Maior central elétrica do país está há oito meses à espera de uma nova licença ambiental

A maior central elétrica do país está há oito meses à espera que a sua licença ambiental, essencial para que possa permanecer em operação, seja renovada.

Apesar da morosidade do procedimento, e de a licença original ter como prazo o dia 29 de abril, a EDP obteve da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) uma garantia de que poderá continuar a explorar a central termoelétrica de Sines ao abrigo da antiga licença.

O processo de renovação da licença ambiental, essencial para que a EDP mantenha o direito a operar aquela central a carvão, entrou esta segunda-feira em consulta pública, que decorrerá até 9 de agosto, sendo ainda incerto quando poderá a APA emitir uma decisão sobre o pedido da elétrica.

A legislação ambiental prevê que o pedido de renovação de uma licença seja feito com uma antecedência mínima de 75 dias, prazo que a EDP cumpriu. “O pedido para renovação da licença foi feito a 30 de outubro de 2018, seis meses antes do término da respetiva licença e dentro do prazo previsto legalmente”, esclareceu fonte oficial da empresa ao Expresso.

A elétrica acrescentou que “a APA enviou entretanto à EDP um ofício a confirmar que a anterior licença se mantém em vigor, nos mesmos termos, até que termine o processo de renovação em curso”.

O presidente da APA, Nuno Lacasta, confirmou ao jornal que está em vigor a licença atual, enquanto o processo de renovação não ficar concluído. Lacasta garantiu que esta renovação será feita em linha com as orientações de política energética e ambiental do Governo, nomeadamente garantindo que o mais tardar em 2029 Portugal deixará de produzir eletricidade a partir do carvão.

Segundo o presidente da APA, a morosidade na tramitação da renovação de Sines ficou a dever-se à acumulação de processos de licenciamento naquela agência. Nuno Lacasta acredita, porém, que após a consulta pública, o processo da termoelétrica será concluído rapidamente.

 

Com 1256 megawatts de potência, repartida por quatro grupos de geração alimentados a carvão, a central de Sines é a maior unidade de produção de eletricidade do país. Até 2016 beneficiou de um contrato de longo prazo para a venda da sua energia ao abrigo do regime CMEC – Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual, passando desde então a comercializar a eletricidade no mercado, com preços variáveis.

O processo de renovação da licença ambiental de Sines chegou a ser equacionado pelo atual Governo como uma oportunidade negocial para o Estado no quadro dos diversos diferendos que o Governo mantém com a EDP. O Executivo poderia usar a seu favor o poder de renovar ou não a licença de Sines para garantir melhores resultados para o sistema elétrico na negociação dos dossiês que tem em aberto com a EDP.

A não renovação da licença de Sines, no entanto, poderá acarretar riscos significativos para o sistema elétrico, já que esta central é ainda a base de carga da nossa rede elétrica, dada a fiabilidade desta forma de produção.

EDP não pode encerrar central de Sines antes de 2030

O responsável pela Direção de Sustentabilidade do grupo EDP, António Martins Costa, garantiu, esta segunda-feira, que a central termoelétrica de Sines será encerrada até 2030, mas recusou uma antecipação, porque é preciso “alguma cautela”.

“A nossa central de Sines até 2030 vai ser encerrada”, disse, acrescentando que é preciso fazê-lo com cautela porque a central “garante a estabilização da rede elétrica em todo o país, e nomeadamente na zona sul”.

E depois, acrescentou, mesmo que a empresa encerrasse a central a carvão mais cedo, era preciso ir comprar energia a Espanha, que para isso teria de aumentar a produção das suas centrais a carvão e logo aumentar a emissão de gases com efeito de estufa.

Em maio, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, anunciou ser intenção do Governo que a central do Pego deixe de produzir em 2022, mas admitiu que a de Sines poderia ir até perto de 2030.

O maior prazo de produção de Sines foi explicado pelo ministro com “razões de segurança de abastecimento”, nomeadamente o facto de o país precisar de garantir uma maior capacidade renovável que permita gerar eletricidade suficiente para fechar a central de Sines sem riscos de apagões.

O PNEC prevê que em 2030 Portugal terá 80% da sua eletricidade proveniente de renováveis e 20% de termoelétricas a gás natural.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientista americana diz estar certa de que a Terra será atingida por asteroide

https://vimeo.com/355132338 Uma cientista americana de uma ONG dedicada a proteger a Terra diz que é 100% certo que um asteroide atingirá o nosso planeta. A cientista é Danica Remy, presidente da Fundação B612. Após um asteroide não …

NASA vai mesmo explorar Europa, a lua de Júpiter que pode ter vida extraterrestre

A NASA deu luz verde a uma missão para explorar uma lua de Júpiter que é considerada um dos melhores candidatos para a vida extraterrestre. A Europa - que é um pouco mais pequena do que …

País de Gales cancela plano controverso de criar "casas de banho robô"

O objetivo da construção era impedir atividade sexual, vandalismo e dormidas nas casas de banho públicas. O projeto ia recorrer às tecnologias de piso sensível ao peso, jatos de água, sensores anti-movimento e alarmes. O conselho …

Sem saber, uma mulher viveu durante 17 anos com a sua "gémea" dentro dela

Uma jovem na Índia, sem saber, viveu com uma das condições médicas mais raras e perturbadoras durante quase duas décadas. De acordo com um relatório de caso desta semana, a mulher tinha um saco que continha …

Novo filme da saga 007 já tem nome e data de estreia marcada

O novo filme da saga 007, realizado por Cary Fukunaga chama-se "No time to die" e estreia-se no Reino Unido e nos Estados Unidos em abril de 2020. "Daniel Craig regressa como James Bond, 007 em... …

Comporta pode tornar-se na nova Ibiza (e tudo começou com a queda do BES)

Após anos de um quase esquecimento, em termos de desenvolvimento imobiliário, a Comporta está a atrair investidores internacionais que encaram a pequena vila de Setúbal como uma "nova Ibiza". Um cenário que está a preocupar …

Família de Aretha Franklin cria fundo para a investigação de cancro raro

Um ano após a morte da cantora, a família de Aretha Franklin criou um fundo de apoio à investigação na área dos tumores neuroendócrinos, a doença rara que se revelou fatal para a celebridade, a …

Sporting vai monitorizar tudo o que se diz e escreve sobre jogadores

A empresa Noisefeed tem uma enorme base de dados relativa à atividade nas redes sociais de milhares de jogadores a nível global. Os jogadores de futebol de todo o mundo usam, cada vez mais, as redes …

Boris janta hoje com Merkel para mudar acordo. Maioria quer novo referendo

A pouco mais de dois meses da data marcada para a saída do Reino Unido da União Europeia, uma nova sondagem mostra que a maioria dos britânico quer que qualquer novo acordo vá a referendo. Um …

Oficial: Pardal Henriques candidato a deputado pelo partido de Marinho Pinto

O advogado Pedro Pardal Henriques anunciou esta quarta-feira que aceitou o convite para encabeçar a lista do PDR a Lisboa, deixando de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas para "não misturar …