Pedro Nuno Santos garante que investimento público em redes de nova geração vai avançar

Nuno Fox / Lusa

Pedro Nuno Santos garantiu, na quinta-feira, que o “investimento público” em redes de comunicações eletrónicas “vai avançar”, de forma a levar conectividade às regiões do país onde as redes das operadoras privadas não chegam.

O ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, garantiu esta quinta-feira que o investimento público em redes de comunicações de nova geração “vai avançar” nos locais onde os operadores privados não chegam.

O governante falava no 30.º congresso da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC), dedicado à reinvenção da tecnologia.

“O investimento público em conectividade também vai avançar, assumindo o Estado o financiamento na implementação de redes de nova geração nos locais onde os operadores privados não chegam“, afirmou o governante.

“Esse esforço vai permitir que Portugal seja um exemplo internacional na disponibilidade de redes de comunicações ultrarrápidas com soluções complementares e tecnologicamente neutras”, salientou.

Na sua intervenção, Pedro Nuno destacou três “dimensões fundamentais da política de comunicações onde se colocam desafios muito importantes”: a dimensão da acessibilidade infraestrutural, a acessibilidade tarifária e da informação e mobilidade.

“A acessibilidade infraestrutural, em primeiro lugar, apesar dos elevados índices de cobertura nacional, a verdade é que ainda há demasiados cidadãos, demasiados municípios que se queixam da falta de rede”, encontrando-se, por isso, “excluídos do acesso aos instrumentos sem os quais não há cidadania digital”, apontou o ministro.

“O Governo está muito atento a este problema e tem em curso um conjunto de instrumentos para o corrigir progressivamente”, asseverou.

“Em primeiro lugar, as obrigações de cobertura inscritas no leilão do 5G são um passo importante, porque o seu cumprimento pelos operadores garantirá que, até 2025, 95% da população e 90% das freguesias de baixa densidade têm cobertura de qualidade de 4G”.

Em segundo lugar, destacou o investimento público nas redes. “Por fim, queremos fazer de Portugal um ponto geoestratégico da economia de dados” e “é por isso que estamos a criar as melhores condições para a localização de cabos submarinos e a instalação de centros de dados para que as empresas escolham Portugal para operar, criar emprego qualificado e impulsionar a ciência, a tecnologia e os serviços digitais”, sublinhou.

“O recente projeto anunciado Sines 4.0 é, esperamos, um primeiro de vários que vão permitir um alinhamento perfeito entre a transição digital, transição energética e a reindustrialização do país”, disse.

No que respeita a acessibilidade tarifária, “é preciso reconhecer que o mercado nacional de comunicações ainda carece de ofertas suficientemente diversificadas que satisfaçam as reais necessidades dos utilizadores”, afirmou.

Sobre isso, destacou duas iniciativas, entre as quais “o atual leilão do 5G, que ao permitir a entrada de novos operadores no mercado deverá aumentar a concorrência e dessa forma permitir o aparecimento de um leque de ofertas mais diversificadas, simples e adequadas às escolhas de cada um”.

A outra iniciativa é a tarifa social da Internet, “que estará no mercado brevemente”, que permitirá o acesso a um conjunto de cidadãos que por motivos económicos estejam afastados dos instrumentos “sem os quais não é possível hoje uma cidadania plena”.

Por fim, sobre a dimensão da informação e da mobilidade, Pedro Nuno Santos disse que “são ainda muitos os cidadãos que se queixam da complexidade e da dificuldade” em escolher as melhores ofertas de comunicações.

“Sem um nível adequado de informação e transparência não há um mercado funcional e não há boas decisões individuais, é por isso que num esforço conjunto entre o Governo, o regulador e os operadores, foi lançado há vários meses um projeto tem.Rede”, que permite os utilizadores possam escolher o seu operador “de forma mais esclarecida”, apontou.

