Jovens têm mais problemas associados ao uso da internet do que ao álcool ou drogas

Um quarto dos jovens revela já ter tido vários problemas devido ao uso da internet. Apenas 21,1% dizem o mesmo do consumo de bebidas alcoólicas e 9,4% relativamente ao uso de substâncias ilícitas.

Cerca de um terço dos jovens inquiridos num estudo sobre comportamentos aditivos começou a usar internet antes dos 10 anos e um em cada quatro disse ter problemas associados à sua utilização. O estudo revelou ainda um aumento do uso de substâncias ilícitas, principalmente canábis, e dos “consumos intensivos” de bebidas alcoólicas pelos jovens, entre 2015 e 2018.

O documento “Comportamentos Aditivos aos 18 anos”, divulgado esta quarta-feira, resultou de um inquérito promovido pelo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) junto dos jovens participantes no “Dia da Defesa Nacional – 2018”, que é realizado anualmente desde 2015.

A partir de uma lista de possíveis problemas, cerca de um quarto dos jovens mencionou que já tinha tido algum tipo de problema nos 12 meses anteriores, que associa à utilização da internet, não se verificando diferenças relevantes entre rapazes e raparigas.

O tipo de problema mais mencionado refere-se ao rendimento na escola/trabalho (9,6%), seguindo-se as situações de mal-estar emocional (11,5%) e problemas com comportamentos em casa (9,6%). Houve ainda 1,7% que disseram ter problemas de saúde, motivando assistência médica, 1,8% referiu problemas financeiros, 1,8% atos de violência, 1,4% conduta desordeira e 2,7% contaram ter relações sexuais sem preservativo.

A generalidade dos jovens inquiridos já teve contacto com a internet, tendo a maioria (57,5%) iniciado a sua utilização entre os 10 e os 14 anos, 34% antes dos 10 anos e 7,2% aos 15 anos ou mais anos. Os rapazes declaram um início de utilização mais precoce do que as raparigas. O computador portátil é o equipamento mais utilizado para aceder à internet, referido por 63% dos jovens, seguido do smartphone/telemóvel.

Maioria joga até três horas por dia

“A utilização das redes sociais é generalizada, tal como a realização de pesquisas na internet. Por sua vez, cerca de metade dos jovens referem jogar online, sendo que 16% apostam online”, sublinha o estudo que contou com a participação de 66.148 jovens, o que corresponde a 64% dos participantes do Dia da Defesa Nacional (103.324).

A maior proporção de jovens joga até três horas por dia, seja durante a semana ou ao fim de semana. No contexto do jogo a dinheiro o tempo tende a ser um pouco inferior. No entanto, o estudo salienta que perto de 10% dos jovens mencionam jogar durante seis horas ou mais por dia, um valor que desce para 2% no caso dos que jogam a dinheiro durante este mesmo tempo.

Em geral, os rapazes continuam a destacar-se das raparigas por passarem mais horas a jogar. Contudo, no contexto específicos do jogo de apostas não se observam diferenças relevantes entre jogadores e jogadoras quanto ao número de horas passadas a jogar.

“Entre 2017 e 2018 regista-se um ligeiro incremento da prevalência de jogo mais intensivo, a valorizar em função de evoluções futuras”, sublinha o SICAD.

No que ao consumo de álcool e drogas diz respeito, mais de metade dos jovens (51,9%) disse já ter bebido de “forma intensiva” pelo menos numa ocasião no último ano, contra 47,5% em 2015, e 33,9% relatou ter ficado com uma “embriaguez severa” (29,8% em 2015).

A tendência de crescimento de consumo “sucede tanto entre rapazes como entre raparigas, mas de forma mais acentuada nas raparigas”, salienta o SICAD, adiantando que estes consumos “mais intensivos tendem a ser pontuais no ano, predominando frequências de consumo inferiores a seis ocasiões”.

Quanto à perceção de terem ficado alterados na sequência do consumo de álcool, 64% dos jovens consideraram que ficaram pelo menos uma vez “alegres” (embriaguez ligeira) e cerca de um terço ficou severamente intoxicado (embriaguez severa).

Rapazes consomem mais droga do que raparigas

Outras conclusões do estudo dizem que 89% já consumiram bebidas alcoólicas pelo menos uma vez na vida, 60% já experimentaram tabaco, 36% substâncias ilícitas e 7% tranquilizantes/sedativos sem receita médica. A “maior discrepância” nos consumos entre raparigas e rapazes é observada nas substâncias ilícitas, com 22,1% e 33,8% respetivamente.

As prevalências de consumo de tabaco, bebidas alcoólicas e tranquilizantes sem receita médica têm-se mantido estáveis entre 2015 e 2018, mas “parece haver uma tendência de claro incremento da prevalência de consumo de substâncias ilícitas”, devido praticamente à canábis, principal substância ilícita consumida em Portugal. Apenas 1% dos jovens referiram consumos recentes exclusivos de outras substâncias ilícitas.

