Itália dá passo atrás: país inicia hoje novo confinamento. Inglaterra quer compensar o tempo perdido

No mesmo dia em que Portugal vai dar início a um novo desconfinamento, Itália volta a um novo confinamento. Já Inglaterra quer compensar o tempo de aprendizagem perdido.

As novas restrições em algumas das maiores regiões de Itália começam hoje e vão manter-se até início de abril. São mais uma tentativa para travar os avanços do novo coronavírus.

A partir de hoje o país fica dividido por cores. Nos casos das regiões estarem marcadas a vermelho ou a cor-de-laranja, a população só pode sair de casa para trabalhar ou por questões de saúde. Também todas as lojas não essenciais ficam encerradas e o setor da restauração limitado a entregas ao domicílio ou a take-away, por exemplo.

A soma de mais de 250 novas infeções por 100 mil habitantes numa semana dita a entrada imediata em isolamento. Durante a Páscoa, todo o país vai estar pintado a vermelho, ficando em confinamento nacional de 3 a 5 de abril.

A taxa de transmissão atual ronda 1,6. Itália totaliza 3.149.017 infeções confirmadas e 101.184 mortes, o sexto número mais elevado do mundo.

Inglaterra quer compensar aprendizagem perdida

Inglaterra chamou a atenção por causa de uma ideia avançada há cerca de uma semana pelo ministro da Educação, Gavin Williamson, que declarou que estavam a ser consideradas medidas para que os alunos pudessem compensar a aprendizagem perdida.

O objetivo é acrescentar mais horas de aulas por dia, férias mais curtas ou um ano letivo com cinco períodos.

Para já, ainda não foi tomada nenhuma decisão em relação às medidas, que Williamson disse que a crise provocada pelo coronavírus até poderia ser um catalisador de mudanças, “um pouco como a reforma de 1944 a seguir à II Guerra Mundial”, para “melhorar as oportunidades para os mais jovens”.

No entanto, as declarações provocaram algum ceticismo, avança o Público.

Amanda Spielman, responsável do organismo de supervisão das escolas Ofsted, referiu ao The Guardian que quaisquer alterações deviam ser suportadas por dados, e ter o apoio dos pais. “Penso que deveríamos saber por que é que não foram um sucesso no passado antes de decidir aplicar esta solução“, defendeu.

Enquanto isso, as escolas foram levando a cabo as operações de testagem na semana passada, mas foram surgindo alguns problemas.

Mary Bousted, secretária-geral do Sindicato Nacional de Educação (NEU) disse que não estava a ser fácil obter consentimento dos pais para os testes dos alunos.

Enquanto Inglaterra volta às aulas, o País de Gales, a Escócia e a Irlanda do Norte têm os seus próprios calendários.

Polícia holandesa dispersa pessoas em protesto

A polícia de Haia, nos Países Baixos, dispersou centenas de manifestantes este domingo, véspera de eleições gerais, contra o Governo e as medidas restritivas para conter a propagação de covid-19.

A polícia de Haia, sede do Governo dos Países Baixos, informou, através da rede social Twitter, que destacou agentes de intervenção para interromper o protesto, que usaram um canhão de água e agentes a cavalo, depois de centenas de pessoas terem desobedecido aos repetidos apelos para que voltassem para casa.

Segundo a agência Associated Press (AP), a polícia deteve um homem por atacar um agente com um bastão, bem como um número ainda desconhecido de outros manifestantes.

Antes de a polícia terminar o protesto, várias pessoas erguiam uma faixa com o texto “Amor e Liberdade: Sem Ditadura”, enquanto outros seguravam guarda-chuvas amarelos, tal como aconteceu em outros protestos contra o confinamento que decorreram nas últimas semanas.

Nas últimas semanas, ocorreram manifestações com menos participantes na capital do país, Amesterdão, com a polícia de intervenção a ser repetidamente chamada para afastar manifestantes que se recusavam a dispersar.

Apoiantes de Bolsonaro protestam contra restrições

Apoiantes do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, protestaram este domingo nas principais cidades do país, como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte, contra as medidas restritivas impostas pelos governos regionais para travar a pandemia.

As manifestações foram convocadas nas redes sociais pelos apoiantes de Bolsonaro e a que concentrou mais pessoas teve lugar em São Paulo, a maior cidade do país, que reuniu cerca de mil pessoas e uma grande caravana de veículos.

Os participantes, na sua maioria vestindo as cores da bandeira do Brasil e sem máscaras, protestaram contra as medidas de distanciamento social que têm sido aplicadas pelos diferentes governos regionais e municipais para tentar travar a propagação da covid-19, numa altura em que o Brasil vive o pior momento da pandemia.

