Macron diz que NATO está em “morte cerebral” e Europa está em risco

Ludovic Marin / EPA

O Presidente francês, Emmanuel Macron

O Presidente de França, Emmanuel Macron, alertou esta quinta-feira que a organização de defesa que junta a Europa aos Estados Unidos, a NATO, está em “morte cerebral” devido ao afastamento dos EUA e ao comportamento da Turquia.

Numa entrevista publicada esta quinta-feira pela The Economist, Emmanuel Macron defendeu ser fundamental “clarificar os objetivos estratégicos da NATO”, referindo a necessidade de “muscular a defesa da Europa”.

Os líderes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), criada em 1949 para promover a defesa mútua contra um ataque por qualquer entidade externa à organização, vão reunir-se em Londres no início de dezembro.

“Não há qualquer coordenação das decisões estratégica entre os Estados Unidos e os parceiros da NATO e estamos a testemunhar uma agressão feita por outro parceiro, a Turquia, numa área em que nossos interesses estão em jogo”, sublinhou o Presidente francês. “O que aconteceu é um enorme problema para a NATO”.

A Turquia lançou a 9 de outubro uma ofensiva contra a milícia curdo-síria Unidades de Proteção Popular (YPG), que considera terrorista, mas que foi apoiada pelos países ocidentais na luta contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

A ofensiva aconteceu poucos dias depois de os Estados Unidos se terem retirado da região, tendo a Rússia, principal aliado de Damasco, acabado por se posicionar como árbitro entre a Turquia e a Síria. O conflito foi discutido numa reunião dos ministros da Defesa dos Aliados, em 25 de outubro, sendo que a Turquia ficou isolada e os Estados Unidos foram particularmente críticos.

Na entrevista, o chefe de Estado francês questiona o futuro do artigo 5.º do Tratado do Atlântico Norte, que prevê a solidariedade militar entre os membros da NATO se um deles for atacado. “Como funcionará o artigo 5.º no futuro? Se o regime de Bashar al-Assad decidir retaliar contra a Turquia, [os Estados da NATO] envolvem-se? Isto é uma questão real”, disse Macron.

“Estamos empenhados em combater o Daesh. O paradoxo é que a decisão dos EUA e a ofensiva turca têm, em ambos os casos, um mesmo resultado: o sacrifício dos nossos parceiros no terreno, que se bateram contra o Daesh, as Forças Democráticas da Síria (FDS)”, alertou.

As FDS, dominadas por combatentes curdos, foram apoiadas por uma coligação internacional liderada pelos Estados Unidos no combate ao Estado Islâmico, antes da recente retirada dos norte-americanos da Síria. Isto, para o Presidente francês, torna ainda “mais essencial uma Europa da defesa – uma Europa que deve dotar-se de autonomia estratégica e militar — e, por outro lado, mostra a necessidade de reabrir um diálogo estratégico, sem ingenuidade, com a Rússia“, disse.

“O Presidente Trump, por quem tenho respeito, coloca a questão de a NATO ser um projeto comercial. Segundo diz, é um projeto em que os Estados Unidos funcionam como um guarda-chuva geopolítico, mas em que exigem, em contrapartida, uma exclusividade comercial, é uma razão para comprar [artigos] norte-americanos. A França não assinou [o tratado] para isso”, alertou.

O Presidente francês admitiu ainda estar alarmado com a “extraordinária fragilidade da Europa”, afirmando que esta “desaparecerá” se não “se considerar como uma potência no mundo”.

“Não quero dramatizar, procuro ser lúcido”, sublinhou, apontando três grandes riscos para a Europa: “esquecer-se de que é uma comunidade”, o “desalinhamento” da política norte-americana em relação ao projeto europeu e o surgimento da China como potência “que, claramente, marginaliza a Europa”.

“Durante 70 anos, administrámos um pequeno milagre geopolítico, histórico e civilizacional: uma equação política sem hegemonia que permitiu a paz. (…) Mas hoje há uma série de fenómenos que nos colocam à beira do precipício”, sublinhou Macron, que também considera que a União Europeia se está a esvair com o Brexit.

O Presidente francês acredita que “a Europa se esqueceu que é uma comunidade e vê-se, cada vez mais, como um mercado em expansão”, o que, para Macron, corresponde a um “profundo fracasso” porque essa visão “está a reduzir o alcance político do projeto desde os anos 90”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Há cada vez mais cidades chinesas com cortes de energia — e isso poderá ter consequências globais

Embora o problema já se tenha começado a sentir em julho, na última semana deixou de atingir apenas as zonas industriais para se estender aos bairros residenciais. População foi desaconselhada a não usar dispositivos com …

Barack Obama: "Taxem os ricos, como eu," para financiar proposta de Biden

Apelo está relacionado com a aprovação de um grande plano legislativo proposto por Joe Biden e que deverá ser negociado nas duas câmaras do Congresso norte-americano ao longo das próximas semanas. Numa semana decisiva da governação …

As origens dos antigos Etruscos foram finalmente reveladas

Vestígios de ADN encerraram, finalmente, o debate sobre a origem dos Etruscos,  uma antiga civilização cujos restos mortais foram encontrados em Itália. De acordo com quase dois mil anos de dados genómicos, recolhidos de 12 locais …

Rússia acusa Navalny e aliados de extremismo em novo processo

A Rússia intensificou a campanha contra o opositor do governo Alexei Navalny, abrindo esta terça-feira um novo processo judicial, que poderá levá-lo a cumprir uma pena de prisão de mais uma década. Navalny cumpre dois anos …

Governo demite Chefe do Estado-Maior da Armada. Gouveia e Melo provável sucessor

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, vai propor ao Presidente da República a demissão do Chefe do Estado-Maior da Armada, confirmaram hoje à Lusa fontes ligadas à Defesa. O Governo propôs ao Presidente da …

Borussia Dortmund 1-0 Sporting | Um Mal(en) que veio só… e foi suficiente

O “bicho papão Haaland não jogou, mas nem assim os “leões” conseguiram contrariar o maior poderio germânico. O Sporting saiu de Dortmund com uma derrota, apesar da excelente réplica no Signal Iduna Park, e muito por …

FC Porto 1-5 Liverpool | Dragão atropelado em casa

O Liverpool é uma espécie de “besta” em tons de “red” para o FC Porto. Em nove jogos oficiais, os “azuis-e-brancos” nunca venceram, somando 3 empates e 6 derrotas, a mais recente foi pesadíssima e …

China desenvolve arma invisível capaz de destruir redes de comunicação em dez segundos

Uma equipa de cientistas chineses está a desenvolver uma arma sónica, que gera um intenso pulso eletromagnético, capaz de destruir redes de comunicação e de fornecimento de energia elétrica. A arma poderá ter um alcance …

Dezenas de mulheres abusadas por funcionários da OMS na República Democrática do Congo

Dezenas de mulheres e meninas foram abusadas sexualmente por voluntários da Organização Mundial de Saúde (OMS) destacados para enfrentar o Ébola na República Democrática do Congo (RDC), entre 2018 e 2020, concluiu um inquérito independente …

Evolução de parasita está a tornar mais difícil detetar e tratar a malária

Uma mutação do parasita que causa a malária está a "camuflar" as proteínas que são identificadas nos testes rápidos, tornando mais difícil detetar e tratar a doença. De forma semelhante aos testes à covid-19, baratos e …