//

O palco de um dos maiores contos britânicos de sempre vai transformar-se num hostel

William Murphy / Flickr

A casa em Dublin em que James Joyce se inspirou para escrever “Os Mortos”.

A Irlanda aprovou uma proposta para converter um dos pontos de referência de James Joyce mais icónicos de Dublin num hostel.

O irlandês James Joyce é um dos maiores escritores da literatura britânica, sendo autor de obras como “Ulisses” e o volume de contos “Gente de Dublin”.

Localizada nas margens do rio Liffey, perto da cervejaria Guinness, a casa geminada do século XVIII foi o cenário de “Os Mortos”, a história final da coleção “Gente de Dublin” de Joyce, frequentemente citada como o maior conto escrito em inglês.

O The New York Times conta que a proposta para converter a casa num hostel vai contra a oposição vigorosa de escritores, artistas, investigadores e organizações de defesa de património.

Foi nos quartos do andar superior da casa que as tias-avós de Joyce geriram uma pequena escola musical. A sua reunião anual a cada 6 de janeiro foi o modelo para o jantar assombrado de “Os Mortos”.

A casa também foi o cenário para a adaptação da história para o cinema, feita pelas mãos de John Huston, nomeada para dois Óscares em 1988.

Agora, o plano passa por converter a casa num hostel que albergará 56 camas e terá um café aberto ao público na cave.

O escritor irlandês Colm Tóibín lançou uma petição para interromper os planos, que conta com várias assinaturas, entre as quais as de autores como Salman Rushdie, Richard Ford, Rachel Kushner, Michael Ondaatje, Tobias Wolff, Ian McEwan, entre outros. Os principais órgãos de património da Irlanda também estão contra a conversão.

O empreendimento parte de dois empresários irlandeses que compraram a casa em 2017 por 650 mil euros.

“Isto é como vender as joias da família — como dá-las, na realidade”, disse John McCourt, presidente da International James Joyce Foundation.

“O custo daquele edifício foi uma ninharia para os padrões de Dublin. Se o Governo tivesse comprado quando estava à venda, ou fizesse um pedido de compra obrigatório agora, acho que poderíamos facilmente angariar o dinheiro para que fosse reaberto como um espaço cultural”, acrescentou, citado pelo NY Times.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.