“Foi um erro.” Ministra israelita critica atuação de Madonna na Eurovisão

Orit Pnini / Israeli Broadcasting Union / EPA

Miri Regev, ministra da Cultura israelita, classificou como “um erro” a presença da bandeira palestiniana nas costas de bailarinos durante a atuação de Madonna na final do Festival Eurovisão.

A ministra da Cultura israelita, Miri Regev, classificou este domingo como “um erro” a presença da bandeira palestiniana nas costas de bailarinos durante a atuação de Madonna na final do Festival Eurovisão da Canção. “Foi um erro, não podemos misturar a política com um evento cultural, com todo o respeito que devo a Madonna”, disse Regev antes do conselho de ministros semanal.

Questionada pelos jornalistas, a ministra, que não assistiu à final do festival no sábado à noite, em Telavive, criticou o organismo de difusão israelita Kan por ter falhado a missão de impedir as bandeiras de aparecerem no ecrã.

A cantora norte-americana Madonna levou o conflito israelo-palestiniano para o palco da final do 64.º Festival Eurovisão da Canção, terminando a actuação com a expressão “Wake Up” (Acordem, em português) projectada em ecrãs. Madonna subiu ao palco da final do concurso depois da atuação dos 26 concorrentes.

A cantora tinha recebido vários apelos para boicotar o concurso, mas acabou por aproveitar a atuação para tomar uma posição, terminando-a com dois bailarinos que usavam bandeiras de Israel e da Palestina nas costas a caminharem abraçados.

A rainha da pop pediu a todos os que a ouviam que “nunca subestimem o poder da música para juntar as pessoas”, e citou “uma grande canção”, da sua autoria, “Music”, na qual canta music makes the people come together [a música faz as pessoas unirem-se, em português].

No momento do anúncio dos resultados, membros do grupo islandês Hatari, conhecido pela sua oposição declarada à ocupação israelita dos territórios palestinianos, exibiram tarjas com as cores palestinianas, provocando assobios do público. A Kan, uma difusora israelita, produziu o concurso da Eurovisão juntamente com a União Europeia de Radiotelevisão.

A Holanda venceu no sábado, pela quinta vez, o Festival Eurovisão da Canção, com o tema “Arcade”, interpretado por Duncan Laurence, que era o favorito à vitória de acordo com a média de várias casas de apostas.

Israel acolheu o Festival Eurovisão da Canção, depois de o ter vencido, pela quarta vez, no ano passado, em Lisboa, com o tema “Toy”, interpretado por Netta. O movimento de boicote cultural a Israel instou os artistas a boicotarem o concurso.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Um erro?
    Bem, os judeus foram massacrados pelos nazis e agora massacram os palestinianos roubando-lhes território e matando a população.
    Não são muito diferentes dos nazis…
    Um erro é não quererem caminhar no sentido da paz!

    • Eles não masscram, só mandam umas bombas contra escolas, só matam crianças em frente aos pais, a faixa de gaza é só o território do mundo com maior densidade populacional e já agora com o menos pib per capita do mundo. Eles tratam os palestinianos com muito amor e carinho.

    • Até a bailarina da Madonna que usou a bandeira em palco, parte da encenação foi interrogada durante 8 horas no aeroporto só por ter usado a bandeira durante 30 segundos. O bailarino que usou a bandeira de Israel não teve interrogatório. Se Israel fosse uma democracia isto não acontecia, nem a ministra mostrava que afinal a censura política da Eurovisão partia da parte do Governo. Sempre a arte e cultura serviram para passar mensagens ocultas que eram proibidas ou censuradas. Aqui foi um apelo à paz, não uma mensagem política, mas a ministra Israelita não sabe distinguir, para ela é tudo igual (e a sua instrução cultural e sobre a artista em questão é desde já igualmente questinonável pois a Madonna até já lançou uma granada ao George Bush num vídeo em 2003, no tempo da guerra do Iraque e ganhou este ano o prémio máximo da GLAAD por trabalho “político” nos últimos 30 anos – prémio esse apenas até hoje também atribuído ao ex-presidente Bill Clinton ).

