Lei das armas de Bolsonaro chumbada no Senado

Marcelo Sayao / EPA

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro

O plenário do Senado brasileiro rejeitou esta terça-feira um decreto assinado em maio pelo Presidente Jair Bolsonaro, que flexibiliza a posse e o porte de armas no país. A flexibilização da posse e do porte de armas foi chumbada com 47 votos a favor da anulação do decreto e 28 contra.

O texto chegou ao Plenário em regime de urgência, depois de passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na semana passada. A maioria dos senadores favoráveis à anulação do decreto argumentou que as mudanças na legislação sobre porte de armas devem ser enviadas para o Congresso, através de um projeto de lei, para que as alterações sejam debatidas democraticamente.

Favorável à anulação do decreto, a senadora Kátia Abreu, do Partido Democrático Trabalhista (PDT), disse que 61% da população brasileira é contra a flexibilização do porte de armas. “É um escárnio com a população brasileira. Esse decreto não vai proteger nenhum de nós. Arme os polícias, treine os polícias, Presidente”, argumentou ainda a senadora, citada no site do Senado.

Por outro lado, os senadores favoráveis à manutenção do documento defenderam que o chefe de Estado não extrapolou nenhuma das suas atribuições nem invadiu competências do Poder Legislativo ao assinar o decreto. O direito à legítima defesa foi um dos argumentos ouvidos na sessão do Senado por aqueles que apoiam o decreto.

“As pessoas precisam de meios próprios para defender a sua família e a sua propriedade. A arma gera segurança, gera proteção da vida. O Brasil precisa de se proteger”, declarou o senador Telmário Mota, do Partido Republicano da Ordem Social (PROS).

De acordo com o site Senado, vários senadores que se mostraram contra o decreto presidencial relataram que sofreram ameaças e agressões nas últimas semanas, principalmente através de redes sociais ou aplicações de mensagens.

O projeto que anula o decreto de Bolsonaro segue agora para análise na Câmara dos Deputados. O tema deverá tramitar em regime de urgência, indo direto para o plenário. Não há, porém, prazo para a votação. O decreto, assinado em maio pelo chefe de Estado brasileiro, concede porte de arma a 20 categorias profissionais e aumenta de 50 para mil o número de munições que o proprietário de armas de fogos pode comprar anualmente.

A flexibilização da posse e porte de armas de fogo foi uma das bandeiras da campanha eleitoral de Bolsonaro, que prometeu reforçar o combate à violência no Brasil onde, em 2017, 63.880 pessoas foram assassinadas.

Bolsonaro lamenta que o Brasil não tenha prisão perpétua

Também esta terça-feira, o Presidente do Brasil lamentou que a Constituição brasileira não permita a prisão perpétua, ao comentar o caso de uma criança que foi torturada e assassinada pela própria mãe, no mês passado, no Distrito Federa

“O chocante caso do menino Rhuan, que teve o seu órgão genital decepado e foi esquartejado pela própria mãe e sua parceira, é um dos muitos crimes cruéis que ocorrem no Brasil e que nos faz pensar que, infelizmente, a nossa Constituição não permite prisão perpétua”, escreveu o chefe de Estado nas redes sociais Facebook e Twitter.

O caso a que Bolsonaro se refere remonta a 31 de maio deste ano, quando Rhuan Maycon, de 9 anos, foi morto com várias facadas desferidas pela própria mãe, com ajuda da sua companheira, na casa onde ambas viviam, na cidade de Samambaia.

De acordo com a polícia, depois de matarem Rhuan com várias facadas, as mulheres esquartejaram, degolaram e tentaram queimar partes do corpo da criança. Meses antes do assassinato, a mãe decepou de forma caseira o órgão genital do menino, por alegar que Rhuan gostaria de “ter nascido menina”.

Ambas as mulheres confessaram a autoria dos crimes. Atualmente, o Código Penal brasileiro prevê, no artigo 75, que o cumprimento máximo de pena não seja superior a 30 anos de reclusão.

ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

Revelada causa da morte de 300 elefantes no Botsuana

O Governo do Botsuana anunciou, esta segunda-feira, que uma cianobactéria foi a causa da misteriosa morte de cerca de 300 elefantes no Botsuana em meados deste ano. A causa da morte dos paquidermes foi determinada após …

Cavani: brasileiros com milhões... mas pessimistas

O Grémio estabelece quatro parcerias para contratar o uruguaio. No entanto, a direção do clube não acredita que Cavani se vai mudar para Porto Alegre. "Na vida, se não conversas, nada sabes. Até pode surgir uma …

Ministério da Saúde indiano sem dados sobre médicos que morreram de covid-19. Associação fala em 382 óbitos

Depois de o Ministério da Saúde indiano ter afirmado esta semana que o não dispõe dos dados sobre os profissionais de saúde que morreram devido à covid-19, a Associação Médica do país publicou uma lista …

Chega apresenta proposta que prevê castração química para pedófilos

O projeto de revisão constitucional do Chega, entregue hoje no parlamento, prevê a remoção dos órgãos genitais a criminosos condenados por violação de menores, algo que em si mesmo encerra dúvidas de conformidade com a …

Fluminense: as derrotas pós-Evanilson e as quatro ausências de Fred

O reforço do FC Porto deixou a equipa brasileira que, desde essa transferência, contabiliza mais derrotas do que vitórias. A instabilidade de Fred não ajuda. Portugal continua mais atento ao Flamengo do que ao Fluminense, mesmo …

MP suíço pede 28 meses de prisão para presidente do PSG e 3 anos para Valcke

O Ministério Público suíço pediu, esta terça-feira, uma pena de 28 meses de prisão para Nasser Al-Khelaïfi, presidente do Paris Saint-Germain, e de três anos para Jérôme Valcke, antigo número dois da FIFA. Trata-se dos primeiros …

Empresa japonesa cria lâmpada UV inócua para humanos que inativa coronavírus

Uma empresa japonesa desenvolveu uma lâmpada de radiação ultravioleta que inativa o novo coronavírus, recorrendo a um comprimento de onda que um estudo científico diz ser inócuo para os seres humanos. A lâmpada Care 222 foi …

Trump pede à ONU atribuição de sanções à China por ter "ocultado factos relevantes"

O Presidente dos EUA, Donald Trump, exortou hoje as Nações Unidas a “pedirem responsabilidades à China” pela sua atuação na fase inicial da expansão da pandemia de covid-19. Na sua intervenção durante o debate geral da …

Há um "clima de medo e insatisfação" nas Forças Armadas, diz Associação de Sargentos

O presidente da Associação Nacional de Sargentos (ANS), Lima Coelho, disse à Rádio Renascença que se vive um "clima de medo e insatisfação nas Forças Armadas", que inclui ameaças, avaliações injustas, demora excessiva das reclamações …

Teletrabalho e questões ambientais são prioridade para o PS no início da sessão legislativa

A líder parlamentar do PS afirma que duas das principais prioridades da sua bancada no início da presente sessão legislativa vão passar pela regulamentação do teletrabalho e pela aprovação de uma lei de bases do …