“Foi um erro.” Ministra israelita critica atuação de Madonna na Eurovisão

Orit Pnini / Israeli Broadcasting Union / EPA

Miri Regev, ministra da Cultura israelita, classificou como “um erro” a presença da bandeira palestiniana nas costas de bailarinos durante a atuação de Madonna na final do Festival Eurovisão.

A ministra da Cultura israelita, Miri Regev, classificou este domingo como “um erro” a presença da bandeira palestiniana nas costas de bailarinos durante a atuação de Madonna na final do Festival Eurovisão da Canção. “Foi um erro, não podemos misturar a política com um evento cultural, com todo o respeito que devo a Madonna”, disse Regev antes do conselho de ministros semanal.

Questionada pelos jornalistas, a ministra, que não assistiu à final do festival no sábado à noite, em Telavive, criticou o organismo de difusão israelita Kan por ter falhado a missão de impedir as bandeiras de aparecerem no ecrã.

A cantora norte-americana Madonna levou o conflito israelo-palestiniano para o palco da final do 64.º Festival Eurovisão da Canção, terminando a actuação com a expressão “Wake Up” (Acordem, em português) projectada em ecrãs. Madonna subiu ao palco da final do concurso depois da atuação dos 26 concorrentes.

A cantora tinha recebido vários apelos para boicotar o concurso, mas acabou por aproveitar a atuação para tomar uma posição, terminando-a com dois bailarinos que usavam bandeiras de Israel e da Palestina nas costas a caminharem abraçados.

A rainha da pop pediu a todos os que a ouviam que “nunca subestimem o poder da música para juntar as pessoas”, e citou “uma grande canção”, da sua autoria, “Music”, na qual canta music makes the people come together [a música faz as pessoas unirem-se, em português].

No momento do anúncio dos resultados, membros do grupo islandês Hatari, conhecido pela sua oposição declarada à ocupação israelita dos territórios palestinianos, exibiram tarjas com as cores palestinianas, provocando assobios do público. A Kan, uma difusora israelita, produziu o concurso da Eurovisão juntamente com a União Europeia de Radiotelevisão.

A Holanda venceu no sábado, pela quinta vez, o Festival Eurovisão da Canção, com o tema “Arcade”, interpretado por Duncan Laurence, que era o favorito à vitória de acordo com a média de várias casas de apostas.

Israel acolheu o Festival Eurovisão da Canção, depois de o ter vencido, pela quarta vez, no ano passado, em Lisboa, com o tema “Toy”, interpretado por Netta. O movimento de boicote cultural a Israel instou os artistas a boicotarem o concurso.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Um erro?
    Bem, os judeus foram massacrados pelos nazis e agora massacram os palestinianos roubando-lhes território e matando a população.
    Não são muito diferentes dos nazis…
    Um erro é não quererem caminhar no sentido da paz!

    • Eles não masscram, só mandam umas bombas contra escolas, só matam crianças em frente aos pais, a faixa de gaza é só o território do mundo com maior densidade populacional e já agora com o menos pib per capita do mundo. Eles tratam os palestinianos com muito amor e carinho.

    • Até a bailarina da Madonna que usou a bandeira em palco, parte da encenação foi interrogada durante 8 horas no aeroporto só por ter usado a bandeira durante 30 segundos. O bailarino que usou a bandeira de Israel não teve interrogatório. Se Israel fosse uma democracia isto não acontecia, nem a ministra mostrava que afinal a censura política da Eurovisão partia da parte do Governo. Sempre a arte e cultura serviram para passar mensagens ocultas que eram proibidas ou censuradas. Aqui foi um apelo à paz, não uma mensagem política, mas a ministra Israelita não sabe distinguir, para ela é tudo igual (e a sua instrução cultural e sobre a artista em questão é desde já igualmente questinonável pois a Madonna até já lançou uma granada ao George Bush num vídeo em 2003, no tempo da guerra do Iraque e ganhou este ano o prémio máximo da GLAAD por trabalho “político” nos últimos 30 anos – prémio esse apenas até hoje também atribuído ao ex-presidente Bill Clinton ).

