Aliança em convulsão. Macron, Trump e Erdogan agitam as águas antes da cimeira da NATO

Facundo Arrizabalaga / EPA

As divergências fizeram estalar o verniz.  Aos presidentes dos Estados Unidos e de França, junta-se agora o turco Erdogan, que ameaça bloquear posição comum se as suas pretensões sobre os curdos não forem atendidas.

Os líderes dos Estados-membros da NATO reúnem-se, esta quarta-feira, nos arredores de Londres para assinalar o 70.º aniversário da Aliança Atlântica. Depois da tradicional fotografia, os líderes de Estado e de Governo reúnem-se num encontro formal de três horas, avança o Expresso.

No entanto, esta terça-feira, as tensões aqueceram. Apesar de o futuro do bloco não estar em dúvida, o primeiro dia da cimeira ficou marcado pelas divergências de fundo quanto à ação militar da Turquia no norte da Síria e aos gastos militares de cada país com a organização.

Desde a sua eleição, em 2016, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem criticado com veemência as contribuições de outros aliados para a defesa comum.

As estimativas da NATO para este ano mostram que, além dos Estados Unidos, há agora oito países que cumprem a meta, acordada por todos os Estados-membros, de gastar 2% ou mais do respetivo Produto Interno Bruto (PIB) em defesa.

Conflito ofusca cimeira

As diferenças entre Donald Trump e Emmanuel Macron superaram o espírito de cooperação que os dois países aliados deveriam demonstrar nesta cimeira. Ao Presidente norte-americano comentou a entrevista de Macron à The Economist, na qual o francês afirma que a organização está em “morte cerebral“.

“Penso que é bastante insultuosa para muitas forças diferentes. É uma frase dura, embora quando se faz uma declaração dessas, que é muito, muito desagradável para os 28 países, isso também os inclui”, disse Trump, referindo-se aos franceses.

Emmanuel Macron manteve a sua opinião, e disse que a entrevista foi uma chamada de atenção porque a NATO precisa de se definir quanto aos seus objetivos. Como exemplo, usou novamente a Turquia, tendo acusado Ancara de patrocinar o Estado Islâmico. “Quando olho para a Turquia, eles estão a lutar contra aqueles que combateram connosco contra o Estado Islâmico e por vezes trabalham com intermediários do Estado Islâmico.”

Donald Trump não hesitou e saiu em defesa da Turquia, com quem tem “uma relação muito boa”. Já sobre a possibilidade de Washington avançar com sanções económicas àquele país por ter optado pela compra de equipamento militar russo – o sistema antimíssil S-400 -, deixou um “vamos ver”.

“A Turquia queria comprar o sistema Patriot, mas a administração Obama não permitiu e só deixaram quando estavam prontos para comprar outro. Tenho de dizer isto, há dois lados da história”, disse Trump. No entanto, à CNN, funcionários da Defesa explicaram que esta afirmação do Presidente dos EUA não é verdadeira – o que imepdiu o negócio foram as exigências turcas de transferência de tecnologia.

Donald Trump ainda não tinha terminado a acusação ao seu antecessor e já Macron o interrompia. “Para sermos claros neste ponto: eles [turcos] negociaram connosco e nós aceitámos vender-lhes o SAMP/T”, disse Macron sobre o sistema de defesa ítalo-francês.

Assim, reiterou Macron, esta decisão não resultou de uma recusa da venda dos Patriot por parte dos norte-americanos, mas sim da sua própria decisão, mesmo tendo uma opção europeia compatível com a NATO. “Decidiram não ser compatíveis com a NATO.”

Outro dos desentendimentos entre Trump e Macron evidenciou-se quando o norte-americano passou a pergunta sobre se a França deveria fazer mais para levar os combatentes franceses do Estado Islâmico para o hexágono – cerca de 450 os extremistas com nacionalidade francesa que se encontram detidos no norte da Síria.

De acordo com o Diário de Notícias, Macron defendeu que essas pessoas devem ser julgadas onde os seus crimes foram cometidos, e Trump respondeu: “Você gostaria de ter um bom combatente do EI? Você pode levar todos os que quiser.”

Macron não se deixou ficar e retorquiu: “Vamos ser sérios. É verdade que há combatentes vindos da Europa, mas esta é uma pequena minoria e penso que a prioridade número um, porque não está terminada, é acabar com o EI e com os grupos terroristas. Esta é a nossa prioridade número um e ainda não está concluída”, afirmou.

“É por isso que ele é um grande político, porque esta foi uma das maiores não respostas que já ouvi. Tudo bem”, disse Trump, encerrando o assunto.

Mas o ponto final neste tema não significou o fim do debate, uma vez que o confronto verbal entre os dois líderes continuou. “Pode haver a tentação do lado norte-americano de dizer que é responsabilidade da Europa. Lamento dizer, mas não é. A prioridade é não sermos ambíguos com esses grupos, e é por isso que começámos a discutir as nossas relações com a Turquia. É por isso que qualquer ambiguidade com a Turquia em relação a esses grupos é prejudicial a todos para a situação no terreno”, disse Macron.

