Lukashenko sobre protestos: “A pouca vergonha está a acabar”

Yauhen Yerchak / EPA

O Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, avisou hoje que os protestos antigovernamentais que abalam o país desde as eleições presidenciais de 09 de agosto irão acabar, afirmando que as prioridades políticas bielorrussas devem estar concentradas na economia.

“Para que não discutamos: esta pouca vergonha está a chegar ao fim, temos de cuidar da economia”, disse o chefe de Estado bielorrusso, numa alusão ao movimento de contestação inédito que tem ocorrido nas últimas semanas naquele país, em declarações citadas pela agência oficial BELTA.

Nas mesmas declarações, interpretadas como um aviso e feitas durante uma visita a uma empresa na cidade de Orsha, a cerca de 200 quilómetros a noroeste da capital Minsk, perto da fronteira com a Rússia, Lukashenko garantiu, no entanto, que na Bielorrússia as pessoas não serão “perseguidas” pelas suas opiniões.

“Há aqui jornalistas. Metade deles pode ter a sua própria opinião, mas não andam pelas ruas a incomodar o país num momento em que existem rastos (de tanques de guerra) junto às fronteiras”, disse Lukashenko, que esta semana acusou a Polónia de ter planos para ocupar a região fronteiriça bielorrussa de Grodno, o que levou ao reforço das tropas da Bielorrússia na fronteira.

Em protestos antigovernamentais ocorridos na quinta-feira em Minsk, a polícia da Bielorrússia deteve 265 pessoas, incluindo meia centena de jornalistas, divulgou hoje a organização de direitos humanos bielorrussa Vesná.

Durante a visita de hoje, o chefe de Estado abordou as prioridades económicas e realçou que todas as empresas do país, públicas e privadas, devem funcionar “nas mesmas condições”, afirmando que o Governo bielorrusso levará em conta “a lealdade ao Estado, e não a Lukashenko”.

“Isto é para evitar o que aconteceu agora. A maioria dos empresários privados começou a duvidar, e muitos deles não só duvidaram, como começaram a comportar-se de forma desonesta”, prosseguiu o líder da ex-república soviética.

O Presidente bielorrusso assegurou igualmente que Minsk não receia as sanções ocidentais, medidas que já enfrentou no passado.

“Sobrevivemos. E vamos também sobreviver agora. No mundo não faltam pessoas boas. Por isso não precisamos de ser intimidados”, frisou Alexander Lukashenko, acusando diretamente o Ocidente de querer derrubá-lo para alcançar e enfraquecer a Rússia, o forte aliado de Minsk.

Para os ocidentais, “a Bielorrússia é apenas um trampolim para a Rússia, como sempre”, defendeu.

E concluiu: “Ao contrário de Hitler [líder da Alemanha nazi entre 1933 e 1945], que enviou o seu exército para Moscovo, estão a tentar quebrar o poder atual, substituí-lo por um novo que irá pedir ajuda militar a um outro país e destacará tropas”.

A Bielorrússia tem sido palco de um movimento de contestação inédito desde as eleições presidenciais realizadas em 09 de agosto.

No poder há 26 anos, o Presidente Alexander Lukashenko enfrenta há várias semanas protestos contra a sua reeleição para um sexto mandato, que a oposição bielorrussa considera fraudulenta.

Mais de sete mil pessoas foram detidas e pelo menos três manifestantes já morreram durante os protestos, que têm sido fortemente reprimidos pelas forças de segurança.

A União Europeia e os Estados Unidos criticaram a eleição de 09 de agosto e têm encorajado as autoridades bielorrussas a dialogarem com a oposição.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O Hawaii quer remover a sua "escadaria para o paraíso" - e a culpa é dos turistas

Em causa estão preocupações com a segurança e vandalismo, que têm aumentado com a explosão de popularidade da escadaria Ha‘ikū nas redes sociais. É caso para dizer que a Stairway to Heaven vai para o inferno …

Inventou o ZX Spectrum e mudou o mundo. Morreu Clive Sinclair

O empresário britânico e inventor do computador doméstico ZX Spectrum, Clive Sinclair, morreu hoje aos 81 anos na sua casa, em Londres (Reino Unido), devido a doença prolongada, informou a filha ao jornal “The Guardian”. Morreu …

Esta torre construída na Suécia não é gigante em altura, mas em sustentabilidade

Para além de ser feito de um material sustentável — fornecido por florestas locais com gestão consciente e transformado por uma serração nas proximidades, o Centro Cultural dispõe de múltiplas tecnologias que fazem dele mais …

Empresa canadiana debaixo de fogo por publicar anúncios de emprego destinados a não vacinados

Uma empresa de canoagem, sediada no Canadá, está debaixo de fogo depois de ter colocado anúncios de emprego destinados, exclusivamente, a pessoas não vacinadas contra a covid-19. "Por favor, NÃO se candidate se tiver tomado quaisquer …

Disparam ataques a jornalistas. Bruxelas insta países da UE a aumentar proteção

Os países da União Europeia (UE) foram instados por Bruxelas a tomar medidas para proteger os jornalistas, após um aumento no número de ataques a membros da imprensa. A Comissão Europeia exortou os governos a criarem …

Facebook e Google criticados por anúncios de "reversão do aborto"

O Facebook já veiculou anúncios de "reversão do aborto" 18,4 milhões de vezes desde janeiro de 2020, de acordo com um relatório do Center for Countering Digital Hate (CCDH), promovendo um procedimento "não comprovado, antiético" …

Líder militar dos EUA temeu que Trump iniciasse guerra nuclear com a China - e chegou a ligar aos chineses

As revelações aparecem em Peril, o novo livro de Bob Woodward e Robert Costa sobre os bastidores da Casa Branca. Trump já respondeu. O General Mark Milley, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, …

França suspende 3.000 profissionais de saúde que recusaram vacina contra covid-19

A França suspendeu 3.000 profissionais de saúde sem remuneração por se recusarem a tomar a vacina contra a covid-19, revelou o ministro responsável pela pasta, Olivier Véran. Segundo Véran, citado esta quinta-feira pelo Guardian, "várias dezenas" …

Austrália, Reino Unido e EUA assinam pacto de defesa para conter China

A Austrália, os Estados Unidos (EUA) e o Reino Unido anunciaram o "Pacto de Aukus", que visa frente às pretensões territoriais da China no Indo-Pacífico e envolverá a construção de uma frota de submarinos com …

Governo tem margem de 1600 milhões de euros nas negociações do Orçamento

Os dados são de um relatório do Conselho das Finanças Públicas, que deixa alertas para que o executivo não se estique muito no aumento da despesa e no corte à receita. Segundo escreve o Público, o …