Lusófona é responsável pelas irregularidades nas licenciaturas

João Carvalho / Wikimedia

Edifício da Universidade Lusófona em Lisboa

Edifício da Universidade Lusófona em Lisboa

O professor da Universidade do Minho e constitucionalista Pedro Bacelar Vasconcelos considera que a Universidade Lusófona é a responsável pela atribuição de graus académicos irregulares, independentemente de os alunos terem ou não conhecimento de algum ilícito praticado.

A Universidade Lusófona regularizou apenas cinco dos 152 casos de processos académicos com atribuição irregular de equivalências e créditos, seis meses depois de o Ministério da Educação ter exigido a sua anulação.

O constitucionalista e especialista em direito administrativo Pedro Bacelar Vasconcelos disse à Lusa que os casos têm de ser analisados individualmente, apesar de a responsabilidade caber “em primeira linha” à Universidade, que sem fundamento atribuiu qualificações aos alunos.

“Se se demonstrar que as qualificações anteriormente certificadas o foram erradamente, cria-se uma situação que, em última análise, será resolvida caso a caso e de acordo com o tipo de relações que se estabeleceram na suposição da existência dessa qualificação”, disse.

Na opinião do professor de direito, existe um benefício indevido que foi atribuído, que se traduz no reconhecimento de uma qualificação dada por uma instituição.

“Independentemente de o aluno ter ou não conhecimento do ilícito, estamos perante uma responsabilidade de uma instituição que estava certificada para fazer o que fez“, diz o constitucionalista.

“Independentemente de os alunos terem ou não a perceção de alguma eventual irregularidade, isso não apaga a responsabilidade da instituição que o fez relativamente aos benefícios que foram recebidos e erradamente atribuídos”, salientou.

Também o professor catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa Paulo Otero disse à Lusa que a análise tem de ser feita “caso a caso”.

“No entanto, eu diria que a situação dos alunos depende de várias circunstâncias: a primeira é saber se existia uma norma que permitia que verificados determinados pressupostos eles (alunos) tinham o direito à equivalência na respetiva disciplina. Isso significa que eles, de algum modo, ao pedirem a equivalência, colaboraram na prática do ato, mas a verdade é que colaboraram tendo uma norma que permitia que assim sucedesse”, indicou.

O professor defendeu que, em qualquer caso, “o aluno é alheio à ocorrência, salvo se tomou a iniciativa de pedir essa equivalência sabendo que não tinha direito” à mesma.

“Isto pode ser relevante para efeitos de responsabilidade civil, e a responsabilidade civil é da universidade, que lhe atribuiu um título e com base nesse título o aluno veio por exemplo a obter uma determinada profissão que depende da respetiva licenciatura”, sublinhou.

Paulo Otero disse que se, por exemplo, o aluno perder o emprego na sequência das irregularidades, este pode vir a desencadear uma ação de responsabilidade civil contra a universidade.

Em dezembro do ano passado, o secretário de Estado do Ensino Superior, José Ferreira Gomes, deu à Universidade Lusófona de Lisboa um prazo de 60 dias para regularizar os 152 processos de creditação académica e profissional irregulares detetados pela Inspeção Geral de Educação (IGEC), que analisou 398 processos entre os anos 2006 e 2012.

/Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Que porcaria de universidade! As pessoas é que saem prejudicadas, pois quando virem no seu currículo “Lusófona” nem as contratam…

    • E, qualquer empresário minimamente sábio desconfia sempre desses cursos pagos; basta ver o que acontece nas universidades privadas dos EUA…

  2. Fechem esta pseudo universidade da treta de uma vez por todas. Acabem com os doutores e engenheiros do faz de conta com diplomas comprados.

  3. Como é possível um fadista com o curso de regente agrícola sem ter frequentado qualquer plano de estudos, passar a usar um título de engenheiro do ambiente? Só num país das bananas como este.

Petição de Cristina Ferreira contra cyberbullying já reúne mais de 37 mil assinaturas

Cristina Ferreira lançou este sábado (28) uma petição contra o ódio e a agressão na internet que já conta com mais de 37 mil assinaturas. O objetivo é levar este tema à Assembleia da República. Cristina …

Uma das praias mais famosas da Austrália está a desaparecer (e desta vez a culpa não é das tempestades)

https://vimeo.com/444063224 Normalmente, as tempestades ou os ciclones tropicais são os culpados do desaparecimento de grande parte das praias. Contudo, na costa norte de New South Wales em Byron Bay, na Austrália, a causa é outra. Nos últimos …

Prisão preventiva para hacker português suspeito de invadir sistema do tribunal eleitoral do Brasil

O hacker suspeito de invadir o sistema informático do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do Brasil, detido no sábado em Portugal, ficou esta segunda-feira em prisão preventiva, disse à agência Lusa fonte ligada ao processo. A PJ, …

Chefe do Governo Hong Kong revela ter "pilhas de dinheiro" em casa por causa das sanções norte-americanas

A chefe do Governo de Hong Kong, Carrie Lam, revelou esta semana ter "pilhas de dinheiro" em casa por causa das sanções norte-americanas. Em declarações à International Business Channel, a líder do Executivo de Hong Kong …

António Mexia e Manso Neto vão deixar gestão da EDP

Os presidentes executivos da EDP e da EDP Renováveis, António Mexia e Manso Neto, ambos suspensos de funções, manifestaram-se indisponíveis para voltar a integrar os órgãos sociais do grupo num novo mandato. Em comunicado à Comissão …

João Ferreira desafia Marcelo a assumir candidatura "o quanto antes"

  João Ferreira, candidato comunista às presidenciais, acredita, como os "todos" os portugueses, que Marcelo Rebelo de Sousa será recandidato, mas desafiou-o esta segunda-feira a dizê-lo "quanto antes", por "uma questão de transparência". “Já todos perceberam o …

Irão. Líder Supremo pede punição pela morte de cientista que liderou programa nuclear

O líder supremo do Irão, o Ayatollah Ali Khamenei, exigiu no sábado punição pela morte do cientista Mohsen Fakhrizadeh, que liderou o programa nuclear de Teerão, enquanto a República Islâmica culpa Israel pelo assassinato. Israel, há muito …

Portugal é o país da UE mais próximo de atingir metas climáticas para 2030

Portugal é o país da União Europeia (UE) mais perto de atingir as suas metas climáticas de redução de emissões até 2030, relativamente aos níveis de 2005, segundo um relatório esta segunda-feira publicado pela Comissão …

Novos casos aumentam mais de 50% em oito concelhos do Norte

O número de novos casos de infeção no Norte aumentou mais de 50% em oito concelhos da região, seis dos quais no distrito de Vila Real e dois em Bragança, segundo o relatório da Administração …

União Europeia convida Joe Biden para cimeira presencial durante presidência portuguesa em 2021

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, convidou o Presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, para uma cimeira presencial no primeiro semestre de 2021, durante a presidência portuguesa da União Europeia. Fontes europeias informaram que …