Os governos regionais de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, entre outros, impuseram nos últimos dias medidas como obrigação de recolher noturno, proibição de eventos com aglomerações e encerramento de comércio, numa altura em que os hospitais estão à beira do colapso por falta de unidades de cuidados intensivos.

Maduro decreta cerca sanitária em Caracas

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, decretou esta segunda-feira uma cerca sanitária em Caracas e no estado de Bolívar, que entra em vigor na próxima semana.

A cerca sanitária visa travar a propagação da covid-19, o que implica, entre outras coisas, que seja declarado o estado de emergência e que sejam criadas “novas capacidades hospitalares”.

“Vamos declarar uma cerca sanitária e uma flexibilização limitada e parcial na região da capital e no estado de Bolívar”, disse Maduro durante um evento em que mencionou que em Caracas e nos arredores foi registado um aumento de casos justificando esse maior número de infeções com a entrada no país da variante brasileira do coronavírus.

O estado sulista de Bolívar, que faz fronteira com o Brasil, é outro dos estados onde a nova variante foi detetada, tendo sido já decidido criar um hospital de campanha que chegará na segunda-feira à região para dar resposta a este aumento de casos de infeções com o coronavírus, explicou o presidente da Venezuela.

  Ana Isabel Moura, ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

Mais de 30 mil mulheres polacas recorreram a métodos de aborto ilegais ou no estrangeiro desde a alteração na lei

Proibição à interrupção voluntária da gravidez entrou em vigor no início deste ano e as  exceções só se aplicam a casos de violações, incestos ou quando a saúde da mãe está em risco. Pelo menos 34 …

Fenprof anuncia nova greve no dia 12 e concentração em frente ao Parlamento

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) anunciou, esta sexta-feira, a realização de uma concentração em frente à Assembleia da República no dia 5 de novembro e a adesão à greve nacional da Administração Pública marcada …

Luis Díaz será a prioridade do Newcastle

Valor de mercado será agora inacessível para os clubes italianos, escreve-se... em Itália. O novo Newcastle deverá atacar o mercado do futebol com estrondo, possivelmente já daqui a pouco mais de dois meses, e a prioridade …

Rui Rio, presidente do PSD

Rio apresenta recandidatura. "Seria muito prejudicial para o país se o PSD mudasse agora de líder"

O presidente do PSD apresentou, esta sexta-feira, na cidade do Porto, a sua recandidatura à liderança, tendo considerado que "seria muito prejudicial", não só para o país como para o partido, mudar agora de líder. Rui …

"Conquistem a vaga no relvado": aviso à UEFA sobre a nova Liga dos Campeões

Associação das Ligas Europeias contra vagas garantidas para clubes que não terminarem o campeonato nacional num dos primeiros lugares. A reunião da Associação das Ligas Europeias de futebol terminou com o reforço de posições públicas contra …

Bloco diz que as suas nove propostas foram rejeitadas. Governo aponta avanços em sete

O Bloco considerou, esta sexta-feira, que o Governo recusou as suas nove propostas para chegar a acordo no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). O Executivo, por sua vez, considera que há avanços negociais em …

Comissão de inquérito ao Novo Banco. PSD frisa "maioria popular", PS queixa-se de "partidarite"

Os partidos apreciaram, esta sexta-feira, o relatório final da comissão de inquérito ao Novo Banco, aprovado em julho, com o PSD a destacar a "maioria popular" nas conclusões e o PS a criticar a "partidarite" …

"Falta de respeito". Patrões abandonam Concertação Social e pedem audiência a Marcelo

As quatro confederações patronais suspenderam, esta sexta-feira, a sua participação nas reuniões da Concertação Social e decidiram solicitar uma audiência ao Presidente da República, perante a "desconsideração do Governo pelos parceiros sociais" na discussão sobre …

Parlamento aprova diplomas para alargar gratuitidade das creches e "direito ao esquecimento"

O Parlamento aprovou, esta sexta-feira, um projeto-lei para o alargamento da gratuitidade das creches e de soluções equiparadas e ainda um diploma que consagra o "direito ao esquecimento". A Assembleia da República aprovou um projeto-lei do …

Costa está muito empenhado num acordo pelo OE, mas não "a qualquer preço"

O primeiro-ministro disse, esta sexta-feira, que o Governo vai fazer tudo ao seu alcance para chegar a um acordo sobre o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), mas advertiu que "um acordo não se obtém …