Contra tudo e todos: Maduro inicia novo mandato sem jurar no Parlamento

chavezcandanga / Flickr

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

Nicolás Maduro assume esta quinta-feira, 10 de janeiro, um segundo mandato de seis anos como Presidente da Venezuela. Num país à beira da rutura financeira, a legitimidade do líder é colocada em causa dentro e fora de casa.

Nicolás Maduro está mais isolado do que nunca, mas, ao mesmo tempo, nunca esteve tão firme no poder. Esta quinta-feira, Maduro presta juramento, perante o Supremo Tribunal de Justiça venezuelano, para iniciar mais um mandato como Presidente da Venezuela, um país imerso numa crise económica, social e humanitária.

Segundo o Público, a Lei Fundamental venezuelana estabelece que “o candidato eleito tomará posse como Presidente da República no dia 10 de Janeiro, mediante juramento na Assembleia Nacional”. O problema é que o Governo deixou de reconhecer a legalidade do órgão legislativo, controlado desde 2015 pela Mesa da Unidade Democrática (MUD) – a plataforma política de oposição ao chavismo –, e cujo novo presidente também não aceita a legitimidade de Maduro.

“A partir de 10 de Janeiro, Maduro estará a usurpar a Presidência da República. Estamos em ditadura”, declarou Juan Guaidó, do partido Vontade Popular, ao tomar posse, no dia 5.

Por esse motivo, o regime virou-se para o Supremo, baseando a sua decisão na referência constitucional que determina que “se por qualquer motivo o Presidente não puder tomar posse perante a Assembleia Nacional, fá-lo-á perante Supremo Tribunal de Justiça”. O “motivo” apresentado foi a tal condição de “desacato” que atribui ao Parlamento.

No entanto, nem a oposição, nem a grande maioria dos países reconhecem a validade do novo mandato do sucessor do falecido ícone do socialismo bolivariano, Hugo Chávez, que chegou ao poder em 2013.

Segundo o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela, Maduro foi reeleito para um novo mandato presidencial nas eleições antecipadas de 20 de maio de 2018, com 6.248.864 votos (67,84%). Um dia depois das eleições, a oposição venezuelana questionou os resultados, alegando irregularidades e desrespeito pelos tratados de direitos humanos ou pela Constituição do país.

A oposição, que considera que Maduro “usurpou” o poder, não está sozinha. As eleições não foram reconhecidas pelos Estados Unidos, Canadá, União Europeia e 12 países latino-americanos. Recentemente, o Grupo de Lima – com exceção do México -, integrado por 14 países, pediu a Maduro que não assuma a presidência e que devolva o poder ao Legislativo, controlado pela oposição. Mas Caracas viu isto com uma incitação a um golpe de Estado.

A Assembleia Constituinte – Desde agosto de 2017 que Maduro governa com uma Assembleia Constituinte de poder absoluto que substituiu na prática o Legislativo, a Assembleia Nacional – integrada por representantes do chavismo, decretou inclusivamente que os opositores que apoiaram a declaração do Grupo de Lima serão investigados por traição à pátria.

Já a União Europeia, pediu uma nova eleição “livre e justa”. António Tajani escreveu no Twitter que “no Parlamento Europeu estamos com os venezuelanos, humilhados a cada dia pela ditadura com opressão, pobreza e fome. A Venezuela deve recuperar a liberdade e a democracia com eleições limpas”, defendeu o presidente do PE.

Maduro, por sua vez, acusou Tajani de falar “como se fosse o vice-rei da América” e disparou também contra o Grupo de Lima: “É uma mentalidade imperialista que tem o cartel de Lima e estes funcionariozinhos do Parlamento Europeu acreditam que nos vamos ajoelhar”, disse Maduro.

Como resposta, Caracas resolveu aproximar-se dos seus aliados – Rússia, China, Irão, Turquia e Coreia do Norte – e Maduro prometeu firmeza na resposta a todos aqueles que contestarem a sua legitimidade.

“A quem não reconhecer a legitimidade das instituições venezuelanas daremos uma resposta recíproca e oportuna. Agiremos com muita firmeza. A Venezuela tem que ser respeitada e exerceremos nossas faculdades políticas e diplomáticas para nos fazer respeitar”, salientou.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Asteróide passará esta sexta-feira pela Terra a 27.000 km/hora

Um asteróide de grandes dimensões passará pela Terra, atingindo o seu ponto mais próximo do nosso planeta esta sexta-feira, dia 6 de dezembro. O corpo celeste, importa frisar, não representa qualquer perigo para o Homem. …

Banco de França vai testar moeda digital em 2020

O governador do Banco de França anunciou na quarta-feira o lançamento de testes no próximo ano para uma moeda digital, que pode servir de precedente para uma iniciativa do mesmo tipo à escala da zona …

Atlético de Madrid na corrida por Gabigol

O Atlético de Madrid entrou na corrida pela contratação de Gabigol, o artilheiro que está ao serviço do Flamengo por empréstimo do Inter de Milão. A notícia é avançada pelo jornal italiano Gazzetta Dello Sport, …

Australiana condenada a prisão por ter mentido no currículo

Uma australiana de 45 anos foi condenada a um ano de prisão efetiva por ter mentido no seu currículo para conseguir uma vaga no Governo regional, conta esta quinta-feira a ABC Australia. Veronica Hilda Theriault foi …

Homem da comunicação de Rui Rio pertence à maçonaria

João Tocha, o homem que o líder do PSD escolheu para fazer parte da sua comunicação, é maçon, avança a revista Visão esta quinta-feira. Em declarações à Visão, João Tocha, iniciado no Grande Oriente Lusitano …

Marco Silva despedido do Everton

O treinador português Marco Silva foi hoje despedido pelo Everton, clube da Primeira Liga inglesa de futebol, um dia depois do desaire por 5-2 no reduto do rival da cidade, o campeão europeu Liverpool. “O Everton …

Líder Supremo do Irão aprova medidas para reconhecer como "mártires" os mortos dos recentes distúrbios

O líder supremo do Irão aprovou as recomendações de um relatório oficial propondo o reconhecimento como "mártires" dos mortos nos recentes distúrbios no país sem que tenham "desempenhado qualquer papel", indicou esta quinta-feira o seu …

OE2020. Governo quer baixar preço da luz sem mexer no IVA

O Governo socialista está a estudar hipóteses "alternativas" para baixar o preço da luz sem mexer na taxa do IVA, devendo estas soluções constar já da proposta inicial do Orçamento de Estado para 2020 (OE2020). De …

Pelosi acionou votação para impeachment a Trump. "Os factos são incontestáveis"

A Presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, anunciou esta quinta-feira que o órgão irá avançar com a redação de acusações contra o Presidente norte-americano, no âmbito do processo de impeachment. “As ações …

Relação volta a contrariar Ivo Rosa. Depoimentos de Salgado nos casos BES e Monte Branco podem ser usados na Operação Marquês

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) autorizou a utilização na Operação Marquês dos depoimentos do banqueiro e arguido Ricardo Salgado, prestados nos processos Monte Branco e Universo GES/BES, contestando a decisão de Ivo Rosa, …