Milhares de jornalistas e ativistas alvos de “programa espião” israelita

Tor Håkon / Flickr

Um consórcio de 17 órgãos de comunicação internacionais denunciou que jornalistas, ativistas e dissidentes políticos em todo o mundo terão sido espiados graças a um software desenvolvido pela empresa israelita NSO Group.

A empresa, fundada em 2011 a norte de Telavive, comercializa o spyware Pegasus, que, inserido num smartphone, permite aceder a mensagens, fotografias, contactos e até ouvir as chamadas do proprietário.

A NSO tem sido regularmente acusada de vender a regimes autoritários, mas sempre defendeu que o spyware comercializado só era utilizado para obter informações sobre redes criminosas ou terroristas.

A investigação publicada por um consórcio de 17 órgãos de comunicação internacionais, este domingo, nos quais se incluem o jornal francês Le Monde, o britânico The Guardian e o norte-americano Washington Post, baseia-se numa lista obtida pelas organizações Forbidden Stories e Amnistia Internacional, que incluem 50 mil números de telefone selecionados pelos clientes da NSO, desde 2016, para potencial vigilância.

A lista inclui os números de telefone de pelo menos 180 jornalistas, 600 políticos, 85 ativistas de direitos humanos e 65 líderes empresariais, de acordo com a análise realizada pelo consórcio, que localizou muitos em Marrocos, Arábia Saudita e México.

O documento inclui também o número do jornalista mexicano Cecilio Pineda Birto, morto a tiro algumas semanas depois de o seu nome ter surgido na lista.

Correspondentes estrangeiros de vários órgãos de comunicação social, incluindo o Wall Street Journal, CNN, France 24, Mediapart, El Pais e a agência France-Presse, também fazem parte desta lista.

Outros nomes no documento, que inclui um chefe de Estado e dois chefes de Governo europeus, deverão ser divulgados nos próximos dias.

Os jornalistas associados à investigação, batizada “Projeto Pegasus”, encontraram-se com algumas das pessoas na lista e tiveram acesso a 67 telefones, que foram submetidos a um exame técnico num laboratório da Amnistia Internacional.

A ONG confirmou a infeção ou tentativa de infeção pelo spyware do grupo NSO em 37 dispositivos, incluindo 10 na Índia, de acordo com o relatório publicado este domingo.

Dois dos telefones pertenciam a mulheres próximas do saudita Jamal Khashoggi, jornalista assassinado em 2018 no consulado do seu país, em Istambul, na Turquia, por agentes da Arábia Saudita, segundo o consórcio.

No caso dos restantes 30 aparelhos analisados, os resultados foram inconclusivos, em alguns casos porque os alvos mudaram de telefone.

Há uma forte correlação temporal entre quando os números apareceram na lista e quando foram colocados sob vigilância”, escreveu o Washington Post.

As revelações vêm juntar-se a um estudo divulgado, em dezembro de 2020, pelo Citizen Lab, um centro de pesquisa especializado em questões de ataques informáticos da Universidade de Toronto, no Canadá, que confirmou a presença do software Pegasus nos telefones de dezenas de empregados do canal Al-Jazeera, no Qatar.

A WhatsApp também reconheceu, em 2019, que alguns dos seus utilizadores na Índia tinham sido espiados pelo software.

O grupo NSO negou “fortemente” as acusações feitas na investigação, acusando-a de estar “cheia de falsas suposições e teorias não substanciadas”, escreveu a empresa no seu portal.

Em declarações ao jornal Público, um porta-voz da empresa israelita também negou estas acusações e informou que está a considerar uma ação judicial por difamação.

A NSO não é a única empresa israelita suspeita de fornecer spyware a Governos estrangeiros acusados de violar os direitos humanos, com o aval do Ministério da Defesa de Israel.

O software “DevilsTongue”, da Saito Tech Ltd, mais conhecido como Candiru, foi utilizado contra cerca de 100 políticos, dissidentes, jornalistas e ativistas, denunciaram na quinta-feira peritos da Microsoft e do Citizen Lab.

Empresas israelitas como a NICE Systems e a Verint forneceram tecnologia à polícia secreta no Uzbequistão e no Cazaquistão, bem como às forças de segurança na Colômbia, acusou a ONG Privacy International, em 2016.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Já se sabia que o jornalista Saudita assassinado na embaixada da Arabia Saudita na Turquia tinha sido apanhado com recursos a este programa (que o judeus venderam aos “amigos” muito democraticos sauditas)…
    Também foi vendido aos “amigos” dos Emirados e usado para a família do emir do Dubai para descobrir e raptar a própria filha no Reino Unido (e que nunca mais apareceu).
    A máfia israelita dá cada vez mais nas vistas…

RESPONDER

Jovens saudáveis dos 12 aos 15 anos têm que esperar por task force para vacinação

Os adolescentes saudáveis com idades entre os 12 e os 15 anos têm de esperar pela calendarização da task force para serem vacinados contra a covid-19, não se podendo vacinar nesta fase, segundo a Direção-Geral …

Tribunal decretou insolvência da Groundforce

O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa decretou esta quarta-feira a insolvência da SPdH (Groundforce), anunciou a TAP, que tinha feito um requerimento nesse sentido, no dia 10 de maio, de acordo com um comunicado. O …

"É uma questão pontual". Urgência de obstetrícia do Hospital de Setúbal encerrada por falta de médicos

A urgência de obstetrícia do Hospital de São Bernardo, em Setúbal, está encerrada desde as 09h00 desta quarta-feira, situação que se irá prolongar por 24 horas, devido à falta de médicos desta especialidade, informou à …

Mulheres checas esterilizadas ilegalmente serão indemnizadas pelo Governo

Mulheres esterilizadas sem o seu consentimento receberão uma compensação por parte do governo da República Checa, medida que deverá ser aplicada após o Presidente Milos Zeman aprovar esta semana um projeto de lei. Segundo avançou esta …

Linha de fora-de-jogo vai mudar na Premier League

Esta é uma das mudanças que vão ser implementadas, na nova temporada. Os responsáveis pela arbitragem na Premier League, aparentemente, gostaram do que viram no Europeu 2020, em relação ao vídeoárbitro: parar o jogo menos vezes, …

OMS quer adiar as doses de reforço das vacinas em países ricos por causa das desigualdades mundiais

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu esta quarta-feira uma moratória sobre as doses de reforço das vacinas contra a covid-19 para que os países pobres possam imunizar a sua população. A Organização Mundial …

Jovens saudáveis em ambientes de risco devem ser vacinados, defendem especialistas

Especialistas são contra a existência de um único critério, o das doenças pré-existentes, e defendem que deve ser criado um regime de "porta aberta" que permita a vacinação de todos os jovens entre os 12 …

Senhora da Graça vai poder ter público na Volta a Portugal

A 9.ª etapa da 82.ª edição da Volta a Portugal vai poder ter público na chegada ao Alto da Senhora da Graça, em Mondim de Basto. Segundo o Jornal de Notícias, o público vai voltar à …

Nova praia fluvial no Alqueva "nasce" na aldeia que deu nome à barragem

Uma nova praia fluvial já entrou em funcionamento no Alqueva, junto da aldeia que deu nome à barragem, no concelho de Portel, distrito de Évora, fruto de um investimento de cerca de 600 mil euros. “A …

Polícia chamada durante festejos de uma medalha de ouro

Ana Marcela Cunha, nova campeã olímpica de águas abertas, não fazia ideia do que estava a acontecer em casa da sua namorada. Angélica André ficou no 17.º lugar. Eram 6h30 da manhã no Japão quando começou …