Maduro acusa Bolsonaro de ser um “Hitler dos tempos modernos”

Cristian Hernandez / Lusa

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou esta segunda-feira que o seu homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, é um “Hitler dos tempos modernos” e condenou as iniciativas económicas que tomou desde a sua chegada à presidência do Brasil.

“Temos o Brasil nas mãos de um fascista (…). Bolsonaro é um Hitler dos tempos modernos. O que ele não tem é coragem ou decisão própria, é um fantoche de grupos e seitas”, disse Nicolás Maduro.

Apesar de ter criticado as “privatizações” de Bolsonaro, o Presidente da Venezuela salientou que são os brasileiros que têm de se preocupar com estas questões. “O povo brasileiro vai encarregar-se dele, vamos deixar o tema Bolsonaro para o belo povo brasileiro, que vai lutar e vai encarregar-se dele”, salientou.

Jair Bolsonaro, que assumiu a presidência brasileira no dia 1 de janeiro, acredita que a Venezuela vive numa “ditadura” e reiterou o seu total apoio à Assembleia Nacional (controlada pela oposição), “órgão constitucional eleito democraticamente”.

Já Maduro, que tomou posse para um segundo mandato na quinta-feira perante o Supremo Tribunal no meio de vozes críticas que não reconhecem a sua legitimidade, acusou o seu homólogo de receber ordens dos Estados Unidos da América, “para provocações militares no sul da Venezuela”, na fronteira dos dois países.

Maduro também criticou esta segunda-feira o Presidente colombiano, Ivan Duque — outro adversário político que o aponta como ilegítimo -, a quem chamou de “demónio e a personificação do mal”.

Aumento de 300% no salário mínimo

Também nesta segunda-feira Maduro, fixou o valor do “Petro” (criptomoeda venezuelana) em 36 mil bolívares soberanos e aumentou o salário mínimo dos venezuelanos em 300%. Com o aumento, o salário dos venezuelanos passou de 4.500 para 18 mil bolívares soberanos (de 4,5 para 18,18 euros) à taxa oficial.

“O salário mínimo estará em meio Petro (criptomoeda Venezuela), 18 mil bolívares soberanos para a classe trabalhadora da Venezuela”, precisou.

Nicolás Maduro falava na Assembleia Constituinte – composta unicamente por simpatizantes do seu Governo -, durante uma sessão em que apresentou as “memórias e contas” de 2018 e o “Plano da Pátria 2019 – 2015”, que contém o seu programa de Governo. “Começa o processo de adaptação automática de todas as tabelas salariais da administração pública do país”, frisou.

Nicolás Maduro explicou que decidiu começar o ano aumentado para 36 bolívares soberanos o valor do Petro, “para dinamizar a luta contra os fatores de guerra económica”.

Por outro lado, disse que o aumento do salário entrará em vigor a partir de terça-feira e que manterá o pagamento da diferença do aumento do salário às empresas privadas que o solicitem, tal como vinha fazendo desde agosto de 2018.

Na Venezuela, desde o segundo semestre de 2018 que o salário mínimo dos venezuelanos está ancorado ao Petro. Em paralelo ao aumento do salário, aumentam também as pensões dos venezuelanos.

Os venezuelanos queixam-se da alta inflação no país, que em 2018 foi de 1.698.488,2%, entre janeiro e dezembro de 2018. Segundo a imprensa local os organismos advertem que em 2019 a inflação rondará os 10.000.000%.

Vários organismos internacionais dão conta de que mais de 3 milhões de venezuelanos abandonaram o país, desde 2015, escapando da crise política, económica e social.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Falhas na formação de médicos levam ministra a criar grupo de trabalho

A ministra da Saúde determinou a constituição de um grupo de trabalho para criar um manual de regras e procedimentos para a avaliação das capacidades de formação de médicos no SNS, depois de falhas apontadas …

Surto de sarampo leva Samoa a fechar escolas e serviços. Ativista anti-vacinação detido

Com o objetivo de conter o surto de sarampo que já matou 60 pessoas, o governo de Samoa está a pedir à população que coloque uma bandeira vermelha em frente às casas nais as pessoas …

Poluição do ar leva Sarajevo a cancelar todos os eventos públicos

As autoridades bósnias consideram que a poluição na capital do país, Sarajevo, atingiu níveis perigosos nos últimos dias. Perante a densa nuvem de nevoeiro que paira na cidade, o governo regional decidiu cancelar todos os …

A banana colada à parede que custou 108 mil euros foi comida

A banana mais cara do mundo, presa a uma parede com fita adesiva, foi descascada e comida por um artista que visitava o stand da galeria Perrotin, na feira de arte contemporânea Art Basel, nos …

Empresas norte-americanas reforçam domínio na venda global de armas

O Instituto Internacional de Estudos de Paz de Estocolmo (SIPRI) revelou esta segunda-feira que as empresas norte-americanas aumentaram o domínio no comércio global de armas em 2018, para 59% do volume total entre as 100 …

Faltam medicamentos para doenças crónicas nas Farmácias (e ninguém sabe porquê)

Há medicamentos para doenças crónicas que estão, constantemente, em falta nas Farmácias Portuguesas. Uma situação preocupante, sobretudo para os pacientes que deles precisam, e que não tem uma explicação. A Associação Nacional de Farmácias está …

Mais de dois mil coalas mortos devido aos incêndios na Austrália

O presidente da Aliança das Florestas do Nordeste da Austrália disse que os incêndios florestais que deflagram no leste do país, desde o início de novembro, provocaram a morte a mais de dois mil coalas. O …

Regionalização sem referendo é “golpe de estado palaciano”

Luís Marques Mendes falou este domingo, no habitual espaço de comentário político na SIC, sobre a regionalização, os "tempos difíceis para a direita", Greta Thunberg e Joe Berardo. Houve ainda tempo para falar sobre o …

China diz que detidos em Xinjiang estão "formados" e "vivem felizes"

Um alto quadro do regime chinês afirmou, esta segunda-feira, que os membros de minorias étnicas chinesas de origem muçulmana mantidos em "centros de treino vocacional" no extremo oeste do país já se "formaram" e levam …

Greve geral volta a parar França. Filas de trânsito chegam aos 620 quilómetros

Os acessos a Paris estão, esta manhã, muito complicados devido ao quinto dia de greve contra a reforma das pensões e que afeta sobretudo a rede de transportes na capital francesa. De acordo com as autoridades, …