Little Foot. Escavação de esqueleto ancestral revela misterioso parente humano

Após uma escavação de 20 anos na África do Sul, os investigadores finalmente recuperaram e limparam o quase completo esqueleto de um antigo parente humano: um hominídeo com 3,67 milhões de anos, apelidado de “Little Foot”.

Little Foot é provavelmente uma espécie desconhecida, disseram os investigadores. Em quatro novos estudos publicados, que ainda não foram revistos pelos pares, os arqueólogos mergulharam na anatomia do Little Foot. As descobertas revelam que Little Foot terá andado em dois pés e terá tido uma lesão quase vitalícia no braço esquerdo.

A bem-sucedida escavação de Little Foot foi “quase um milagre”, disse à NatureRobin Crompton, biólogo da Universidade de Liverpool, no Reino Unido, porque os ossos em si eram mais macios do que a rocha das cavernas de Sterkfontein, a cerca de 40 quilómetros a noroeste de Joanesburgo, África do Sul.

“Antes de o enchimento da caverna se tornar solidificado, os ossos ficaram descalcificados e extremamente frágeis e, em alguns casos, como a omoplata ou a omoplata, muito finos”, disse Crompton.

Investigadores encontraram pela primeira vez os restos mortais de Little Foot em 1994, quando Ronald Clarke, paleoantropólogo da Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, encontrou alguns ossos pequenos numa coleção de fósseis recuperados das cavernas de Sterkfontein.

Pensava-se que a coleção continha ossos de macaco antigos. Mas uma análise revelou que alguns eram algo totalmente diferente. Os cientistas apelidaram a nova espécie Little Foot porque os ossos do pé eram muito pequenos.

Clarke detalhou que Little Foot era do género Australopiteco, muito parecido com a famosa Lucy (Australopithecus afarensis), que viveu há cerca de 3,2 milhões de anos. O Australopiteco, que significa “macaco do sul”, é um hominídeo semelhante a um macaco. O recém-descoberto exemplar está mais de 90% completo, excedendo Lucy, cujo esqueleto está cerca de 40% completo.

Como era a Little Foot

Little Foot era uma fêmea adulta de 1,30 metros de altura e vegetariana. Num estudo, publicado no bioRxiv a 29 de novembro, os investigadores estudaram a forma como Little Foot se movimentava. Os braços não eram tão longos como as pernas, significando que tinha proporções semelhantes às dos humanos modernos.

Na verdade, Little Foot é o mais antigo hominídeo conhecido assim, o que sugere que se sentia mais à vontade a caminhar do que outras espécies de Australopitecos, disse Crompton à Nature.

“A minha análise do esqueleto mostra que ela e o resto da população local, na época, estavam sob ativa seleção natural para uma capacidade de andar de forma eficiente totalmente de pé”, explica Crompton.

As descobertas detalhadas noutro estudo, publicado a 5 de dezembro, sugerem que Little Foot sofreu uma lesão no braço no início da vida. Os antebraços não são iguais. Em vez disso, o antebraço esquerdo é mais curvado que o direito. Talvez, Little Foot tenha caído quando era uma adolescente.

Esse tipo de deformação nos ossos do antebraço “está bem documentado em estudos clínicos humanos modernos, especialmente entre crianças entre 4 e 10 anos que caem de bicicletas ou sofrem outros acidentes comuns de impacto relativamente baixo”, escreveram os investigadores.

No entanto, a lesão de Little Foot foi curada antes de cair na caverna e morrer. “A queda fatal pode ter ocorrido durante uma luta com um macaco grande, já que o esqueleto de um deles foi encontrado muito próximo do dela”, sugeriu Crompton.

Noutro estudo, publicado a 29 de novembro, os cientistas observaram há quanto tempo o Little Foot viveu, enquanto o outro estudo, publicado a 4 de dezembro, envolveu uma comparação do crânio com o de outros hominídeos. Trabalhos futuros detalharão as descobertas sobre as mãos, os dentes e o ouvido interno.

Nome controverso

Dado que a Little Foot aparenta ser uma espécie nova – baseado, em parte, nos seus dentes e quadris -, os investigadores nomearam-na Australopithecus prometheus. Este nome foi dado a um fragmento de crânio hominídeo encontrado na África do Sul em 1948, mas caiu no esquecimento depois de os investigadores decidirem que o fragmento provavelmente pertencia a uma espécie comum de Australopiteco.

Mas Lee Berger, um arqueólogo da Universidade de Witwatersrand, disse que se Little Foot é realmente uma espécie recém-identificada, merece um novo nome de espécie, em vez de um nome reciclado.

Mas Crompton defendeu o nome. “É uma prática má, e contra o Código Internacional de Nomenclatura Zoológica, criar novos nomes quando já existe um nome válido e não existe um bom argumento para a separação numa espécie diferente”, disse.

PARTILHAR

RESPONDER

O maior sítio arqueológico submerso do mundo mora no México (e está a surpreender os especialistas)

Uma equipa de especialistas está a explorar há cerca de quatro anos o Grande Aquífero Maia, localizado no México, e tem feito descobertas surpreendentes que vão desde numerosos sítios arqueológicos a vestígios de homens primitivos.  Durante …

Passes baixam para 70 e 80 euros para utentes da região Oeste

Os passes nos transportes públicos para Lisboa vão baixar para 70 euros para utentes de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, e para 80 euros dos restantes concelhos da região. A …

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …

Já se sabe como é que planetas florescem a partir de pequenos pedaços de poeira

Uma equipa de investigadores validou uma teoria que pode explicar como é que os planetas crescem a partir de pequenos pedaços de poeira interestelar. O crescimento de um pequeno pedaço de poeira até um planeta inteiro …

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as abelhas esfomeadas (e isso é má notícia)

Apesar de não haver humanos na Zona de Exclusão de Chernobyl, a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986, e apesar do nível …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …