Investigação à invasão ao Capitólio mostra falhas das agências federais

Jim Lo Scalzo / EPA

Apoiantes de Donald Trump invadem o edifício do Capitólio, em Washington, EUA

A investigação do Congresso dos Estados Unidos da América à invasão ao Capitólio, em 6 de janeiro, revelou falhas dos serviços de inteligência e das forças de segurança, que conduziram à tentativa de insurreição.

A investigação que está a ser feita pelo Senado encontrou sinais de que apoiantes do antigo Presidente dos Estados Unidos Donald Trump e até elementos de grupos associados à extrema-direita estavam a planear “invadir o Capitólio” com armas de fogo e, possivelmente, infiltrar-se no sistema de túneis por baixo do edifício.

Apesar dos avisos, os serviços de inteligência norte-americanos não consideraram as ameaças uma prioridade.

O resultado foi caótico. O relatório divulgado na terça-feira pelo Senado detalha como os agentes que estavam na linha da frente sofreram queimaduras químicas, lesões cerebrais e fraturas, assim como outras lesões, enquanto tentavam impedir os apoiantes do republicano Trump de invadir o Capitólio.

Os agentes disseram aos investigadores do Senado que se sentiram sem liderança ou ordens específicas sobre como agir enquanto os populares entravam no edifício.

O relatório vai mais longe e aponta à inteligência norte-americana uma falha em consonância com o que aconteceu há 20 anos, durante os atentados de 11 de setembro de 2001: falta de imaginação para equacionar cenários que se podem tornar realidade.

“Este relatório é importante na medida em que nos permite fazer algumas melhorias imediatas na situação de segurança aqui no Capitólio”, disse o senador Gary Peters, que conduziu a investigação, citado pelo Diário de Notícias.

Nas conclusões, é proposta a alteração imediata das chefias das forças de segurança no Capitólio, melhor planeamento e equipamentos para os agentes e a recolha mais eficaz de informação por parte das agências federais.

“Fiquei horrorizado porque nenhum subchefe ou superior estava nas comunicações de rádio”, disse um oficial ao comité do Senado.

Em 20 de janeiro, enquanto o Congresso validava a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais de novembro de 2020, o então chefe de Estado norte-americano, Donald Trump, organizou um comício no qual pediu aos milhares de apoiantes para “reclamarem o poder” e “reclamarem o país”.

Seguiu-se uma tentativa de impedir a confirmação da vitória de Biden, que foi interrompida, mas, mais tarde, retomada, com milhares de pessoas a invadirem o Capitólio, a agredirem os agentes da polícia que estavam no local e a vandalizarem os gabinetes de vários congressistas, nomeadamente da democrata Nancy Pelosi.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Escumalha". Polícias do Capitólio ameaçados e ofendidos por apoiantes de Trump

Os quatro polícias norte-americanos que testemunharam na principal comissão de inquérito do Congresso dos EUA sobre a invasão do Capitólio, foram ridicularizados nos canais de televisão ligados à direita radical e dizem que receberam ameaças …

Estado de Malta responsabilizado pela morte da jornalista Daphne Caruana Galizia

O Estado de Malta "deve assumir a responsabilidade" pelo assassínio da jornalista, devido à cultura de impunidade promovida pelas mais altas esferas do Governo.  Um inquérito independente sobre a morte da jornalista Daphne Caruana Galizia, que …

Licença para estudar. Governo negoceia e bazuca europeia vai saldar promessa eleitoral

As negociações já estão em curso. Com o dinheiro que vai chegar da União Europeia (UE), o Governo vai poder apoiar empresas, reforçar os rendimentos das famílias e alargar políticas sociais O Expresso avança, esta sexta-feira, …

O fim de uma lenda: Teddy Riner perdeu

Campeão olímpico em 2012 e em 2016, falhou o registo histórico de se tornar tricampeão nos Jogos Olímpicos. Lukáš Krpálek foi campeão e também foi histórico. Teddy Riner foi campeão nas duas edições anteriores dos Jogos …

Governo de Biden quer que estados ofereçam 100 dólares a quem for vacinado

O Governo dos Estados Unidos quer que os vários estados norte-americanos ofereçam um cheque de 100 dólares aos cidadãos que se vacinem contra a covid-19. De acordo com a imprensa norte-americana, o Governo de Joe Biden …

"Estou com vergonha, fui uma deceção": a chorar, Rochele pediu desculpa a Portugal

Judoca nascida no Brasil, que se naturalizou por Portugal a pensar nos Jogos Olímpicos, só venceu um combate em Tóquio. Rochele Nunes chegou aos Jogos Olímpicos com o objetivo de subir ao pódio mas só venceu …

Governo acelera no desconfinamento, mas ainda há questões para os peritos resolverem

Plano apresentado pelo Governo esta quinta-feira diverge do proposto pelos peritos, sobretudo na data prevista para a imunidade de grupo e, consequentemente, para o levantamento de medidas restritivas. Apesar das medidas anunciadas que sugerem um …

Se António Costa sair, "o PS parte-se todo"

Rui Rio não esconde a ambição de tirar o lugar a António Costa. Em entrevista ao Expresso, o líder social-democrata assumiu estar convicto de que o PS "se parte todo" se o atual secretário-geral do …

Vladimiro Feliz concorre ao Porto com o apoio de cinco independentes

Vladimiro Feliz concorre à Câmara do Porto pelo PSD, contando com o apoio de cinco independentes numa lista de 13 pessoas. "Rui Moreira tornou-se um autarca vulgar", disse Vladimiro Feliz numa recente entrevista ao jornal Público. …

Rui Costa "jamais aceitaria ser príncipe herdeiro" (e deixa candidatura em aberto)

O presidente do Benfica, Rui Costa, disse que seria uma cobardia a si próprio e aos benfiquistas se não assumisse o cargo e que ignorou Luís Filipe Vieira porque ninguém está acima do clube. “Não podia …