Livro identifica Saramago como “iniciador” dos saneamentos no DN em 1975

Carlos Botelho / Flickr

Saramago por Carlos Botelho

Saramago por Carlos Botelho

O investigador Pedro Marques Gomes, autor do livro “Os Saneamentos Políticos no Diário de Notícias”, explicou à Lusa que José Saramago foi o “iniciador” do processo que levou ao afastamento dos jornalistas do matutino, em 1975.

O livro tem sido alvo de polémica desde que a Global Notícias afirmou que iria entrar com uma ação judicial contra a editora Aletheia para suspender a publicação, alegando “defesa dos seus direitos de autor e à reparação integral dos prejuízos que para si advenham” por causa da imagem da capa, que reproduz uma primeira página do Diário de Notícias em 1975.

Mas de que trata, afinal, o livro que querem evitar?

“Passadas quase quatro décadas sobre o Verão Quente de 1975, são muitos os jornalistas que descrevem o ambiente então vivido no DN como tenso. É o caso de Manuela Azevedo, que já tinha integrado o Diário de Lisboa e a Vida Mundial, dizendo que o DN sofreu o que nunca tinha sofrido: “foi a censura dos comunistas””, escreve Pedro Matos Gomes na obra “Os Saneamentos Políticos no Diário de Notícias“, que vai ser apresentado esta quinta-feira, em Lisboa.

A 15 de Agosto de 1975, o DN avisava os leitores de que tinha tomado conhecimento de um documento elaborado por um grupo de trinta jornalistas, no qual era questionada a orientação do jornal, então dirigido por Luís de Barros e José Saramago.

O autor do livro, investigador do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, explica que, após o 11 de Março de 1975, se assistiu a “uma crescente hegemonia dos setores afetos ao primeiro-ministro Vasco Gonçalves e ao Partido Comunista Português”, mas que se verificou, igualmente, uma inversão na correlação de forças, que também demonstravam tensões entre os militares.

“Estas cisões acabam por coincidir com uma vaga de atentados e assaltos a sedes de partidos de esquerda e sindicatos, criando um clima de pré-guerra civil“, escreve Pedro Matos Gomes no livro sobre o processo dos jornalistas, que põe em causa a linha editorial de Barros e Saramago.

Saramago foi o primeiro motor deste processo, tendo depois evoluído em função dos múltiplos acontecimentos que foram decorrendo e, sobretudo, da tomada de posições de outros trabalhadores”, disse à Lusa Pedro Marques Gomes referindo-se ao papel do escritor, diretor-adjunto do DN durante o chamado Processo Revolucionário em Curso (PREC).

“Tudo começa com um documento assinado por trinta jornalistas. Saramago analisou criticamente este documento e mostrou uma posição muito dura. A partir daí, o caso vai desenrolar-se em função dos acontecimentos, mas é impossível ignorar esse papel inicial de José Saramago”, disse o autor de “Os Saneamentos Políticos no Diário de Notícias”.

Segundo Pedro Marques Gomes houve várias críticas sobre a forma como os plenários no DN foram organizados, nomeadamente quanto à representatividade dos trabalhadores e à forma de votação de braço no ar, “mas é verdade que Saramago foi um interveniente nestes plenários”, sobretudo no segundo em que “analisou criticamente” o documento que criticava a direção.

“Este é um estudo completamente novo. Parti de estudos feitos pela Revolução. Todos referiam este caso do DN como emblemático, sobretudo nas lutas que se travavam sobre o controlo dos órgãos de comunicação social e pela definição do tipo de regime. Mas esses trabalhos não aprofundavam a temática do DN. Parti desses apontamentos e depois fiz uma investigação de raiz, consultando a imprensa da época, mas sobretudo falando com muitos dos protagonistas”, diz Pedro Matos Gomes.

Daniel Ricardo, chefe de redação no Outono de 1975, não se recorda de ter tido conversas com o diretor sobre o conteúdo das manchetes dos jornais; tinha sim com o diretor-adjunto, uma vez que, do ponto de vista editorial, “o Saramago tinha muito mais intervenção do que o Barros”. Porém não deixa de esclarecer que este último tinha funções que lhe exigiam muito tempo, como “questões administrativas, de marketing, questões de pessoal”… José Jorge Letria tem outra opinião bem mais polémica, que se prende com o controlo político do periódico: “Eu acho que o verdadeiro diretor do jornal é o Cunhal””, cita o historiador.

