/

Jovem contou a piada sobre abuso sexual do seu professor no TikTok. Agora, está a ser processada

Quatro meses depois de ter publicado o vídeo na rede social, Ain Husniza Saiful Nizam está a ser processada pelo seu professor.

Em abril, Ain Husniza Saiful Nizam, uma estudante malaia de 17 anos, decidiu partilhar no Tik Tok a piada que um professor seu tinha feito sobre abuso sexual durante uma aula de Educação Física.

“No início, ele abordou o assunto de uma forma brincalhona, mas a sua linguagem foi ficando cada vez mais obscena. Ele começou a brincar sobre o assunto, o que levou os rapazes da minha turma a rir como se não fosse nada”, contou a jovem à Vice.

“A ironia é que o professor estava a ensinar-nos o que deveríamos fazer caso fôssemos assediados ou agredidos sexualmente”, acrescentou Ain, que ficou extremamente desconfortável com a situação.

A jovem lançou um importante apelo para que as escolas da Malásia se tornassem “um lugar mais seguro”, criando um debate acirrado sobre o abuso sexual e a má conduta nos estabelecimentos de ensino.

Agora, quatro meses depois de ter publicado o vídeo na rede social, a jovem está a ser processada pelo professor, que pede um milhão de ringgit (cerca de 200 mil euros) por danos causados à sua reputação.

https://twitter.com/Meiidiocre/status/1422854853290647556

O pai de Ain, Saiful Nizam, ficou intrigado com a decisão, principalmente pelo facto de a sua filha não mencionar qualquer nome no vídeo. A Vice entrou em contacto com o escritório de advogados que representa o professor, mas um porta-voz recusou-se a comentar o caso.

Ain foi aplaudida pelo seu ato de coragem, mas também sofreu bullying virtual, foi insultada por políticos religiosos conservadores e repreendida pelo diretor da escola após o vídeo ter sido difundido na rede social. Mas o que mais a tramatizou foi o facto de ter sido ameaçada de abuso sexual por um colega de turma.

“Eu estou muito cansada. Tudo o que eu queria fazer era tornar a escola um lugar mais seguro para todos”, confessou a adolescente.

  Liliana Malainho, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.