Justiça ordena que Facebook e Twitter removam ofensas contra Marielle Franco

jeso.carneiro / Flickr

A vereadora brasileira Marielle Franco

A justiça brasileira ordenou, esta terça-feira, que o Facebook e o Twitter removam publicações em que utilizadores exibem, como se fosse um troféu, a cabeça da vereadora Marielle Franco, cujo assassinato, em 2018, teve grande repercussão internacional.

A juíza da 49.ª Vara Cível do Rio de Janeiro, Renata Gomes Casanova, estabeleceu um prazo de 48 horas para que as publicações sejam retiradas das redes sociais sob pena de multa de 10 mil reais diários (cerca de 1580 euros), a cada uma das redes sociais, até a um máximo de 500 mil reais (79 mil euros).

A decisão atendeu de forma cautelar a um pedido da família da vereadora, num processo instaurado contra as duas empresas, informou o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro em comunicado.

As publicações dizem respeito a montagens de imagens, em que utilizadores dessas redes sociais seguram pelos cabelos a cabeça decapitada e ensanguentada de Marielle Franco, nas quais aparecem marcas de tiros.

Na sua decisão, a magistrada alegou que a imagem ultrapassa a simples crítica política e a liberdade de manifestação de pensamento, uma vez que o conteúdo “exalta a ocorrência de um crime bárbaro, mediante a exposição da cabeça da vítima como uma espécie de troféu”.

“Tais manifestações revelam escárnio com o assassinato de um ser humano e constituem agressão à dor da família, num ato de verdadeiro bullying virtual“, frisou a sentença.

Segundo o Tribunal de Justiça, “a utilização da imagem de Marielle Franco neste contexto seria uma resposta de simpatizantes políticos de direita a uma publicação anterior, feita por uma terceira pessoa não identificada, a uma montagem semelhante feita com a cabeça do Presidente da República”, Jair Bolsonaro.

Alguns apoiantes do chefe de Estado já foram investigados por outros ataques à imagem da vereadora de esquerda, que se destacou como defensora dos direitos humanos, principalmente pela sua condição de mulher, negra, lésbica e de uma favela do Rio de Janeiro.

Na ação contra o Facebook e Twitter, a família de Marielle pede a identificação dos responsáveis pelas publicações, entre outras informações, para poderem tomar medidas judiciais adicionais, incluindo o direito de resposta.

A irmã da vereadora, Anielle Franco, disse que os seus familiares têm feito grandes esforços para combater as notícias falsas e o discurso de ódio nas redes sociais contra a ativista e política assassinada.

“A nossa maior luta desde 14 de março de 2018 [data do crime] é por justiça. Justiça não apenas para que se responsabilize os autores do crime e quem o ordenou, mas também em face da avalanche de notícias falsas e discurso de ódio que enfrentamos“, afirmou a irmã.

Em agosto passado, outra decisão de um tribunal de segunda instância determinou que o Google entregasse às autoridades todas as informações que pudessem ajudar no esclarecimento do crime.

Essa decisão deveu-se ao facto de o Google se recusar a oferecer alguns dados de geolocalização de pessoas investigadas, alegando que a medida viola a privacidade dos seus utilizadores.

Marielle Franco foi morta a tiro quando viajava de carro no centro do Rio de Janeiro, após participar num ato político. O motorista do veículo em que viajava, Anderson Gomes, também foi assassinado.

As investigações sobre o duplo homicídio ainda estão abertas, mais de dois anos depois. Até ao momento, os dois supostos autores materiais do crime (os ex-polícias Élcio Queiroz e Ronnie Lessa) foram detidos, mas o autor moral ainda não foi determinado, sendo que o Ministério Público suspeita que se trate de um homicídio encomendado.

No início desta semana, a viúva de Marielle Franco, Mônica Benício, foi eleita vereadora no Rio de Janeiro. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a arquiteta foi a 11.ª vereadora mais votada da cidade, com 22.999 votos.

“Agradeço imensamente às mais de 22 mil pessoas que votaram por um futuro mandato feminista e antifascista para a Câmara Municipal do Rio! Vamos transformar esta cidade juntas”, escreveu no Twitter.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O Supremo dos EUA mudou as suas regras para que as juízas não fossem constantemente interrompidas

Revelação foi feita por Sonia Sotomayor, uma das três mulheres que compõe o coletivo de nove juízes e a primeira latina a chegar ao cargo. O facto de serem constantemente interrompidas em reuniões ou outros …

A candidata a primeira-ministra da Hungria, Klára Dobrev.

Num futuro sem Orbán, a oposição escolhe entre um novo conservador ou uma liberal divisiva

Os opositores de Viktor Orbán estão na dúvida quanto ao candidato para enfrentar o atual primeiro-ministro nas próxima eleições. Esta indecisão pode custar-lhes o assalto ao cargo. Viktor Orbán é um nome recorrente na política húngara. …

Nuno Melo, do CDS/PP

Nuno Melo ataca líder do CDS por anunciar sentido de voto sem consultar deputados

O candidato à liderança do CDS-PP criticou, este sábado, o atual líder do partido por ter comunicado publicamente a intenção de votar contra a proposta de Orçamento do Estado sem se ter reunido com os …

Vaticano tem três celas e um só prisioneiro. Uma onda de julgamentos pode mudar isso

Dez pessoas vão ser julgadas no Vaticano por crimes relacionados com a venda de um edifício em Londres. Visto como limitado e sombrio, o sistema judicial da cidade-estado está a mudar. Carlo Capella é o único prisioneiro …

Alexandra Leitão diz que "não há trabalhadores a mais na Administração Pública"

A ministra da Modernização do Estado assegura que não há trabalhadores a mais na Administração Pública e assume toda a abertura do Governo para negociar, "com humildade e responsabilidade", medidas adicionais às inscritas no OE2022. Em …

Start-up israelita quer fazer roupa a partir de algas

A Algaeing, criada em 2016, é uma empresa que converte as algas numa fórmula líquida, que depois pode ser usada como corante ou transformada num tecido. A indústria da moda é uma das responsáveis pelas emissões …

O antigo Presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton

Bill Clinton já teve alta hospitalar e deve regressar a Nova Iorque

O ex-Presidente dos Estados Unidos deixou, neste domingo de manhã, o hospital da Califórnia onde foi internado com uma infeção, informou o chefe da equipa de médicos que o tratou. "O Presidente Clinton teve alta do …

Acordo escrito. Bloco diz que Governo "conhece bem" os pontos negociais

O Bloco de Esquerda anunciou, este domingo, que vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais colocados em cima da mesa no início de setembro, aos quais declara não ter obtido resposta …

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem com menos de 540 euros por mês

Mais de 1,6 milhões de portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza, ou seja, com menos de 540 euros por mês, uma realidade que afeta famílias numerosas, mas também quem vive sozinho, idosos, crianças, estudantes …

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira

"Subida do salário mínimo é para manter", diz Siza Vieira

O ministro da Economia destaca que a trajetória do aumento do salário mínimo nacional "é para manter", assegurando que a meta é que este suba até aos 750 euros em 2023. Em entrevista ao semanário Expresso, …