/

Lava Jato usou os mesmos métodos de espionagem clandestina que o FBI

2

PT - Partido dos Trabalhadores / Flickr

Deltan Dallagnol

A operação Lava Jato usou os mesmos métodos de espionagem utilizados por John Edgar Hoover, o temível líder do FBI durante quase 50 anos.

Durante quase 50 anos, John Edgar Hoover liderou o FBI, ficando conhecido por atuar de forma clandestina para sabotar, intimidar e perseguir adversários políticos. Em vários ocasiões, Hoover ignorou a Constituição norte-americana para espiar inimigos da nação, como por exemplo Martin Luther King.

O The Intercept escreve que, no Brasil, a operação Lava Jato atuou de forma semelhante à de Hoover. Clandestinamente, fez escutas ilegais, divulgou conversas de jornalistas críticos da operação e perseguiu adversários políticos.

Esta semana, o procurador-geral da República Augusto Aras começou a abrir a chamada “caixa de segredos” e acusou a operação de investigar 38 mil brasileiros de maneira clandestina.

O primeiro a sair em defesa da operação foi Sérgio Moro, o ex-juiz acusado de estar envolvido nele. O antigo ministro da Justiça de Jair Bolsonaro disse desconhecer “segredos ilícitos no âmbito da Lava Jato”.

“Ao contrário, a Operação sempre foi transparente e teve suas decisões confirmadas pelos tribunais de segunda instância e também pelas Cortes superiores, como STJ e STF”, escreveu ainda numa mensagem divulgada na rede social Twitter.

Por sua vez, a força-tarefa de procuradores da Lava Jato em Curitiba nega as acusações de espionagem. “É falsa a suposição de que 38 mil pessoas foram escolhidas pela força-tarefa para serem investigadas. Esse é o número de pessoas físicas e jurídicas mencionadas em Relatórios de Inteligência Financeira encaminhados pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF)”.

No entanto, a reportagem do The Intercept em colaboração com a ‘Folha’, mostra que a Lava Jato conseguiu acesso a vários dados de brasileiros na Receita Federal. Lá, um funcionário repassava informações de maneira informal.

“A independência funcional dos membros do Ministério Público é uma garantia de que o serviço prestado se guiará pelo interesse público, livre da interferência de interesses diversos por mais influentes que sejam”, refutam os procuradores da Lava Jato.

Através do Telegram, a Lava Jato atuava com uma agenda eleitoral, protegia aliados e procurava impedir o regresso do Partido dos Trabalhadores (PT) ao poder.

  ZAP //

2 Comments

  1. Olha, há coisas erradas no Brasil, o tal do Moro parece que realmente protegia o pessoal do PSDB, mas tomar o IntercePT como fonte confiável de alguma coisa é pedir para ser cahamado de burro !
    Foi só o Moro (o maior traidor do Braisil) sair do ministério e a policia já começou a ir atrás dos tucanos do PSDB. No entanto, e só não vê quem não quer, é que essa narrativo do IntercePT está tentando inocentar o a outra gang de bandidos : o PT !
    Graças a Deus, coloacamos Bolsonaro no poder, e aos poucos ass coisas vão indo para o lugar . Mesmo com dezenas de traidores e infiltrados tentando sabotar o governo e a liberdade de expresão do próprio povo, Bolsonaro está conseguindo superar as dificuldades.
    Moro não é de condiança? Não ! mas muito menos a bandidagem grossa do PT e do PSol, dos quais o IntercePT é um vassalo .

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.