Os dados mostram um aumento gradual do consumo recente de canábis pelos jovens, que se situava nos 22,6% em 2015, um valor que subiu para 23,8% no ano seguinte, para 25,3% em 2017 e para 26,7% no ano passado.

A seguir à canábis, as substâncias ilícitas mais mencionadas foram as anfetaminas/metanfetaminas (5,2%), incluindo o ecstasy, a cocaína (3,3%), alucinogénios (3%), as Novas Substâncias Psicoativas (2,5%) e a heroína e outros opiáceos (1,7%).

Das Novas Substâncias Psicoativas (NSP) faz parte o consumo de canabinóides sintéticos (1,9%), catinonas sintéticas (1,5%) e plantas ou outras NSP (1,8%), refere o estudo, observando que cerca de metade dos consumidores recentes de NSP reportou ter consumido estes três tipos de substâncias.

O estudo revela um “ligeiro incremento” da experiência de problemas com o consumo de bebidas alcoólicas (18,5% em 2015, 21,1% em 2018) e de substâncias ilícitas (9,2%/9,4%), tendo sido as situações de mal-estar emocional e as relações sexuais desprotegidas as mais mencionadas.

Outra conclusão do estudo revela que 4% dos jovens compraram canábis através da internet nos 12 meses anteriores ao inquérito, o que corresponde a 14% dos consumidores de canábis neste período.

A percentagem de jovens que mencionou adquirir outro tipo de substâncias é igual ou inferior a 1% quanto a cada substância, o que está de acordo com a menor prevalência de consumo destas substâncias por comparação com a canábis.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Incêndios em Castelo Branco e Santarém. Há quatro bombeiros feridos, um está em estado grave

Dois incêndios em Castelo Branco estão a mobilizar mais de 500 operacionais e 15 meios aéreos. Há estradas cortadas e aldeias evacuadas. Dois incêndios em povoamento florestal, todos no distrito de Castelo Branco, um no município …

"É contra a vontade de Deus". Família que se recusou a pagar impostos é condenada na Austrália

Uma família cristã australiana recusou-se a pagar impostos, alegando que é "contra a vontade de Deus". Em tribunal, o juiz obrigou a pagar 1,3 milhões de euros. Em 2017, na Tasmânia, uma família cristã não pagou …

David guardou uma pedra durante anos pensando que era ouro. Afinal, era bem mais raro que isso

Em 2015, David Hole estava a explorar Maryborough Regional Park, perto de Melbourne, na Austrália. Com um detetor de metais, descobriu algo fora do comum: uma rocha avermelhada muito pesada que repousava em argila amarela. Maryborough …

Quadro roubado por soldado nazi é devolvido a museu de Florença

O quadro de natureza-morta tinha sido roubado do museu por um soldado nazi como um presente para a sua esposa. Agora, o quadro foi devolvido ao museu pelos alemães. Um soldado nazi em retirada de Itália …

Um segundo. Foi o tempo que a Inteligência Artificial precisou para resolver um cubo mágico

Investigadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, desenvolveram o DeepCubeA, um algoritmo capaz de resolver o desafio do Cubo de Rubik em pouco mais do que um segundo.  De acordo com a equipa de investigadores …

Investigação revela que ibuprofeno tem efeitos anticancerígenos

O anti-inflamatório ibuprofeno tem efeitos anticancerígenos sobretudo no cancro do colón, inibindo o crescimento de células malignas, revela uma investigação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA). Investigadores do INSA, associados ao Instituto de …

Um pôr do sol apareceu "dividido ao meio" nos EUA

https://vimeo.com/349103840 Recentemente, um efeito ótico incomum fez o pôr do sol assemelhar-se a uma imagem numa tela dividida, mostrando dois céus muito diferentes lado a lado. No lado direito da foto há um horizonte saturado de tons …

Turistas fizeram café em Veneza. Foram multados em 950 euros e convidados a abandonar a cidade

Dois turistas alemães foram multados por fazerem um café nos degraus da famosa ponte Rialto, em Veneza. Depois, tiveram de deixar a cidade, segundo as autoridades municipais. Os dois turistas de Berlim, com idades entre 32 …

Merkel admite: Greta Thunberg teve influência nas novas medidas alemãs pelo ambiente

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou nesta sexta-feira que o seu governo decidiu ser mais ambicioso nas medidas contra as alterações climáticas como resposta à mobilização e marchas pelo ambiente de crianças e adolescentes inspirados …

Google paga prémios até centenas de milhares de euros para descobrir bugs

A Google aumentou o valor dos prémios que oferece a quem descobrir bugs nos seus produtos e serviços. Alguns dos prémios podem mesmo chegar aos milhares de euros. Ganhar dinheiro ao descobrir bugs é algo desconhecido …