Maduro responsabiliza Trump pela violência que possa ocorrer na Venezuela

(dv) Palácio Miraflores

Nicolás Maduro condenou as sanções “ilegais e unilaterais” impostas pelos EUA contra a empresa Petróleos da Venezuela SA (PDVSA), acusando Washington de pretender “roubar” a petrolífera e as riquezas do país. Maduro responsabilizou ainda Trump por “qualquer violência” que venha a ocorrer no seu pais.

Em Caracas, o Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou que a petrolífera estatal está a tomar ações para impedir a concretização das sanções, anunciadas pela Casa Branca na segunda-feira e que Maduro considerou como um ato ilegal. “Os EUA hoje decidiram tomar o caminho de querer roubar a empresa CITGO [petrolífera subsidiária da PDVSA nos Estados Unidos] à Venezuela e é um caminho ilegal.”

Nicolás Maduro falava durante um encontro no palácio presidencial de Miraflores, com diplomatas que regressaram de diferentes sedes consulares e da embaixada venezuelana nos EUA. “Já dei instruções ao presidente da PDVSA e à CITGO para que iniciem as ações legais para defender a propriedade e as riquezas da Venezuela”, afirmou o Presidente.

A administração norte-americana anunciou na segunda-feira que vai impor sanções à companhia petrolífera, o que aumenta a pressão sobre Nicolás Maduro. O conselheiro de segurança nacional John Bolton e o secretário do Tesouro Steven Mnuchin anunciaram medidas contra a companhia, que impede os norte-americanos de fazerem negócios com a empresa estatal e congela todos os seus bens nos Estados Unidos.

Segundo Nicolás Maduro, as sanções anunciadas, que afetam sobretudo à subsidiária norte-americana Citgo, “demonstram que o objetivo dos Estados Unidos é tirar as propriedades à Venezuela, o dinheiro e o território”.

Maduro sublinhou ainda que essas medidas são feitas “a pedido e amparadas pelo deputado anticonstitucionalmente autoproclamado chefe de Estado da Venezuela, Juan Guaidó”.

Por outro lado, explicou que os diplomatas venezuelanos que se encontravam no palácio presidencial foram chamados pelo Departamento de Estado norte-americano “para suborná-los” e para que declarassem contra a sua pátria, mas que “regressaram com dignidade, com honestidade e amor”. Assegurou ainda que estes diplomatas vão ser designados para outras missões.

Juan Guaidó anunciou, também na segunda-feira, praticamente em simultâneo com a divulgação das sanções norte-americanas, que assume o controlo dos ativos do país no exterior, de modo a evitar que Nicolás Maduro “continue a roubar” o dinheiro dos venezuelanos.

“A partir deste momento iniciamos a tomada do controlo progressivo e ordenado dos ativos da nossa República no exterior, para impedir que no seu percurso de saída, e não conformado com o que já roubou à Venezuela, o usurpador e o seu grupo continuem a roubar o dinheiro dos venezuelanos, financiando delitos a nível internacional e usando o dinheiro para torturar o povo, privando-o de alimentos e medicamentos e assassinando quem protesta pelos seus direitos”, refere Juan Guaidó, num comunicado.

O autoproclamado Presidente acrescentou que já denunciou “junto da comunidade internacional a corrupção na PDVSA”, salientando que esta foi convertida numa “rede de financiamento de crimes”. Juan Guaidó disse ainda que vai iniciar um processo para nomear uma nova administração para a PDVSA e para a sua filial CITGO, que opera nos Estados Unidos.

Maduro responsabiliza Trump pela violência

Responsabilizo Donald Trump por qualquer violência que possa vir a ocorrer na Venezuela”, disse Nicolás Maduro. “Será você, senhor Presidente Donald Trump, responsável por esta política de mudança de regime na Venezuela e o sangue que se possa derramar na Venezuela, será sangue que estará nas suas mãos, Presidente Donald Trump.”

Nicolás Maduro denunciou que há uma grande manipulação mundial, através dos meios televisivos dos Estados Unidos e da Europa para “apresentar uma Venezuela virtual”, da qual faz parte não mostrar a realidade: as manifestações de revolucionários que o apoiam. Por outro lado, anunciou estar pronto para iniciar um diálogo com a oposição para garantir a paz e a estabilidade do país.

Durante o encontro, o Presidente Nicolás Maduro pediu aos venezuelanos que continuem no rumo do trabalho, educação, do positivo e da expansão do modelo socialista, para a construção de uma estabilidade política, sólida, verdadeira e positiva. Nesse sentido anunciou o lançamento do programa estatal “Misión Venezuela Bella” (Missão Venezuela Linda) para embelezar 62 cidades do país.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

É agora possível os robôs mexerem-se sozinhos, graças a novos polímeros de alta energia

Através do uso de novos polímeros que armazenam mais energia e são depois aquecidos, investigadores da Universidade de Stanford conseguiram colocar manequins a mexer os braços sozinhos. Era ver robots a mexer os braços sozinhos, pelo …

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …