Livro identifica Saramago como “iniciador” dos saneamentos no DN em 1975

Carlos Botelho / Flickr

Saramago por Carlos Botelho

Saramago por Carlos Botelho

O investigador Pedro Marques Gomes, autor do livro “Os Saneamentos Políticos no Diário de Notícias”, explicou à Lusa que José Saramago foi o “iniciador” do processo que levou ao afastamento dos jornalistas do matutino, em 1975.

O livro tem sido alvo de polémica desde que a Global Notícias afirmou que iria entrar com uma ação judicial contra a editora Aletheia para suspender a publicação, alegando “defesa dos seus direitos de autor e à reparação integral dos prejuízos que para si advenham” por causa da imagem da capa, que reproduz uma primeira página do Diário de Notícias em 1975.

Mas de que trata, afinal, o livro que querem evitar?

“Passadas quase quatro décadas sobre o Verão Quente de 1975, são muitos os jornalistas que descrevem o ambiente então vivido no DN como tenso. É o caso de Manuela Azevedo, que já tinha integrado o Diário de Lisboa e a Vida Mundial, dizendo que o DN sofreu o que nunca tinha sofrido: “foi a censura dos comunistas””, escreve Pedro Matos Gomes na obra “Os Saneamentos Políticos no Diário de Notícias“, que vai ser apresentado esta quinta-feira, em Lisboa.

A 15 de Agosto de 1975, o DN avisava os leitores de que tinha tomado conhecimento de um documento elaborado por um grupo de trinta jornalistas, no qual era questionada a orientação do jornal, então dirigido por Luís de Barros e José Saramago.

O autor do livro, investigador do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, explica que, após o 11 de Março de 1975, se assistiu a “uma crescente hegemonia dos setores afetos ao primeiro-ministro Vasco Gonçalves e ao Partido Comunista Português”, mas que se verificou, igualmente, uma inversão na correlação de forças, que também demonstravam tensões entre os militares.

“Estas cisões acabam por coincidir com uma vaga de atentados e assaltos a sedes de partidos de esquerda e sindicatos, criando um clima de pré-guerra civil“, escreve Pedro Matos Gomes no livro sobre o processo dos jornalistas, que põe em causa a linha editorial de Barros e Saramago.

Saramago foi o primeiro motor deste processo, tendo depois evoluído em função dos múltiplos acontecimentos que foram decorrendo e, sobretudo, da tomada de posições de outros trabalhadores”, disse à Lusa Pedro Marques Gomes referindo-se ao papel do escritor, diretor-adjunto do DN durante o chamado Processo Revolucionário em Curso (PREC).

“Tudo começa com um documento assinado por trinta jornalistas. Saramago analisou criticamente este documento e mostrou uma posição muito dura. A partir daí, o caso vai desenrolar-se em função dos acontecimentos, mas é impossível ignorar esse papel inicial de José Saramago”, disse o autor de “Os Saneamentos Políticos no Diário de Notícias”.

Segundo Pedro Marques Gomes houve várias críticas sobre a forma como os plenários no DN foram organizados, nomeadamente quanto à representatividade dos trabalhadores e à forma de votação de braço no ar, “mas é verdade que Saramago foi um interveniente nestes plenários”, sobretudo no segundo em que “analisou criticamente” o documento que criticava a direção.

“Este é um estudo completamente novo. Parti de estudos feitos pela Revolução. Todos referiam este caso do DN como emblemático, sobretudo nas lutas que se travavam sobre o controlo dos órgãos de comunicação social e pela definição do tipo de regime. Mas esses trabalhos não aprofundavam a temática do DN. Parti desses apontamentos e depois fiz uma investigação de raiz, consultando a imprensa da época, mas sobretudo falando com muitos dos protagonistas”, diz Pedro Matos Gomes.

Daniel Ricardo, chefe de redação no Outono de 1975, não se recorda de ter tido conversas com o diretor sobre o conteúdo das manchetes dos jornais; tinha sim com o diretor-adjunto, uma vez que, do ponto de vista editorial, “o Saramago tinha muito mais intervenção do que o Barros”. Porém não deixa de esclarecer que este último tinha funções que lhe exigiam muito tempo, como “questões administrativas, de marketing, questões de pessoal”… José Jorge Letria tem outra opinião bem mais polémica, que se prende com o controlo político do periódico: “Eu acho que o verdadeiro diretor do jornal é o Cunhal””, cita o historiador.

Segundo Pedro Matos Gomes, os acontecimentos ocorridos a 25 de Novembro não põem fim ao caso, porque os jornalistas continuam a tentar voltar para o jornal, e só em 1976 é que “há novidades” em relação aos jornalistas saneados em Agosto de 75″, e “aos que foram suspensos após o 25 de Novembro”. “Em 1976, os jornalistas podem voltar ao DN ou, se preferirem, receber uma indemnização”.

O historiador afirma também que, além do caso do DN, é preciso analisar outros que contribuíram para uma reflexão sobre o controlo político-ideológico da comunicação social em Portugal.

“O que teve mais impacto talvez seja o caso República mas sem dúvida que o DN e a Rádio Renascença o foram, ao mesmo tempo que também aconteciam situações semelhantes no Século e na RTP“. “Penso que [o caso DN] contribui para uma reflexão sobre o papel da comunicação social pós-revolução”, acrescenta o investigador.

“Os Saneamentos Políticos no Diário de Notícias”, da editora Aletheia, vai ser apresentado em Lisboa, esta quinta-feira, pela historiadora Irene Flunser Pimentel.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. na minha opinião o que se passa hoje ainda é pior as noticias são
    democraticamente escolhidas um totalitarismo democrático
    á dado uma orientação para condicionar a opinião publica,
    é o seguidismo ou carneirismo democrático a politica da via unica
    e do tem que ser.

  2. Este livro quer matar dois coelhos com um tiro!Vender muito e falar mal do Saramago!Trabalhei nesse periodo na empresa e não estou recordado de algumas das coisas que se falam do Saramago,e tem mais e o livro é logo editado por essa senhora que muita gente abandonou as fileiras do PCP,POR CAUSA DELA!!!

RESPONDER

Director nacional da PJ defende "recompensa garantida" para Rui Pinto

O director nacional da Polícia Judiciária (PJ), Luís Neves, realça a colaboração de Rui Pinto como tendo sido essencial para apurar a "verdade material" no caso de pirataria informática que o envolve e defende, por …

Lufthansa aceita condições do resgate. Vai ceder aviões e perder "slots"

O Governo da Alemanha e a Comissão Europeia (CE) chegaram a um acordo sobre o resgate da Lufthansa e que poderá evitar a falência da companhia aérea, anunciaram, na sexta-feira, fontes próximas das negociações e …

Chipre vai pagar despesas das férias a turistas que ficarem infetados no país

O Chipre vai pagar o custo das férias aos turistas que testaram positivo depois de viajarem para o país. Entre as despesas está o alojamento, a alimentação e os medicamentos. O Chipre comprometeu-se a pagar todas …

Tribunais vão vender máscaras a um euro. "É uma margem de lucro de 45 por cento"

Os tribunais vão ter máscaras cirúrgicas à venda para advogados e testemunhas, de modo a garantir que podem entrar nas salas de audiência a partir de quarta-feira, dia em que a Justiça retoma as sessões …

Julgamento BES. Ministério Público acredita que provas da Suíça ainda podem ser utilizadas

O jornal Público escreve este sábado que os procuradores do Ministério Público (MP) acreditam ainda ser possível utilizar os elementos solicitados nas cartas rogatórias enviadas às autoridades suíças no julgamento do caso BES. O Ministério …

Salários mais baixos podem passar a ter lay-off pago a 100%

O Governo está a estudar a possibilidade de o regime de lay-off, desenhado especificamente para o contexto da pandemia de covid-19, passar a ser pago na sua totalidade (100%) para quem tem salários mais baixos. …

Bronca na Liga. Contestação adia 5 substituições e o Marítimo recusa assinar Plano de Retoma

Após dois dias intensos de reuniões, foi aprovado o Plano de Retoma do campeonato nacional para a disputa das últimas 10 jornadas da época 2019/2020. Mas apenas 17 clubes o assinaram. O Marítimo recusou fazê-lo, …

Igreja perdeu 50 milhões de euros com a pandemia (e há dioceses em lay-off)

Ao cabo de dois meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, as missas regressam, neste sábado, mas com regras novas para evitar a propagação do coronavírus. Uma paragem que resultou num "prejuízo" de …

Reabertura de ATL adiada para 15 de junho. Creches arrancam segunda-feira (sem apoios para os pais)

As Atividades de Tempos Livres (ATL) não integradas em estabelecimentos escolares só poderão voltar a funcionar a partir de 15 de junho, duas semanas depois daquilo que estava inicialmente previsto. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, …

Governo britânico vai continuar a pagar 80% dos salários durante mais três meses

O Governo britânico vai continuar a pagar durante mais três meses 80% do salário de trabalhadores em lay-off devido à pandemia de covid-19, e reduzir gradualmente o valor até ao fim do sistema, em outubro. O …