Livre defende quotas étnico raciais para “reduzir assimetrias”

Joacine Katar Moreira assume que o Livre vai tentar eleger mais do que um deputado nas legislativas de 6 de outubro e defendeu quotas étnico raciais para “reduzir assimetrias estruturais”.

A cabeça de lista do Livre por Lisboa assume que o partido se está a esforçar para eleger mais do que um deputado nas legislativas de outubro e defendeu quotas étnico raciais para “reduzir assimetrias estruturais”.

“Realisticamente, o nosso objetivo é elegermos um [deputado à Assembleia da República], mas o nosso esforço não é para elegermos um. O nosso esforço, o nosso enfoque, os nossos objetivos é para nós, obviamente, realizarmos a existência de um grupo parlamentar”, disse Joacine Katar Moreira em entrevista à Lusa.

“Mas, obviamente, que elegendo uma deputada neste exato momento, isto inevitavelmente nos vai dar hipótese de nós elegermos oito nas outras legislativas”, acredita Joacine, que enfatiza o facto de ser a única mulher negra a encabeçar as candidaturas pelo círculo da capital.

Esta esperança é justificada com o programa eleitoral do Livre, “construído por militantes das várias áreas” e que é “feito para que haja uma efetiva mudança” no panorama nacional. Entre as medidas que constam do programa do Livre, a candidata exalta o combate à violência doméstica, a implementação de quotas étnico raciais para acesso a cargos públicos ou o aumento do ordenado mínimo nacional.

Considerando que “é inaceitável e incompreensível que todos os anos haja um número elevado de pessoas, essencialmente mulheres, vítimas de violência doméstica”, o Livre aponta que é necessário ensinar as crianças, a partir da escola, a não serem violentas. “É necessário uma educação da sociedade inteira, que seja uma educação anti-violência, e isto necessita de começar, não é quando os indivíduos já começam a agir desta forma, mas é uma ação que precisa de começar do infantário”, assinalou a candidata.

Notando ser “insuficiente investir apenas nas mulheres”, Joacine pede “mais medidas específicas que responsabilizem os homens, que se dê formação aos homens, que haja anúncios na televisão a dizer aos homens -com imagens de homens a informá-los – que eles não podem fazer isto e que o Estado vai agir de uma forma severa e inequívoca”.

A par disto, defendeu ainda um “reforço maior de formação” dos magistrados e no “atendimento que estas pessoas [as vítimas de violência doméstica] têm quando se dirigem a uma esquadra”.

Outra das medidas que Joacine Katar Moreira defendeu foi a implementação de quotas étnico-raciais, não com o objetivo de “valorizar uns e desvalorizar outros”, mas para “reduzir assimetrias estruturais que só com dezenas de anos é que iam ser resolvidas”.

“O ideal era que não fossem necessárias quotas para as pessoas que não estão em Portugal, continental, o ideal era que não fossem precisas quotas para pessoas com deficiência, o ideal era que também não fossem necessárias quotas para mulheres. Isto no mundo ideal, só que infelizmente não vivemos no mundo ideal”, salientou, acrescentando que, “se existem essas quotas, é natural que também seja necessário a existência de quotas étnico raciais”.

Assim, vincou, “as quotas servem unicamente para ajudar a reduzir estas assimetrias, estas desigualdades, estas injustiças”, uma responsabilidade do Estado, mas, ressalvou, tal medida não pode ser instituída “se não houver uma recolha dos dados étnico raciais”.

No plano económico, o Livre defende “um aumento do ordenado mínimo nacional para os 900 euros”, salientando que este valor “é aquilo que hoje em dia dá a hipótese a um indivíduo de viver” porque “ninguém vive com um ordenado de 600 euros”. A proposta do partido, explicou Joacine Katar Moreira, é que o aumento seja gradual.

Sobre a solução governativa que marcou a legislatura, a cabeça de lista afirmou que “foi essencial a convergência à esquerda” – proposta do Livre durante a campanha de 2015 – para que o país não afundasse.

