“Foi um erro.” Ministra israelita critica atuação de Madonna na Eurovisão

Orit Pnini / Israeli Broadcasting Union / EPA

Miri Regev, ministra da Cultura israelita, classificou como “um erro” a presença da bandeira palestiniana nas costas de bailarinos durante a atuação de Madonna na final do Festival Eurovisão.

A ministra da Cultura israelita, Miri Regev, classificou este domingo como “um erro” a presença da bandeira palestiniana nas costas de bailarinos durante a atuação de Madonna na final do Festival Eurovisão da Canção. “Foi um erro, não podemos misturar a política com um evento cultural, com todo o respeito que devo a Madonna”, disse Regev antes do conselho de ministros semanal.

Questionada pelos jornalistas, a ministra, que não assistiu à final do festival no sábado à noite, em Telavive, criticou o organismo de difusão israelita Kan por ter falhado a missão de impedir as bandeiras de aparecerem no ecrã.

A cantora norte-americana Madonna levou o conflito israelo-palestiniano para o palco da final do 64.º Festival Eurovisão da Canção, terminando a actuação com a expressão “Wake Up” (Acordem, em português) projectada em ecrãs. Madonna subiu ao palco da final do concurso depois da atuação dos 26 concorrentes.

A cantora tinha recebido vários apelos para boicotar o concurso, mas acabou por aproveitar a atuação para tomar uma posição, terminando-a com dois bailarinos que usavam bandeiras de Israel e da Palestina nas costas a caminharem abraçados.

A rainha da pop pediu a todos os que a ouviam que “nunca subestimem o poder da música para juntar as pessoas”, e citou “uma grande canção”, da sua autoria, “Music”, na qual canta music makes the people come together [a música faz as pessoas unirem-se, em português].

No momento do anúncio dos resultados, membros do grupo islandês Hatari, conhecido pela sua oposição declarada à ocupação israelita dos territórios palestinianos, exibiram tarjas com as cores palestinianas, provocando assobios do público. A Kan, uma difusora israelita, produziu o concurso da Eurovisão juntamente com a União Europeia de Radiotelevisão.

A Holanda venceu no sábado, pela quinta vez, o Festival Eurovisão da Canção, com o tema “Arcade”, interpretado por Duncan Laurence, que era o favorito à vitória de acordo com a média de várias casas de apostas.

Israel acolheu o Festival Eurovisão da Canção, depois de o ter vencido, pela quarta vez, no ano passado, em Lisboa, com o tema “Toy”, interpretado por Netta. O movimento de boicote cultural a Israel instou os artistas a boicotarem o concurso.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Um erro?
    Bem, os judeus foram massacrados pelos nazis e agora massacram os palestinianos roubando-lhes território e matando a população.
    Não são muito diferentes dos nazis…
    Um erro é não quererem caminhar no sentido da paz!

    • Eles não masscram, só mandam umas bombas contra escolas, só matam crianças em frente aos pais, a faixa de gaza é só o território do mundo com maior densidade populacional e já agora com o menos pib per capita do mundo. Eles tratam os palestinianos com muito amor e carinho.

    • Até a bailarina da Madonna que usou a bandeira em palco, parte da encenação foi interrogada durante 8 horas no aeroporto só por ter usado a bandeira durante 30 segundos. O bailarino que usou a bandeira de Israel não teve interrogatório. Se Israel fosse uma democracia isto não acontecia, nem a ministra mostrava que afinal a censura política da Eurovisão partia da parte do Governo. Sempre a arte e cultura serviram para passar mensagens ocultas que eram proibidas ou censuradas. Aqui foi um apelo à paz, não uma mensagem política, mas a ministra Israelita não sabe distinguir, para ela é tudo igual (e a sua instrução cultural e sobre a artista em questão é desde já igualmente questinonável pois a Madonna até já lançou uma granada ao George Bush num vídeo em 2003, no tempo da guerra do Iraque e ganhou este ano o prémio máximo da GLAAD por trabalho “político” nos últimos 30 anos – prémio esse apenas até hoje também atribuído ao ex-presidente Bill Clinton ).

