IPSS João de Deus gastou milhares em marcas de luxo (mas quer manter apoios do Estado)

Joehawkins / Wikimedia

O Jardim Escola João de Deus nas Alhadas de Baixo, Figueira da Foz

A Associação de Jardins-Escolas João de Deus (AJEJD) admite vir a encerrar alguns dos estabelecimentos de ensino da IPSS se o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social não lhe conceder um estatuto de exceção que lhe permita manter os apoios que recebia para as creches e jardins de infância.

António Ponces de Carvalho, diretor da Associação de Jardins-Escolas João de Deus (AJEJD), admite vir a encerrar alguns dos estabelecimentos de ensino da instituição particular de solidariedade social (IPSS) se o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social não lhe conceder um estatuto de excepção que lhe permita manter os apoios que recebia para as creches e jardins de infância.

Esta ameaça surge no mesmo dia em que a AJEJD é confrontada com várias polémicas, desde denúncias de pressões a professores, descontentamento de pais e suspeitas de irregularidades na instituição. O diretor da associação nega todas as acusações.



De acordo com o Observador, o Ministério da Educação tinha terminado o contrato simples (apoio financeiro) às escolas da Estrela, em Lisboa, e em Chaves. Esta situação deve-se ao facto de a AJEDJD não ter entregue a documentação necessária atempadamente e que terá sido escondida dos pais, que matricularam as crianças no 1.º ciclo sem que lhes fosse dado conhecimento de que já não iriam beneficiar da comparticipação do Estado.

“Recebi uma informação do Ministério da Educação e outra completamente diferente da directora do jardim-escola. Não conseguimos comprovar quem tinha razão”, justifica o diretor. Contudo, vários pais ouvidos pelo jornal disseram ter sentido o aumento das mensalidades, manifestando o seu descontentamento face à situação.

Ainda assim, não é esta perda de apoio que preocupa o diretor. Para Ponces de Carvalho, o que poderá mudar no futuro da IPSS é a mudança de regras nos apoios que chegam da Segurança Social (SS), uma vez que a instituição recebe anualmente oito milhões de euros do Estado.

As tabelas de apoio a creches e jardins de infância alteraram. O diretor afirma que, caso não seja conferido um regime de exceção à instituição (previsto na lei e pedido ao ministro Vieira da Silva, em 2016), será com “a maior amargura” que poderá fechar alguns dos 27 jardins-escolas que diz “não se auto-sustentarem”.

“Se a situação não se alterar, a direção pode chegar a uma situação em que ou vai à bancarrota a associação ou, pontualmente, teremos de fechar algumas destas escolas”, afirmou o responsável, desta vez ao jornal Público.

O problema é que a IPSS aplicava uma fórmula para calcular o custo por aluno que não está de acordo com as mais recentes regras das IPSS. O cálculo era feito com base em todo o universo da AJEJD, e não tendo em conta o custo real em cada instituição específica.

Desta forma, Ponces de Carvalho pretende que o ministério de Vieira da Silva continue a deixar a AJEJD aplicar esta fórmula, porque “se formos obrigados a cumprir [as atuais regras das IPSS] vamos ter de fechar várias escolas”, sublinha.

Denúncias de professores

Mas este não é o único problema que tem assombrado a AJEJD, que tem enfrentado a saída de docentes que, sob anonimato, têm denunciado o que dizem ser situações de pressões e um clima de intimidação que os terá levado a abandonar esta instituição.

Por sua vez, o direto afirma que todas as denúncias são “maledicências de pessoas muito zangadas, porque não conseguiram através do seu mérito e esforço ter a classificação que acham que merecem”, no decurso de um novo processo de avaliação interna.

Para Ponces de Carvalho, é “normal” que tenham saído 25 educadores e professores da instituição desde setembro.

No entanto, a saída, no final do 1.º período, de duas professores de uma das escolas de Lisboa levou uma mãe a retirar as duas crianças que tinha naquele estabelecimento de ensino.

“Houve muitas questões que fizeram aumentar o meu descontentamento, mas o que me fazia manter ali as crianças era a relação com as professoras, em quem tinha confiança. A partir do momento em que me apercebi da sua saída, não fazia mais sentido continuar ali”, confessou a mãe ao público, pedindo para não ser identificada.

A encarregada de educação salienta ainda que uma das situações que fez crescer o seu desagrado foi a alteração das mensalidades já depois da matrícula, classificando como uma “atitude incorreta”.

Milhares de euros em marcas de luxo

Esta sexta-feira, a RTP emitiu uma reportagem em que surgiam suspeitas de irregularidades na IPSS, nomeadamente gastos com fornecedores de produtos de luxo como a Prada ou a Adolfo Domínguez.

Ponces de Carvalho diz estar absolutamente tranquilo. “Encaro essas suspeitas com toda a tranquilidade, porque não temos irregularidade absolutamente nenhuma. Todas as nossas contas vão para os centros distritais da Segurança Social, temos tido auditorias”, afirma.

De acordo com o programa “Sexta às 9”, há faturas que, somadas, ascendem aos milhares de euros. Uma delas indica a compra de um vestido de mais de 600 euros na marca italiana Prada.

“Quando soube dessa informação fiquei de queixo caído. Fiquei completamente estupefacto. Pedi à contabilidade para que varresse as milhares de faturas que temos”, conta Ponces de Carvalho, citado pelo Observador.