Pedro Nuno Santos salientou que está neste momento a “desenvolver legislação que garanta de forma mais robusta os direitos dos utilizadores de comunicações eletrónicas”.

Ou seja, “estão em curso várias iniciativas que o Governo entende como essenciais para desenvolver uma política de comunicações à altura dos desafios do país e das necessidades dos cidadãos”, prosseguiu, salientando que um dos “momentos principais” deste trabalho “tem início na próxima terça-feira”, com apresentação e o início da discussão, na Assembleia da República, da proposta do Governo da nova Lei das Comunicações Eletrónicas (LCE).

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Este Pedro Nuno Santos parece-me um pouco diferente do restante elenco governativo. Tem as suas convicções, com as quais estou totalmente em desacordo, mas até me parece honesto.

RESPONDER

Enfermeira tentou provar que as vacinas tornam as pessoas magnéticas (mas não correu como previsto)

Na semana passada, a enfermeira negacionista de Ohio Joanna Overholt tentou, durante uma sessão legislativa, provar que as vacinas contra a covid-19 tornam as pessoas magnéticas. Mas não foi bem sucedida. O teste do íman resulta …

Foda e Kostadinov: as recordações à volta do Áustria-Macedónia do Norte

O selecionador da Áustria e um dos jogadores da Macedónia do Norte trouxeram memórias dos anos 90. O jogo entre Áustria e Macedónia do Norte, que terminou com vitória austríaca por 3-1, não estava propriamente na …

Paquistão. Quem não se vacinar pode ficar sem acesso ao telemóvel

O governo regional de Punjab, no Paquistão, decidiu que os cidadãos que não se vacinarem contra a covid-19 "ao fim de um certo tempo" podem ver o cartão SIM do seu telemóvel bloqueado. "Estamos a fazer …

Seleção Nacional testa negativo na véspera da estreia no Europeu

Depois do susto de João Cancelo, que testou positivo ao novo coronavírus, a seleção nacional respira de alívio na véspera da estreia no Europeu, depois de ter testado negativo à covid-19. Esta segunda-feira de manhã, a …

Associação quer que os testes em eventos culturais sejam gratuitos

A Associação Espetáculo - Agentes e Produtores Portugueses defendeu que os testes de diagnóstico à covid-19 devem ser gratuitos em eventos culturais. A Associação Espetáculo – Agentes e Produtores Portugueses defendeu, este domingo, que os testes …

Advogados repudiam declarações de Cabrita sobre agendamentos do SEF

Um grupo de advogados repudiou as declarações do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que atribuem a um escritório de advogados a responsabilidade pelo mau funcionamento do sistema de agendamentos para atribuição de vistos de …

Fundo Azul só aplicou um quarto do orçamento desde 2016

O Fundo Azul tem tido um orçamento anual de 13 milhões de euros nos últimos cinco anos, mas não tem gasto três quartos desde 2016. Em cinco anos, o Fundo Azul entregou apenas 17 milhões de …

Polónia 1-2 Eslováquia | Paulo Sousa surpreendido no arranque

A Polónia, comandada pelo treinador português Paulo Sousa, entrou hoje da pior forma no Euro2020, ao perder por 2-1 com a Eslováquia, em encontro do Grupo E, disputado em São Petersburgo, na Rússia. O guarda-redes Wojciech …

Agostinho Branquinho nega tráfico de influências na construção de hospital em Valongo

O antigo deputado Agostinho Branquinho negou esta segunda-feira qualquer envolvimento ou tráfico de influências junto da Câmara de Valongo, no processo de licenciamento e construção do Hospital de São Martinho, naquele concelho do distrito do …

Estádio Sp. Braga

17 anos depois, Câmaras ainda devem 55 milhões dos estádios do Euro 2004 (só 2 já pagaram tudo)

Apenas duas Câmaras municipais já não têm dívidas no âmbito da construção de estádios para o Euro 2004. Ao cabo de 17 anos, as autarquias ainda têm cerca de 55 milhões de euros para pagar …