Segundo Pedro Matos Gomes, os acontecimentos ocorridos a 25 de Novembro não põem fim ao caso, porque os jornalistas continuam a tentar voltar para o jornal, e só em 1976 é que “há novidades” em relação aos jornalistas saneados em Agosto de 75″, e “aos que foram suspensos após o 25 de Novembro”. “Em 1976, os jornalistas podem voltar ao DN ou, se preferirem, receber uma indemnização”.

O historiador afirma também que, além do caso do DN, é preciso analisar outros que contribuíram para uma reflexão sobre o controlo político-ideológico da comunicação social em Portugal.

“O que teve mais impacto talvez seja o caso República mas sem dúvida que o DN e a Rádio Renascença o foram, ao mesmo tempo que também aconteciam situações semelhantes no Século e na RTP“. “Penso que [o caso DN] contribui para uma reflexão sobre o papel da comunicação social pós-revolução”, acrescenta o investigador.

“Os Saneamentos Políticos no Diário de Notícias”, da editora Aletheia, vai ser apresentado em Lisboa, esta quinta-feira, pela historiadora Irene Flunser Pimentel.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. na minha opinião o que se passa hoje ainda é pior as noticias são
    democraticamente escolhidas um totalitarismo democrático
    á dado uma orientação para condicionar a opinião publica,
    é o seguidismo ou carneirismo democrático a politica da via unica
    e do tem que ser.

  2. Este livro quer matar dois coelhos com um tiro!Vender muito e falar mal do Saramago!Trabalhei nesse periodo na empresa e não estou recordado de algumas das coisas que se falam do Saramago,e tem mais e o livro é logo editado por essa senhora que muita gente abandonou as fileiras do PCP,POR CAUSA DELA!!!

RESPONDER

Boris janta hoje com Merkel para mudar acordo. Maioria quer novo referendo

A pouco mais de dois meses da data marcada para a saída do Reino Unido da União Europeia, uma nova sondagem mostra que a maioria dos britânico quer que qualquer novo acordo vá a referendo. Um …

Oficial: Pardal Henriques candidato a deputado pelo partido de Marinho Pinto

O advogado Pedro Pardal Henriques anunciou esta quarta-feira que aceitou o convite para encabeçar a lista do PDR a Lisboa, deixando de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas para "não misturar …

Vem aí um novo filme da saga Matrix

O quarto filme da saga "Matrix" será realizado e produzido por Lana Wachowski e deverá começar a ser rodado no início do próximo ano. A saga cinematográfica "The Matrix" vai ter um novo filme, anunciaram na terça-feira …

Em momento "de vida ou morte" da empresa, Huawei tenta evitar despedimentos

O fundador da Huawei, Ren Zhengfei, escreveu na segunda-feira um comunicado interno no qual admite que a empresa está "num momento de vida ou morte" e pediu aos funcionários que não estão com muito trabalho …

Honduras. Ex-primeira dama condenada por desviar verbas quando marido era Presidente

Um tribunal hondurenho condenou a ex-primeira dama Rosa Elena Bonilla por desviar cerca de 600 mil dólares (540 mil euros) em dinheiro do Governo (2010-2014), quando o marido, Porfirio Lobo, era Presidente. Segundo informou esta quarta-feira …

Maduro confirma conversações ao mais alto nível com EUA

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, confirmou esta quarta-feira que membros do seu governo mantêm contactos de alto nível com funcionários da administração norte-americana de Donald Trump. "[Donald] Trump disse que os Estados Unidos [EUA] dialogam …

Pardal Henriques desmente Marinho e Pinto. Recebeu convite mas ainda não é candidato

O presidente do Partido Democrático Republicano (PDR) anunciou que o porta-voz do SNMMP é candidato às legislativas de outubro. Pardal Henriques confirmou o convite mas diz que ainda não tomou uma decisão. "Pardal Henriques vai ser …

Desemprego registado cai em julho para o valor mais baixo desde 1991

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego em Portugal continua a diminuir. O desemprego registado cai em julho para o valor mais baixo desde 1991. É o chamado desemprego registado que, depois de em …

Nova acusação contra Plácido Domingo. Jornalista espanhola diz que o tenor se aproximou “mais do que devia”

A jornalista espanhola Karmele Marchante acusou o tenor Plácido Domingo de se ter aproximado "mais do que devia com cara de quero, posso e mando". É um dos desenvolvimentos mais recentes do caso Plácido Domingo e …

China confirma detenção de funcionário do consulado britânico em Hong Kong

A China confirmou esta quarta-feira a detenção de um funcionário do consulado britânico em Hong Kong, Simon Cheng Man-kit, desaparecido desde 08 de agosto, numa altura de tensão diplomática entre Pequim e Londres, devido aos …