Essa compra “foi a decisão da diretora de um jardim-escola que servia para premiar uma funcionária da associação”. O diretor diz que tomou a decisão de “acabar com a prática”. “Nada disto foi dado por mim. Não havia regras em relação às prendas. Quando soube disto foi dada a indicação para terminar.”

Ponces de Carvalho está, no entanto, envolvido noutra polémica. Segundo a RTP, a direção da Associação pediu dinheiro aos pais dos alunos com o objetivo de comprar a Casa do Poeta João de Deus ao Patriarcado de Lisboa, que era proprietário do edifício deste 1971. O prédio foi comprado em 2018 por 1,2 milhões de euros e pago com um cheque a pronto.

Contudo, nove meses depois voltou a ser posto à venda, desta vez sem a parte do museu, por 1,9 milhões de euros, isto é, por mais de 700 mil euros.

Além disso, segundo a investigação do “Sexta às 9”, Poncess de Carvalho  também ganhará mais do que a lei permite: 12 mil euros, quando o diretor de uma IPSS devia ganhar no máximo 1.640 euros.

“Adorava ganhar 12 mil euros. Não ganho”, afirma, refutando as acusações.

LM, ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Andam a engordar bem as continhas deles à custa do Zé Povinho é o que é. Com tanta má gestão em Portugal é impressionante que o nosso País não esteja falido.

  2. Há que responsabilizar quem fez essa despesa e obriga-los a devolver o dinheiro mal gasto e com juros. Assim já pensariam, duas não, três vezes antes de roubar dinheiro às instituições. Caso assim não procedessem iam para a rua ficando a pagar em prestações, ou iam presos como os comuns dos mortais.

  3. Fazem ideia da colecção de relógios que o Dr. António Ponces de Carvalho tem, cada um a valer mais de 10.000,00 euros? E as casas que tem no alto do Restelo tudo à conta da IPSS para não pagar impostos? E as viagens que fez à custa dessa instituição que é controlada pela família?

  4. VERGONHA, ATRAS DE VERGONHA!!!!
    Ainda dizem mal do Jornalismo!!! Pois… para muitos, estas verdades são tão inconvenientes!!! Pois claro… maldito jornalismo!!!

RESPONDER

Vagas só vão aumentar nos cursos com notas mais altas

Para já, apenas os cursos procurados pelos alunos com médias mais elevadas vão poder aumentar o número de vagas disponíveis no concurso nacional de acesso deste ano. De acordo com o jornal Público, o Governo afastou, …

Novo Banco. "O que a Caixa deseja é que este processo acabe"

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) disse, esta quarta-feira, no Parlamento, que o desejo do banco público é que o processo relativo ao financiamento ao Novo Banco acabe. "O que, pessoalmente, a Caixa …

Boris Johnson diz que ministro da Saúde “não tem salvação possível” em mensagens reveladas por ex-assessor

Boris Johnson terá enviado mensagens escritas a um dos seus principais assessores, Dominic Cummings, onde descrevia o ministro da saúde como “sem porra de salvação possível”. Esta quarta-feira, as fotografias das mensagens trocadas entre Johnson e …

Portugal tem o dobro dos casos de covid-19 que existiam há um ano

O número de casos de covid-19 ativos em Portugal neste momento é mais do dobro do que há um ano atrás. A média diária de novos casos é quase o triplo. Apesar de 42% da população …

Sporting prestes a garantir contratação de Daniel Wass, antigo lateral do Benfica

O Sporting está muito perto de garantir a contratação de Daniel Wass ao Valência. O dinamarquês já passou pelo Benfica e pode custar agora 2 milhões de euros. Depois de as negociações com o Sporting de …

Portugal com testes negativos à covid-19 antes do jogo com a Alemanha

Os jogadores, equipa técnica e restantes membros da seleção tiveram resultados negativos nos testes à covid-19, realizados três dias antes do jogo com a Alemanha, revelou, esta quinta-feira, fonte oficial da Federação Portuguesa de Futebol …

Quatro anos depois do incêndio de Pedrógão, ainda há casas por reconstruir

Esta quinta-feira, assinalam-se quatro anos do grande incêndio de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, que provocou a morte a 66 pessoas. Quatro anos depois do incêndio de Pedrógão Grande, que deflagrou ao início da tarde …

Chegou em maio, saiu em junho: a passagem de Gattuso pela Fiorentina

Gennaro Gattuso chegou ao clube italiano no final de maio mas, a meio de junho, já deixou a Fiorentina. Sérgio Oliveira já não deve seguir para Florença. Gennaro Gattuso foi apresentado como treinador da Fiorentina há …

Venda de barragens. Governo terá permitido à EDP vender direito não previsto nos contratos

O Governo permitiu à EDP vender um direito das barragens no Douro à Engie que não era permitido no seu contrato de concessão. A conclusão é do Bloco de Esquerda após analisar a documentação sobre o …

Salário milionário e verba de 18 milhões. Matheus Nunes perto de rumar ao Everton

Matheus Nunes está muito perto de se transferir para o Everton, segundo relatos da imprensa nacional. O luso-brasileiro pode render 18 milhões de euros ao Sporting. O interesse do Everton em Matheus Nunes não é de …