Antigo diretor da campanha de Trump condenado a quase quatro anos de prisão

Shawn Thew / EPA

Paul Manafort

Paul Manafort, o antigo diretor da campanha eleitoral de Donald Trump que foi considerado culpado de oito crimes em agosto passado, foi condenado esta quinta-feira a quase quatro anos de prisão.

Paul Manafort, antigo diretor de campanha do presidente Donald Trump, foi sentenciado na passada quinta-feira por um tribunal da Virgínia, nos Estados Unidos, a quase quatro anos de prisão por acusações de fraude bancária e fiscal. Manafort enfrenta uma outra sentença no próximo dia 13 por lobismo ilega.

Manafort, que completa 70 anos em abril, recebeu uma sentença muito inferior às recomendações do Departamento de Justiça norte-americano, que pediu ao juiz uma pena entre 19 e 24 anos de prisão para o ex-lobista.

Em agosto do ano passado, Manafort tinha sido condenado por um júri da Virgínia num processo que correu em Alexandria, cidade deste estado do leste americano, e que atraiu muita atenção mediática.

Numa das audiências, o ex-assessor de Trump apareceu sentado numa cadeira de rodas e vestindo roupas de presidiário. Os seus advogados explicaram que Manafort sofre de gota e que está atormentado por “remorso”, pedindo clemência no processo.

A condenação de Manafort não está relacionada com as atividades que desempenhou como diretor da campanha presidencial de Donald Trump, embora tenha resultado da investigação sobre as suspeitas de conluio russo, liderada pelo procurador especial Robert Mueller.

Numa dura mensagem, o gabinete de Mueller enfatizou a seriedade dos crimes cometidos por Manafort e o facto de ele ter repetida e deliberadamente violado a lei, e pedindo uma sentença exemplar para o réu.

Manfort tem pendente um outro processo, esse sim relacionado com a investigação ao alegado conluio entre a campanha eleitoral de Trump e o Governo da Rússia durante as eleições presidenciais de 2016, por ter mentido aos investigadores depois de se ter disponibilizado para colaborar em troca de uma redução da pena.

Durante a investigação sobre a interferência da Rússia nas eleições de 2016, Mueller interessou-se pelo papel de Manafort, que liderou a campanha Trump por dois meses, e também tinha ligações com ucranianos ligados a Moscovo.

O ex-chefe do FBI descobriu provas de fraudes financeiras anteriores a 2016, entre elas a omissão de mais de 55 milhões de dólares distribuídos em mais de trinta contas.

Mueller também que demostrou que Manafort escondeu as suas atividades de consultoria para o ex-presidente ucraniano Viktor Ianukovich, apoiado por Moscovo, e para oligarcas russos sem informar as autoridades dos Estados Unidos, o que constitui uma infração às legislações sobre grupos de pressão.

Esta parte do processo é alvo de uma investigação separada cuja sentença será deliberada num tribunal federal de Washington, a ser conhecida a 13 de março.

Manafort aceitou declarar-se culpado e cooperar com Mueller na esperança de obter uma redução de pena, mas, segundo a justiça, ele não cumpriu com o prometido e continuou a mentir aos investigadores, em especial sobre os seus vínculos com um antigo sócio chamado Konstantin Kilimnik que, segundo os Estados Unidos, é suspeito de estar vinculado aos serviços de inteligência russos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Mais nove mortes e 328 casos confirmados em Portugal

Portugal regista hoje mais nove óbitos por covid-19, em relação a sábado, e mais 328 casos de infeção confirmados, dos quais 254 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral …

Cientistas criam miniatura de ondas de choque de supernovas (e quase desvendam um mistério)

Esta versão em miniatura das ondas de choque das supernovas pode ter ajudado os cientistas a chegar muito perto da resolução de um antigo mistério cósmico. Uma equipa de investigadores do Departamento de Energia do Centro …

Na Indonésia, são os recém-licenciados quem mais vai sofrer com o impacto económico da covid-19

A covid-19 continua a desacelerar a economia na Indonésia e pode causar graves impactos nos recém-licenciados que entram no mercado de trabalho pela primeira vez. Na Indonésia, o crescimento económico diminuiu para 2,97% durante o primeiro …

Mudanças climáticas ameaçam 60% das espécies de peixes do mundo

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Instituto Alfred Wegener, na Alemanha, sugere que as mudanças climáticas podem destruir mais espécies de peixes do que se pensavam anteriormente. Se as temperaturas globais subirem …

Engenheiros desenvolvem célula de combustível duas vezes mais eficiente do que a de hidrogénio

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, desenvolveu um novo processo para uma célula de combustível que funciona com o dobro da tensão das células a combustível tradicionais de hidrogénio. O novo …

Preços das bebidas concertados durante anos. Seis supermercados sob suspeita de cartel

Seis grupos de distribuição alimentar e dois fornecedores de sumos, vinhos e outras bebidas, foram acusados pela Autoridade da Concorrência de concertarem preços durante vários anos em prejuízo do consumidor. "Após investigação, a Autoridade da Concorrência, …

Sindicato denuncia mobilização forçada de médicos para tratar surto de Reguengos de Monsaraz

O Sindicado dos Médicos da Zona Sul (SMZS) denunciou hoje o que diz ser uma “mobilização forçada de médicos” pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo para o combate ao surto de covid-19 de …

Novo comboio-bala entra ao serviço na linha Tóquio-Osaka

O mais novo modelo de comboio-bala do Japão - o N700S - entrou ao serviço no dia 1 de julho, numa jornada inaugural de Tóquio a Osaka. A série N700S (sendo que o "S" significa "Supreme") …

Kanye West anuncia candidatura à Presidência dos EUA

O músico norte-americano Kanye West anunciou este sábado, Dia da Independência dos Estados Unidos, a sua candidatura à Casa Branca, depois de ter apoiado anteriormente o atual Presidente e candidato à reeleição, Donald Trump. "Agora devemos …

Vídeo revela, pela primeira vez, como é que o cérebro se livra dos neurónios mortos

Uma equipa de cientistas conseguiu usar, pela primeira vez, uma técnica que "mata" uma célula cerebral isolada e permite observar o processo de limpeza do sistema nervoso em tempo real. A equipa de investigadores conseguiu registar …