James Comey violou regras do FBI ao divulgar documentos sobre Donald Trump

Shawn Thew / EPA

O ex-diretor do FBI, James Comey

O ex-diretor do FBI James Comey violou as regras da polícia federal dos Estados Unidos, mantendo guardados em casa vários registos de conversas com o Presidente Donald Trump, segundo um relatório oficial divulgado esta quinta-feira.

James Comey, que foi demitido de diretor do FBI em maio de 2017, tendo sido desde então uma voz crítica do Presidente Republicano, não será processado por violar os procedimentos da agência federal, mas poderá sofrer sanções administrativas, de acordo com um comunicado do Departamento de Justiça norte-americano.

O ex-diretor do FBI é acusado de ter ficado com registo das sete reuniões que teve com Donald Trump, entre janeiro e abril de 2017, à revelia do que está instituído nas regras do FBI, num ato que o Departamento de Justiça considera ser “um exemplo perigoso”.

A acusação é resultado de uma investigação do Departamento de Justiça, que tentou apurar se Comey tinha atuado de forma inapropriada, quando deu as notas a um confidente que mais tarde as passou ao jornal The New York Times.

Comey esteve ainda na origem da nomeação do promotor especial Robert Mueller – que durante dois anos investigou um alegado conluio entre a equipa de campanha de Trump e o Governo russo, nas eleições presidenciais de 2016 (o caso russo) – depois de o Presidente o ter demitido, após lhe pedir para abandonar essa investigação, de acordo com relatos da Imprensa.

Comey violou as regras do FBI e os requerimentos enquanto funcionário do FBI, ao tomar essa decisão”, concluiu o inquérito. James Comey defendeu-se dizendo que a divulgação das notas se destinou apenas a suscitar a nomeação de um procurador especial para investigar o caso russo.

Donald Trump acusou repetidamente James Comey de ser um “mentiroso” e de difundir informação falsa sobre as alegadas pressões para abandonar a investigação ao caso russo, enquanto diretor do FBI.

O ex-diretor do FBI considerou-se libertado das regras da polícia federal e manteve na sua casa cópias das reuniões com o Presidente, compartilhando-as com advogados e permitindo que algumas delas passassem para a Imprensa, de acordo com um relatório do Ministério da Justiça.

As notas fornecidas não contêm, no entanto, nenhuma informação classificada, afirmou a autoridade independente encarregada de investigar possíveis abusos em entidades dependentes do Departamento de Justiça.

“Comey tinha outras opções legais à sua disposição para defender a nomeação de um procurador especial, que era o seu objetivo”, escreve o inspetor do relatório, acusando-o de dar “um mau exemplo” a 35.000 funcionários da organização da polícia federal.

Apesar dessas críticas, James Comey usou as redes sociais para dizer que o inspetor “não encontrou evidências” de fuga de “informações classificadas”.

Não preciso de desculpas públicas por parte daqueles que me difamam, mas uma pequena mensagem a dizer ‘desculpe por mentirmos sobre você’, seria simpático”, acrescentou Comey na rede social Twitter.

A nomeação de um promotor especial mereceu forte atenção mediática e levou o Presidente Trump a dizer que estava a ser vítima de uma “caça às bruxas”, durante cerca de dois anos, dizendo sempre que estava inocente de qualquer ato de conluio com o Governo russo de Vladimir Putin.

Em abril, na divulgação do relatório sobre o caso russo, Robert Mueller explicou que não havia encontrado evidências de conluio entre Moscovo e a campanha de Trump, mas apontou vários casos de pressões presidenciais sobre a investigação.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Arguidos no processo da queda da árvore na Madeira vão a julgamento

O Tribunal da Comarca da Madeira decidiu, esta segunda-feira, após a fase de instrução, levar a julgamento os dois arguidos no caso da queda da árvore no Funchal que, em agosto de 2017, provocou a …

Ausência de máscara na via pública dá multa a pelo menos 7 pessoas por dia

Entre 28 de outubro e 16 de novembro, a GNR e a PSP aplicaram 825 coimas por incumprimento relativo ao uso de máscara, sendo que mais de 130 foram por falta dela na via pública. De …

França cria "crime de ecocídio" para punir danos graves ao ambiente

A ministra da Transição Ecológica, Barbara Pompili, e o ministro da Justiça de França, Eric Dupont-Moretti, anunciaram a criação do "crime de ecocídio", que visa prevenir e punir os danos graves ao ambiente. Ao Journal du Dimanche, explicaram …

BCE reitera que retoma económica só em 2022 (e "enfraquecida")

Para Philip Lane, economista-chefe do Banco Central Europeu, a vacina traz uma perspetiva para o final do próximo ano e para 2022, mas não para os próximos seis meses. O economista-chefe do Banco Central Europeu (BCE), …

Ventura notificado para apresentar defesa em processo por discriminação

A Comissão para a Igualdade e contra a Discriminação Racial (CICDR) notificou André Ventura para apresentar a sua defesa na sequência de alegadas declarações de carácter discriminatório em relação à etnia cigana no Facebook. A comissão …

UNICEF prepara maior operação da história para administrar dois mil milhões de vacinas

A UNICEF anunciou hoje que está a analisar a logística de transporte de cerca de dois mil milhões de vacinas contra a covid-19 para 92 países e que esta será a maior operação internacional da …

China deteta surtos em três cidades e impõe bloqueios e milhões de testes

As autoridades chinesas estão a testar milhões de pessoas, a impor bloqueios e a fechar escolas depois de vários casos do novo coronavírus transmitidos localmente terem sido diagnosticados nos últimos dias, em três cidades. À medida …

Joe Biden escolhe Antony Blinken para secretário de Estado

O Presidente-eleito escolheu Antony Blinken - um dos seus assessores mais antigos e mais próximos de Joe Biden - para o cargo de secretário de Estado, decisão que ainda terá de ser validada pelo Senado …

Portugal regista mais 74 mortes e 4044 novos casos de covid-19

Portugal regista, esta segunda-feira, mais 74 mortes e 4044 novos casos de infeção por covid-19, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 4044 novos casos, 2258 …

Ordem dos Médicos quer alargar proibição de circulação aos dias entre os feriados

O Gabinete de Crise para a covid-19 da Ordem dos Médicos está a pedir ao Governo que pondere a possibilidade de manter a proibição de circulação entre concelho nos 12 dias das duas pontes - …