Livro de Bolton acusa Trump de procurar a ajuda da China para a reeleição. Presidente quer travar publicação

Gage Skidmore / Flickr

John Bolton, ex-conselheiro nacional de segurança de Donald Trump

O antigo conselheiro de segurança nacional de Donald Trump, John Bolton, acusa o Presidente de procurar a ajuda da China para conseguir a reeleição. 

A acusação é feita num livro a publicar em 23 de junho, intitulado “The Room Where It Happened, A White House Memoir” (A Sala Onde Aconteceu, Uma Memória da Casa Branca), conta a agência Lusa.

O antigo conselheiro disse que, em junho de 2019, Donald Trump “desviou a conversa sobre as próximas eleições presidenciais, aludindo à capacidade económica da China e apelando a Xi para que a fizesse prevalecer”, de acordo com excertos publicados simultaneamente pelo Wall Street Journal, o New York Times e o Washington Post.

Durante esta reunião, à margem da Cimeira do G20, em Osaka, o presidente americano “salientou a importância dos agricultores e o aumento das compras chinesas de soja e trigo sobre o resultado das eleições”, escreve nas suas memórias Bolton.

“Tenho dificuldade para identificar qualquer decisão importante de Trump que não tenha sido motivada pelos seus cálculos eleitorais”, diz John Bolton, segundo os excertos avançados pela editora citados pelo jornal Público.

As fugas para a imprensa chegaram no dia seguinte ao anúncio da administração Trump de um processo judicial para tentar travar o lançamento do livro. O Departamento de Justiça norte-americano pediu aos tribunais, nesta terça-feira, que travem a publicação.

“As conversas de Trump com Xi refletem não só as inconsistências na sua política comercial, mas também a interligação na mente de Trump entre os seus próprios interesses políticos e o interesse nacional americano”, diz John Bolton, 71 anos.

O conselheiro, entre de abril de 2018 e setembro de 2019, afirma que “esta e inúmeras outras conversas semelhantes com Trump confirmaram um comportamento fundamentalmente inaceitável que corrói a própria legitimidade da Presidência”.

John Bolton refere o processo de destituição promovido no Congresso dos Estados Unidos pelos democratas contra Donald Trump, no final de 2019, por causa do caso ucraniano, no qual não tinha testemunhado.

“Se os democratas que defenderam a acusação [de Trump] não tivessem estado tão obcecados com a sua guerra-relâmpago sobre a Ucrânia em 2019, se tivessem tido tempo para investigar mais sistematicamente o comportamento de Trump em todo o espetro da sua política externa, o resultado da acusação poderia ter sido muito diferente”, disse.

O livro já tinha tido impacto na vida política americana quando parte foi divulgada à imprensa em janeiro, em pleno processo de destituição.

Nestes primeiros excertos, Bolton relatou uma conversa em agosto passado em que Donald Trump lhe teria explicado que não queria desbloquear ajuda crucial à Ucrânia até que este país investigasse o seu opositor democrata Joe Biden, agora a concorrer contra o presidente americano nas eleições presidenciais de 3 de novembro.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

    • Mais um oportunista, este autor. O frenesim anti-Trump, é a própria derrota, antecipada, dos democratas.

      • Mais um carneirinho apalermado… até deves sonhar com o Trump!…
        E, como é típico dos alienados, oposto que nem fazes ideia de quem é este Bolton…
        Se até um louco como o Bolton (que foi conselheiro de segurança nacional do Trump), diz isto, imagino o que ainda se virá a saber!…

  1. Parece que o idiota necessário, começa cada vez mais a ser inconveniente. Bolton não tem do que se queixar, ele foi um dos que criaram e soltaram o Frankenstein. Era uma questão de tempo até lhes fugir do controle, e, ou o agarram já, ou vem cada vez mais cagada a caminho.

    • Exactamente.
      Loucos como este Bolton e outros radicais do Partido Republicano é que deram rédea solta ao Trampa e agora estão com medo com o resultado trágico que se adivinha!…

  2. É a lei do vale tudo pela ganância do Poder, o mal está em os políticos fazerem praticamente tudo o que lhes apetece e nunca serem chamados à responsabilidade, a qual deveria ter peso e medida consoante o cargo.