Questionada sobre a possibilidade de o Livre viabilizar o próximo Governo, a cabeça de lista por Lisboa disse não ser favorável a maiorias absolutas e, por isso, o “ideal é que haja uma necessidade de negociação e de diálogo permanente entre os partidos”.

“Se houver necessidade de uma convergência à esquerda novamente – não é que nós não estejamos interessados – mas era necessário que isto se realizasse sobre determinadas condições relacionadas com a necessidade urgente de reforçarmos a justiça social e igualmente a justiça climática”, concretizou. Constituído oficialmente em 2014, o Livre concorreu pela primeira vez às legislativas de 2015, nas quais obteve mais de 39 mil votos e não elegeu deputados.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Quase 40% dos americanos com dificuldades financeiras. Doar sangue é a sua maior receita

A economia dos Estados Unidos (EUA), considerada uma das maiores do mundo, permitiu avanços sociais e tecnológicos inestimáveis. Contudo, atualmente, cerca de 40% dos norte-americanos afirmam ter dificuldade em pagar por comida, por habitação, por …

"Políticos devem ser colocados contra a parede". Greta pede desculpa

A ativista do clima Greta Thunberg pediu desculpa por ter dito que os políticos devem ser colocados “contra a parede”, após diversas pessoas terem considerado que a jovem estava a defender a violência. A sueca de …

Carnaval belga retirado da lista de Património Imaterial da UNESCO após queixas de antissemitismo

As festas da cidade de Aalst, na Bélgica, foram retirada da lista do Património Imaterial da Humanidade, depois de a UNESCO ter sancionado a presença de carros carnavalescos contendo imagens antissemitas. O presidente da Câmara …

Conselho de Ministros aprova proposta de OE2020 (e foram quase 10 horas de reunião)

O Conselho de Ministros aprovou hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2020, dez horas depois de a reunião extraordinária ter começado, anunciou hoje o primeiro-ministro na sua página na rede social Twitter. "O Conselho …

Nova espécie de baleia mostra como este animal evoluiu para conseguir nadar

Cientistas descobriram uma nova espécie de baleia, que existiu há 35 milhões de anos, que pode dar novas pistas sobre como as baleias evoluíram para conseguir nadar. De acordo com a revista Newsweek, os investigadores analisaram …

Casal separado após sobreviver a Auschwitz reencontra-se 72 anos depois em Nova Iorque

Em 1944, David Wisnia e Helen "Zippi" Spitzer eram dois prisioneiros judeus e secretamente namorados que, miraculosamente, conseguiram sobreviver ao campo de concentração nazi Auschwitz, na Polónia. Porém, no final da guerra, foram separados depois de …

Benfica 4-0 Famalicão | Pizzi entrega saco cheio de Natal

O Benfica terminou o seu ano de Liga NOS com mais uma vitória, de novo por 4-0, tal como havia acontecido na anterior partida no Estádio da Luz, ante o Marítimo. Desta vez frente ao …

Morreu o ator Danny Aiello

Morreu esta quinta-feira, em Nova Jérsia, o ator Danny Aiello, que recordamos pelos seus muitos êxitos dos anos 80. Tinha 86 anos. "É com profunda dor que comunicamos que Danny Aiello, amado marido, pai, avô, ator …

Videojogo chinês incita jogadores a atacar os "traidores" em Hong Kong

Há um novo videojogo que está a ganhar popularidade na China. Chama-se "Fight the Traitors Together" e permite que os jogadores ataquem manifestantes de Hong Kong. No jogo, os jogadores podem bater nos manifestantes pró-democracia, sendo …

Mundial de Clubes proíbe demonstrações públicas de afeto

Começou na passada quarta-feira, dia 11 de dezembro, em Doha, capital do Catar, o Mundial de Clubes da FIFA, prova onde estão inseridos clubes como Flamengo e Liverpool. E esta até poderia ser mais uma …