  2. Um erro foi a ministra pronunciar-se sobre o assunto desta maneira. Só demonstrou que afinal a censura “política” no festival era afinal censura do governo de Israel. E o que a Madonna fez foi um apelo à paz com um bailarino com a bandareira de Israel se abraça a uma bailarina com a bandeira da palestina. Não era preciso terem parado a moça montes de horas no aeroporto com interrogatório devido à bandeira. Até isso foi de mau gosto e demonstrou falta de bom senso e boa fé do Governo de Israel. A Madonna fez muito bem em colocar a bandeira da Palestina no palco e de vos provocar para fazerem má figura e mostrarem ao mundo as vossas verdadeiras cores.

RESPONDER

200 milhões de euros. Mais de seis mil investidores compraram obrigações da TAP

Mais de seis mil investidores subscreveram as obrigações da TAP, uma operação no valor de 200 milhões de euros, em que a procura superou a oferta em 1,55 vezes. No segmento geral a procura atingiu 162,5 …

Piloto do avião desaparecido da Malaysia Airlines terá cortado o oxigénio

Já lá vão mais de cinco anos desde o desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines, que continua um mistério até hoje. Agora, acredita-se que o piloto terá cortado o oxigénio no avião. A noite de …

Sergio Moro diz que sai do Governo caso se provem irregularidades

O ministro da Justiça brasileiro reiterou a sua inocência no Senado, esta quarta-feira, mas afirmou que deixa o cargo caso se provem irregularidades nas mensagens trocadas com procuradores da Operação Lava Jato. "Estou absolutamente convicto das …

Nuvens brilhantes invadiram o céu de Espanha. Foi um "espetáculo quase inédito"

Este fim de semana, as nuvens noctilucentes (que em latim significa “brilho noturno”) ou nuvens mesosféricas polares foram vistas em Espanha. Surgem antes do amanhecer ou depois do pôr do sol, a sua cor varia normalmente …

Luís Enrique deixa comando da seleção espanhola (e já tem substituto)

Luis Enrique foi obrigado a abandonar o cargo de selecionador espanhol devido a um problema familiar que se arrasta desde março. “As razões que me impediram, desde março, de exercer normalmente as minhas funções de treinador …

Urso polar localizado em cidade russa longe do habitat natural

Um urso polar emagrecido foi visto numa cidade industrial da Sibéria, afastado para sul dos seus territórios de caça. As entidades de emergência da cidade de Norilsk, no Ártico Russo, alertaram na terça-feira os residentes locais …

Teixeira dos Santos não se arrepende de ter nomeado Vara e Santos Ferreira

O ex-ministro das Finanças disse, esta quarta-feira, no Parlamento que não tem "razões para se arrepender" de ter nomeado Armando Vara e Carlos Santos Ferreira para a administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD). "Até este …

Rio disponível para acordo com PS na Lei de Bases da Saúde

O presidente do PSD considera haver margem para um acordo com o PS para uma nova Lei de Bases da Saúde, estando os sociais-democratas a identificar as propostas que considera essenciais, nas quais inclui as …

Boris Johnson soma e segue. Rory Stewart eliminado

O ministro para o Desenvolvimento Internacional, foi eliminado, esta quarta-feira, da eleição interna para a sucessão de Theresa May no partido conservador e para assumir o cargo de primeiro-ministro britânico, restando assim quatro dos dez …

Homem detido por suspeitas de envolvimento na morte de Emiliano Sala

Um homem de 64 anos, de North Yorkshire, no Reino Unido, foi detido esta quarta-feira por alegado envolvimento na morte do futebolista Emiliano Sala. A polícia de Dorset anunciou, esta tarde, a detenção de um homem …