  2. Um erro foi a ministra pronunciar-se sobre o assunto desta maneira. Só demonstrou que afinal a censura “política” no festival era afinal censura do governo de Israel. E o que a Madonna fez foi um apelo à paz com um bailarino com a bandareira de Israel se abraça a uma bailarina com a bandeira da palestina. Não era preciso terem parado a moça montes de horas no aeroporto com interrogatório devido à bandeira. Até isso foi de mau gosto e demonstrou falta de bom senso e boa fé do Governo de Israel. A Madonna fez muito bem em colocar a bandeira da Palestina no palco e de vos provocar para fazerem má figura e mostrarem ao mundo as vossas verdadeiras cores.

RESPONDER

Caso do bebé sem rosto. Médico suspenso não viu que menina tinha duas vaginas, um rim e espinha bífida

O Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos suspendeu preventivamente o obstetra envolvido no caso do bebé que nasceu, em Setúbal, com malformações graves. Entretanto, surgem novos dados sobre suspeitas atribuídas ao médico noutros …

Rede de imigração ilegal no SEF. Denúncias de corrupção eram antigas, mas ficaram na gaveta

A inspectora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que foi detida nesta semana, por pertencer alegadamente a uma rede de imigração ilegal, já tinha sido identificada num inquérito interno desta entidade, devido às mesmas …

Bancos querem passar a cobrar por grandes depósitos. Particulares escapam

BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos defendem que é preciso cobrar aos grandes clientes por depósitos de grande dimensão. Particulares e pequenas e médias empresas escapariam desta medida. A ideia foi lançada pelo …

Filho de Bolsonaro já não vai ser embaixador em Washington

O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente do Brasil, anunciou na terça-feira, na Câmara dos Deputados, que desistiu da sua indicação para embaixador do país em Washington, nos Estados Unidos (EUA). Na véspera, Jair Bolsonaro, que …

OE2020. Catarina Martins critica chantagem da Comissão Europeia a cada ano

A coordenadora do Bloco de Esquerda criticou esta terça-feira a chantagem da Comissão Europeia em relação a Portugal repetida a cada legislatura e a cada ano, reiterando a disponibilidade "para negociar um Orçamento do Estado …

Maior parte das escolas não cumprem lei de 2009 sobre a educação sexual

Grande parte das escolas não está a cumprir a lei de 2009 que define como deve ser dada a educação sexual no ensino obrigatório, do 1.º ao 12.º ano de escolaridade. A conclusão surge num relatório …

Pouco poder, mas algum. Deputados únicos podem desencadear revisão da Constituição

Os deputados únicos não têm poder para pedir a votação do programa de Governo, ao contrário dos grupos parlamentares, nem podem sozinhos censurar o Executivo, mas podem desencadear, como qualquer parlamentar, um processo de revisão …

Funcionários públicos esperam entre 100 e 280 dias para se poderem reformar. Processo pode ser acompanhado online

A atribuição das novas pensões de reforma aos funcionários públicos está a demorar, em média, entre 100 a 280 dias - ou seja, entre três e mais de nove meses. A revelação foi feita esta terça-feira, …

"Onde está o Varandas?". Claques não faltaram à vitória do Sporting em hóquei em patins

Apesar das quebras de protocolos, Juventude Leonina e Diretivo Ultras XXI marcaram presença no jogo desta terça-feira de hóquei em patins entre o Sporting e a Oliveirense. Na noite desta terça-feira, o Pavilhão João Rocha foi …

Do azedume às contas do passado. Críticos internos atacam Rio

Depois de Rui Rio ter anunciado esta segunda-feira que se recandidata à liderança do PSD, os críticos internos vieram a público. Acusam-no de querer dividir o partido e ajustar contas com o passado e esperam …