43 dias para ler acusação. É “impossível prever o fim” da Operação Marquês

Manuel de Almeida / Lusa

O juiz Ivo Rosa

O juiz responsável pelo processo da Operação Marquês considera que é impossível prever o seu fim. Ivo Rosa relembra a dimensão do processo e que está a trabalhar sozinho nele.

O processo da Operação Marquês chegou às mãos de Ivo Rosa no fim de setembro do ano passado. A partir do mês de novembro, dedicou-se a tempo inteiro ao processo que visa o antigo primeiro-ministro José Sócrates. Passada a fase legal de quatro meses para terminar a instrução, a Operação Marquês continua estagnada nessa fase.

A SIC teve acesso a um memorando do juiz encarregado do caso, no qual faz um balanço do processo até ao momento. “Decorridos cinco meses desde o início da dedicação exclusiva, e dado que já se mostra ultrapassado o prazo para o encerramento da instrução, é tempo de fazer um balanço, por uma questão de lealdade processual”, começa por dizer Ivo Rosa.

Nesse mesmo memorando, o juiz admite que é “impossível prever, por agora, uma data para o encerramento da instrução”. José Sócrates e os outros 18 arguidos do caso mantêm-se, assim, em stand-by. A dimensão e complexidade do processo fazem com que Ivo Rosa não consiga precisar uma data para a finalização da fase de instrução.

O juiz diz que só para fazer a primeira leitura dos 11 volumes da acusação precisou de 43 dias de trabalho. Adicionalmente, precisou de mais 87 dias para proceder às escutas feitas. Já os interrogatórios e as inquirições a testemunhas totalizam quase 425 horas de áudio para análise.

“Somente para a audição das declarações dos arguidos e testemunhas em fase de inquérito são necessários 53 dias de trabalho a uma média de 8 horas por dia”, escreveu o magistrado no memorando. Feitas as contas, Ivo Rosa calcula que “para realizar esta tarefa será necessário, no mínimo, despender 100 dias de trabalho“.

Como o processo tem ramificações no estrangeiro, o juiz diz que tem a agravante de ter de apreciar a jurisprudência portuguesa e europeia – sem contar com qualquer apoio para este trabalho.

“Todo o trabalho está a cargo de um juiz com a colaboração de dois funcionário judiciais”, explica o responsável pela Operação Marquês.

Em sua defesa, diz que “não poderá ser rotulado como atraso processual ou, muito menos, alvo de qualquer censurabilidade, dado que a delonga processual é manifestamente impossível de ser evitada“.

Segundo apurou a SIC, José Sócrates e Carlos Santos Silva, ambos arguidos no processo, só deverão estar perante o juiz depois do verão. Isto porque Ivo Rosa ainda tem agendado um interrogatório com Zeinal Bava e uma inquirição a Teixeira dos Santos.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Proponho que o Juiz Carlos Alexandre auxilie Ivo Rosa neste processo, não vá este último desculpar-se por não ter apoio nenhum..

    • Esta do microfone avariado já é velha, HAHAHA
      É a justiça que temos e ninguém a quer mudar.
      Alguém pergunte o que aconteceu ao microfone,
      Já foi reparado?
      Já voltou a gravar?

  2. O povo já percebeu que isto vai dar em nada, desculpas e mais desculpas e o povo paga até a justiça que não funciona.
    Eu sempre tive a noção que um caso complicado é composto por muitos casos simples, resolvem-se os casos simples e no final o que era complicado ficou descomplicado.
    Mas não é assim que a justiça funciona, tem que se justificar que o crime compensa, e, de notar, não estou a fazer juízos de valores com excepção do sistema judicial, não sei se alguém é ou não culpado, mas acho que já era tempo de se concluir a “investigação” e se apresentar provas concretas.
    Grande país este…

RESPONDER

Quinta do Lazareto rende 13 milhões à Sonangol

A alienação da Quinta do Lazareto, um dos ativos imobiliários que a Sonangol pôs à venda em Portugal, rendeu à petrolífera angolana 13 milhões de euros, 45% acima da expetativa inicial, segundo uma administradora da …

Professores exigem negociações sobre progressão da carreira e ameaçam avançar para tribunal

Cerca de 50 professores concentraram-se esta quinta-feira em Bragança, onde decorre o primeiro Conselho de Ministros descentralizado, para exigir a abertura das negociações com a tutela, avisando que, se o Governo não o fizer, a …

Governo dá mais dias de férias a funcionários que se mudem para o interior

O Governo aprova esta quinta-feira em Conselho de Ministros um regime de incentivos para os funcionários da Administração Pública que decidam ir trabalhar para o interior, com ajudas de custo ou compensações financeiras e mais …

Autarquias têm mais um ano para preparar descentralização

O Governo decidiu dar mais tempo às autarquias para estas se prepararem para a descentralização. O prazo passa para o primeiro trimestre de 2022. Segundo avançou o Jornal de Notícias, citado pelo ECO, após críticas aos …

Sá Fernandes ponderou sair do Livre (e apoia eventual candidatura de Ana Gomes a Belém)

Na sua primeira grande entrevista após o caso Joacine, Ricardo Sá Fernandes, dirigente do Livre, revelou ao Observador que ponderou sair do partido e admitiu apoiar uma possível candidatura da ex-eurodeputada socialista Ana Gomes às …

Medina diz desconhecer caso do alegado falso engenheiro

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, disse esta quarta-feira que não ter informação sobre o alegado falso engenheiro da empresa Tanagra, com quem a autarquia celebrou vários contratos para obras públicas. A TVI noticiou …

Parlamento debate fim das comissões bancárias no MB Way e nas prestações da casa

O Parlamento debate esta quinta-feira projetos do BE, do PCP, do PS, do PAN e do PSD sobre limitação e proibição de comissões bancárias, tendo os bloquistas, que agendaram esta discussão, expectativa de que os …

Castração química. Bloco de Esquerda é contra veto a projeto de lei do Chega (e explica porquê)

A Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias considerou que o projeto de lei do Chega "não preenche os requisitos do ponto de vista constitucional". O Bloco de Esquerda votou contra e explicou …

Estado pode deixar de ganhar dinheiro com empréstimo ao Novo Banco

Atualmente, o Fundo de Resolução paga juros de 2% e 1,38% pelos empréstimos contraídos junto do Estado para financiar as medidas de resolução do BES e do Banif, respetivamente. Porém, esse valor pode descer para …

Equipa de campanha de Trump processa The New York Times por difamação

A equipa de campanha de Donald Trump processou o The New York Times. Em causa está um artigo publicado em março do ano passado. A equipa de campanha de Donald Trump alega que o jornal publicou, …