regras novas

O Governo aprovou esta quinta-feira as regras de acesso e ocupação das praias durante a época balnear, com alterações em relação ao ano passado ao nível da atividade desportiva no areal e da utilização de …

Bastião trabalhista derrotado. Conservadores conseguem vitória na "muralha vermelha" britânica

Os conservadores conseguiram derrubar o domínio trabalhista do círculo de Hartlepool. Jill Mortimer venceu com mais de 50% dos votos e ajudou a reforçar a maioria de Boris Johnson, primeiro-ministro britânico. O antigo deputado trabalhista Mike …

Curso de Medicina na Católica vai custar 100 mil euros. Candidaturas terminam este mês

A Universidade Católica Portuguesa (UCP) anunciou, em setembro do ano passado, ter recebido luz verde da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) para o curso de Medicina. Agora, sabe-se que vai custar …

Ivo Rosa deixa colegas "estupefactos" com violação de regra sagrada do Direito

O Conselho Superior da Magistratura recebeu várias queixas de juízes desembargadores contra Ivo Rosa. Em causa estão decisões do juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal, especialmente no âmbito do processo Operação Marquês, que vão …