Jornalistas admitem ter orientado os cidadãos para o confinamento

André Kosters / Lusa

#EstudoEmCasa – A Escola na Televisão

Nove em cada dez jornalistas admitem que nos primeiros dois meses de pandemia houve uma preocupação a nível editorial em orientar os cidadãos para o confinamento, de modo a prevenir a propagação da covid-19.

Segundo noticiou esta quarta-feira o Público, esta é uma das conclusões do primeiro inquérito sobre o impacto da pandemia no jornalismo nacional, desenvolvido por um grupo de investigadores da área dos media da Universidade do Minho e do Cintesis – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde da Universidade do Porto​.

No inquérito, realizado no final de maio e que abrangeu 200 profissionais de comunicação – diretores, coordenadores, editores e jornalistas especializados em saúde – concluiu-se que esses escreveram textos noticiosos e criaram infografias e caixas (pequenos textos) explicativas para tornar a informação mais compreensível para a população.

De acordo com a coordenadora do estudo, Felisbela Lopes, esta é a “a primeira vez em regime democrático que os media assumem que encaminharam o seu público”. Os jornalistas identificaram o “esforço acrescido pela verdade, maior rigor e qualidade dos conteúdos, mais respeito pela privacidade”, além do serviço público.

“Se Portugal é tido como um caso de sucesso no controlo da pandemia não é só pela rápida decisão política do Governo pelo confinamento – até porque aprendeu com o exemplo anterior de outros países – e da ação das entidades sanitárias, mas também porque os jornalistas e os meios de comunicação social foram decisivos na mensagem que passaram para o rápido confinamento das pessoas”, defendeu.

Nos aspetos negativos, os jornalistas apontaram a dificuldade na triagem da informação credível (52%), a falta de colaboração das fontes de informação (14%), a dificuldade no acesso à informação do dia (12%) e a escassez de informação relevante e credível sobre a doença (6%). Desses profissionais, 82% notou um aumento da informação falsa.

Para contrariar a desinformação, 38,8% indicou ter cruzado informação nova com outras fontes documentais e 36,6% solicitado uma explicação a uma fonte oficial ou especializada. Os comentadores políticos, como lembrou o Público, foram substituídos por cientistas, médicos, epidemiologistas, virologistas.

Tiago Petinga / Lusa

Covid-19: Conferência de imprensa da DGS

Ao Jornal de Notícias, a investigadora do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho referiu: “Houve aqui um trabalho exemplar dos jornalistas, num tempo em que os próprios estavam confinados e as redações, de uma forma geral, sentiam que iam ter gravíssimos problemas financeiros”.

Mesmo assim, os jornalistas “procuraram ser coadjuvantes das autoridades sanitárias. E, por extensão, do poder político”, frisou Felisbela Lopes.

“Houve jornalistas que admitiram dificuldades em obter informação em tempo útil das entidades sanitárias”, realçou. “Não seria função da comunicação da saúde criar âncoras para os jornalistas, dando-lhes informação atempada, criando conteúdos direcionados para os vários ecrãs para as pessoas que estavam em casa?”, indagou.

Se é prioritário usar equipamento de proteção individual, sublinhou, “também devíamos pensar o mesmo sobre a disponibilização de informação credível”.

“Aquilo que nós constatamos é que os jornalistas ficaram sozinhos”, prosseguiu Felisbela Lopes ao Jornal de Notícias, alertando para a necessidade de uma resposta mais eficaz, pois poderá ocorrer uma segunda vaga ou até surgir uma nova pandemia.

“Os jornalistas abordaram ângulos muito diversificados”, verificando-se “um conjunto de interlocutores que apareceu fora do campo da saúde”, como nas áreas do trabalho, educação e ação social. “Curiosamente, algumas das fontes mais conhecidas desapareceram neste período da pandemia”, acrescentou.

As conferências de imprensa do Governo com números do dia anterior “sabem a pouco num tempo de informação permanente. As autoridades de saúde não têm sabido dar resposta comunicacional adaptada ao tempo em que estamos”, disse. “Se a informação também é uma arma de combate à pandemia, alguém tem que cuidar dela”, concluiu.

  ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rorhwerk, o maior instrumento musical do mundo

Rohrwerk, uma obra de arte efémera, é a maior "fábrica do som" do mundo

Uma espécie de "pavilhão do som". Alunos da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, criaram um novo instrumento musical, o maior alguma vez construído. Com 45 metros de altura, a obra de arte imponente …

Costa já pediu desculpas às confederações patronais. "Houve um lapso"

O primeiro-ministro afirmou, esta sexta-feira, que já apresentou um pedido de desculpas às confederações patronais por o Governo ter aprovado duas medidas na área do trabalho sem antes as ter apresentado em Concertação Social. À chegada …

Luxemburgo torna-se o primeiro país da Europa a legalizar o cultivo e consumo de canábis

O Governo luxemburguês anunciou, esta sexta-feira, que o país será a primeira nação do Velho Continente a legalizar o cultivo e o consumo de canábis. De acordo com a nova legislação, explica o jornal The …

Prisão preventiva para suspeitos da morte de jovem no metro das Laranjeiras

Os quatro suspeitos da morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa, ficaram em prisão preventiva, depois de presentes a primeiro interrogatório judicial. Os quatro arguidos, com idades entre os …

Cristiano vs. Salah: Klopp não queria comparar mas comparou

Treinador do Liverpool não acredita que vai encontrar um adversário debilitado: "Eles são capazes de fazer coisas incríveis". É o grande jogo de futebol no Reino Unido e um dos mais aguardados em todos os países: …

Bastonário dos Médicos considera direção executiva do SNS "um disparate"

O bastonário da Ordem dos Médicos considera que a criação da direção executiva do Serviço Nacional de Saúde, proposta no Estatuto do SNS aprovado esta quinta-feira, é "um disparate" e que há estruturas que podem …

João Leão no Parlamento: "A alternativa é um Orçamento apresentado pelo PSD"

O ministro das Finanças afirmou, esta sexta-feira, na Assembleia da República, que a alternativa à viabilização à esquerda da proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) é um Orçamento feito pelo PSD. "A alternativa que …

Mais de 30 mil mulheres polacas recorreram a métodos de aborto ilegais ou no estrangeiro desde a alteração na lei

Proibição à interrupção voluntária da gravidez entrou em vigor no início deste ano e as  exceções só se aplicam a casos de violações, incestos ou quando a saúde da mãe está em risco. Pelo menos 34 …

Fenprof anuncia nova greve no dia 12 e concentração em frente ao Parlamento

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) anunciou, esta sexta-feira, a realização de uma concentração em frente à Assembleia da República no dia 5 de novembro e a adesão à greve nacional da Administração Pública marcada …

Luis Díaz será a prioridade do Newcastle

Valor de mercado será agora inacessível para os clubes italianos, escreve-se... em Itália. O novo Newcastle deverá atacar o mercado do futebol com estrondo, possivelmente já daqui a pouco mais de dois meses, e a prioridade …