Tensões com a Turquia

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que se oporia ao plano de defesa da NATO para a região do Báltico se a aliança não o apoiasse na luta contra militantes curdos na Síria, que considera terroristas.

A Turquia ameaça bloquear o plano de defesa contra um ataque russo, a menos que a aliança apoie Ancara no reconhecimento da milícia curda Unidades de Proteção do Povo, YPG, como um grupo terrorista.

Os combatentes do YPG têm sido aliados dos norte-americanos e franceses no terreno contra o Estado Islâmico da Síria. No entanto, a Turquia considera o YPG um inimigo devido às ligações com os rebeldes curdos e com o ilegalizado PKK no sudeste da Turquia.

“Se os nossos amigos da NATO não reconhecerem como organizações terroristas aquelas que consideramos organizações terroristas vamos opor-nos a qualquer passo que venha a ser dado”, disse Erdogan, antes de viajar para Londres.

Mais tarde, numa reunião que juntou Macron e Erdogan na mesma sala, o francês sublinhou que “nem todos os esclarecimentos foram obtidos e nem todas as ambiguidades foram resolvidas”. Com a Turquia “há desacordos que existem, escolhas que não são as mesmas, mas há uma necessidade de avançar”.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A OTAN cumpriu o seu papel. Travar o expansionismo soviético. É tempo de fecharem a loja.
    No entanto, o vazio é não apenas perigoso, como poderia criar uma oportunidade para uma Rússia cada vez mais perigosa.
    É tempo de concretizar aquilo que o General DeGaulle e o PC Francês travaram: um exército comum europeu e uma política de defesa comum e supranacional.
    Claro que nem todos gostarão da ideia. No entanto, esta é a minha perspectiva.

RESPONDER

Aglomerado de safiras estrela encontrado no Sri Lanka pode ser o maior do mundo

Um aglomerado de safiras estrela do mundo foi encontrado num quintal no Sri Lanka. A pedra é azul, pesa 510 quilos e estima-se que valha cerca de 84 milhões de euros. A pedra foi encontrada …

Médico sírio acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade

Um médico sírio foi acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade por supostamente torturar e matar pessoas em hospitais militares no seu país de origem, informaram os promotores na quarta-feira. O Ministério Público Federal de …

Justiça climática. Vamos todos sofrer com as alterações climáticas, mas não de forma igual

A recente onda de calor na América do Norte é mais um exemplo de que apesar de ser um problema global, as alterações climáticas não vão afectar todos igualmente e podem exacerbar injustiças sociais e …

Os exemplos que Portugal deve seguir (e evitar) nas últimas etapas da pandemia

No plano apresentado pela equipa de Raquel Duarte comparam-se as estratégias opostas adotadas por Israel e Reino Unido, com a segunda a merecer nota negativa por parte dos investigadores. Os dados foram lançados na reunião que …

Jogos da Taça da Liga de sábado adiados para domingo para poderem ter público

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) anunciou, esta quinta-feira, que os jogos da Taça da Liga agendados para sábado vão ser adiados para domingo, para que possam ter público nas bancadas. "A Liga, …

Dinamarca enfrenta acção legal por querer repatriar refugiados sírios

O governo dinamarquês quer repatriar sírios naturais de Damasco depois de um relatório mostrar que há zonas da Síria onde a segurança melhorou. A decisão está a ser criticada por activistas e o caso pode …

Pela primeira vez, foi observada luz por detrás de um buraco negro

Um estudo divulgado esta quarta-feira revelou a primeira observação direta da luz por detrás de um buraco negro, através da deteção de pequenos sinais luminosos de raios-X, confirmando a Teoria da Relatividade Geral, de Einstein. Segundo …

Cheias atingem campos no Bangladesh. Pelo menos seis refugiados Rohingya mortos

Pelo menos seis refugiados Rohingya morreram após as cheias inundarem os campos de refugiados em Bangladesh nos últimos dias, destruindo os abrigos de bambu e plástico e deixando pelo menos 5.000 desabrigados, informou o Alto-comissariado …

Defesa de Salgado alega diagnóstico preliminar de Alzheimer do ex-banqueiro

A defesa do antigo presidente do BES, que está a ser julgado por três crimes de abuso de confiança no âmbito da Operação Marquês, pediu ao tribunal uma perícia médica devido ao seu diagnóstico preliminar …

Três norte-americanos emitem carbono suficiente para matar uma pessoa, revela estudo

O estilo de vida de três norte-americanos leva a uma emissão de carbono suficiente para matar uma pessoa, revelou um novo artigo, concluindo ainda que as emissões de uma única usina a carvão podem causar …