//

Iraniana condenada a 20 anos de prisão por tirar o véu

9

Shaparak Shayarizadeh, uma das mulheres detidas no Irão por tirar o véu de uso obrigatório em público, denunciou que foi condenada a 20 anos de prisão, 18 deles de pena suspensa, embora ainda não haja confirmação oficial.

“Deram-me a sentença: 20 anos. 20 anos por protestar contra uma lei injusta, pela minha desobediência civil e por tirar o véu em público”, afirmou num publicado nesta segunda-feira no seu Instagram.

Até o momento, o poder judicial iraniano não se pronunciou sobre o caso, nem sobre a condenação anunciada pela mulher. Shaparak Shayarizadeh foi libertada após o pagamento da fiança no final de fevereiro, depois de passar mais de um mês detida.

Sem véu e à beira das lágrimas, Shayarizadeh explicou no vídeo que a condenação estipula “dois anos de prisão e 18 anos de prisão de pena suspensa”. “Eu devo viver durante 18 anos quieta, e, além disso, o procurador queria uma pena de prisão mais dura“, denunciou a mulher.

Shayarizadeh foi detida em janeiro nos protestos contra o uso obrigatório do véu no Irão, onde algumas mulheres se manifestarame na avenida Engelab, no Teerão, e penduraram o hijab num poste. Dezenas de mulheres foram detidas entre dezembro e fevereiro devido a este protesto, denominado “as meninas da rua Engelab”.

A advogada de Shayarizadeh é Nasrin Sotudeh, famosa na defesa dos direitos humanos, que foi presa em 13 de junho por acusações que ainda não foram divulgadas. Devido à situação da sua advogada, Shayarizadeh conheceu a sua sentença com atraso.

O uso obrigatório do véu foi imposto às mulheres no Irão após o triunfo da Revolução Islâmica.

  ZAP // EFE

9 Comments

  1. Vivemos no século (XXI)de grande mudanças sociais, tecnologias e de tradições … é normal respeitar costumes ou tradições, é possível a nossa liberdade pessoal como, manter o direito à escolha da identidade… o véu um simbolo do islamismo como outras religiões…

  2. Aqui na Europa devia ser proibido o uso do véu, até porque é um perigo para a segurança pública. Nunca se sabe se um bandido se lembra de se mascarar de mulher com burca só para fazer problemas (roubar um banco ou uma estação de gasolina por exemplo e escapar às câmaras)

  3. Os iranianos e outros da sua religião ou parecida certamente ainda não aprenderam a apreciar mulheres, será uma questão de atraso cultural!.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.