  2. Um erro foi a ministra pronunciar-se sobre o assunto desta maneira. Só demonstrou que afinal a censura “política” no festival era afinal censura do governo de Israel. E o que a Madonna fez foi um apelo à paz com um bailarino com a bandareira de Israel se abraça a uma bailarina com a bandeira da palestina. Não era preciso terem parado a moça montes de horas no aeroporto com interrogatório devido à bandeira. Até isso foi de mau gosto e demonstrou falta de bom senso e boa fé do Governo de Israel. A Madonna fez muito bem em colocar a bandeira da Palestina no palco e de vos provocar para fazerem má figura e mostrarem ao mundo as vossas verdadeiras cores.

RESPONDER

Idosos em lares infetados vão mudar-se (e podem ir para outros concelhos)

Na sequência do aumento de números de casos confirmados de covid- 19 nos lares, o Governo pretende “encontrar equipamentos alternativos” para alojar idosos, em isolamento profilático e que não precisem de tratamento hospitalar, dentro ou …

Apesar da pandemia, juiz Carlos Alexandre marca sessões do caso Tancos para abril

O juiz Carlos Alexandre marcou o interrogatório do principal arguido do processo relativo ao furto das armas de Tancos, João Paulino, para dia 21 de abril. De acordo com um despacho datado de 1 abril, citado …

Conceição pode estar de saída. FC Porto oferece 5 milhões por ano a Jesus

O treinador portista, Sérgio Conceição, pode estar de saída para a Alemanha. Como alternativa, o FC Porto está disposto a pagar 5 milhões de euros por ano a Jorge Jesus. Sérgio Conceição pode estar de saída …

Estado paga subsídio de refeição em teletrabalho. No privado, os patrões estão confusos

Mesmo à distância, os funcionários públicos mantêm o direito ao subsídio de refeição. No privado, a confusão mantém-se e os patrões estão divididos. De acordo com o secretário-geral da UGT, alguns patrões do privado estão a …

UEFA não quer campeonatos a seguir o exemplo belga

A UEFA reprovou a decisão da Liga de futebol da Bélgica que, esta quinta-feira, recomendou que se dê por terminada a época e se atribua o título ao Club Brugge.  Numa carta conjunta com a Associação de Clubes …

Boris Johnson em cheque. Desta vez, por causa da quantidade ínfima de testes

A pandemia de covid-19 está a ser um calvário político para Boris Johnson. O primeiro-ministro britânico tem sido alvo de várias críticas, sendo que a última tem a ver com a quantidade ínfima de testes …

EUA com pior recorde mundial diário de mortes. 10 milhões perderam o emprego

Os Estados Unidos registaram, esta quinta-feira, 1169 mortes em 24 horas causadas pela covid-19, o pior recorde mundial diário, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins. O número recorde de mortes em 24 horas …

Real Madrid sonda Maximiano. Sporting quer blindá-lo com cláusula de 60 milhões

O Real Madrid está atento a Luís Maximiano, o guarda-redes de 21 anos do Sporting. Os 'leões' querem blindar o jogador com uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros. O Real Madrid está interessado …

Lares britânicos recomendam idosos a assinar cláusula de "não-reanimação"

Lares britânicos recomendaram aos mais velhos que assinassem uma cláusula de "não-reanimação" para que as camas dos hospitais não fossem ocupadas por pessoas com uma menor probabilidade de sobreviver. No Reino Unido, surgem denúncias de que …

Costa admite segunda onda de covid-19. E dá 4 de maio como limite para normalizar ensino

Esta sexta-feira, em entrevista à Rádio Renascença, o primeiro-ministro disse que não é altura de se "baixar a guarda" e assegurou que a decisão mais difícil é a da reabertura das escolas. Para vencer esta batalha …