  3. E que mal tem pedir ajuda à China, ou seja lá a quem for, para ganhar eleições?
    Ainda mais quando esse pedido no fundo consiste num pedido para a China ajudar os EUA, através da compra de produtos agrícolas, na convicção de que se os EUA e a sua economia estiverem melhor, mais fácil será a reeleição.
    O que é que isto tem assim de tão especial e de tão errado?
    Provavelmente o erro é mesmo só a origem do caso: o Trump. A estrutura montada para o criticar por tudo o que ele faça, seja branco, preto ou cinzento, é tremenda e voraz…
    Nem quero imaginar o que teria sido se ele tivesse organizado uma conferência de imprensa na Casa Branca, com vários dos mais altos representantes do Estado, para em horário nobre discursar sobre o grandessíssimo feito do país em ter conseguido garantir a fase final da liga dos campeões em plena crise da Covid 19, e que isso também correspondia a um prémio para a classe médica..
    Enfim, julgo que muitos já reagem sem pensar. Nem o cão de Pavlov fez melhor…

  4. Não deixa de ter razão, mas a diferença está no facto do Trampas ser presidente de uma superpotência. Se o presidente do Canelas der uma bacorada ninguém repara mas se for o presidente de um dos grandes…

RESPONDER

Barack Obama: "Taxem os ricos, como eu," para financiar proposta de Biden

Apelo está relacionado com a aprovação de um grande plano legislativo proposto por Joe Biden e que deverá ser negociado nas duas câmaras do Congresso norte-americano ao longo das próximas semanas. Numa semana decisiva da governação …

As origens dos antigos Etruscos foram finalmente reveladas

Vestígios de ADN encerraram, finalmente, o debate sobre a origem dos Etruscos,  uma antiga civilização cujos restos mortais foram encontrados em Itália. De acordo com quase dois mil anos de dados genómicos, recolhidos de 12 locais …

Rússia acusa Navalny e aliados de extremismo em novo processo

A Rússia intensificou a campanha contra o opositor do governo Alexei Navalny, abrindo esta terça-feira um novo processo judicial, que poderá levá-lo a cumprir uma pena de prisão de mais uma década. Navalny cumpre dois anos …

Governo demite Chefe do Estado-Maior da Armada. Gouveia e Melo provável sucessor

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, vai propor ao Presidente da República a demissão do Chefe do Estado-Maior da Armada, confirmaram hoje à Lusa fontes ligadas à Defesa. O Governo propôs ao Presidente da …

Borussia Dortmund 1-0 Sporting | Um Mal(en) que veio só… e foi suficiente

O “bicho papão Haaland não jogou, mas nem assim os “leões” conseguiram contrariar o maior poderio germânico. O Sporting saiu de Dortmund com uma derrota, apesar da excelente réplica no Signal Iduna Park, e muito por …

FC Porto 1-5 Liverpool | Dragão atropelado em casa

O Liverpool é uma espécie de “besta” em tons de “red” para o FC Porto. Em nove jogos oficiais, os “azuis-e-brancos” nunca venceram, somando 3 empates e 6 derrotas, a mais recente foi pesadíssima e …

China desenvolve arma invisível capaz de destruir redes de comunicação em dez segundos

Uma equipa de cientistas chineses está a desenvolver uma arma sónica, que gera um intenso pulso eletromagnético, capaz de destruir redes de comunicação e de fornecimento de energia elétrica. A arma poderá ter um alcance …

Dezenas de mulheres abusadas por funcionários da OMS na República Democrática do Congo

Dezenas de mulheres e meninas foram abusadas sexualmente por voluntários da Organização Mundial de Saúde (OMS) destacados para enfrentar o Ébola na República Democrática do Congo (RDC), entre 2018 e 2020, concluiu um inquérito independente …

Evolução de parasita está a tornar mais difícil detetar e tratar a malária

Uma mutação do parasita que causa a malária está a "camuflar" as proteínas que são identificadas nos testes rápidos, tornando mais difícil detetar e tratar a doença. De forma semelhante aos testes à covid-19, baratos e …

Banguecoque em alerta. Mais de 70.000 casas inundadas na Tailândia

As autoridades tailandesas têm feito esforços para proteger partes de Banguecoque das cheias, que já inundaram 70.000 casas e mataram seis pessoas nas províncias no norte e centro do país. A tempestade tropical Dianmu causou cheias …