“Neste inferno, é ela ou nós”. Escutas revelam que Costa mandou despedir ex-CEO da TAP

11

José Sena Goulão/Lusa

Christine Ourmières-Widener, CEO da TAP

Escutas no âmbito da Operação Influencer revelam os detalhes de uma conversa de António Costa com João Galamba sobre a polémica indemnização da TAP a Alexandra Reis.

Numa chamada telefónica interceptada no âmbito da Operação Influencer, António Costa falou com o então ministro das Infraestruturas, João Galamba, sobre a necessidade de demonstrar que o Governo não tolerava situações como a crise gerada pela indemnização de 500 mil euros paga à ex-administradora da TAP, Alexandra Reis.

“As pessoas precisam de sentir que o Governo não consente com mer*** destas. “Se isto se torna num inferno é ela ou nós”, declarou Costa, enfatizando a necessidade de demitir a então CEO da TAP, Christine Ourmières-Widener.

As escutas telefónicas, a que a CNN Portugal teve acesso, revelam que Costa considerou a demissão de Ourmières-Widener uma medida política indispensável para preservar a imagem do Governo. O tema já tinha sido discutido com o então ministro das Finanças, Fernando Medina, concluindo que a continuidade da gestora francesa seria insustentável tanto para o Governo quanto para ela.

Estas declarações levantam questões sobre a justificação oficial do Governo para o despedimento por justa causa da CEO, que atualmente está a contestar a decisão em tribunal e a exigir 5,9 milhões de euros de indemnização.

Costa já tinha em mente um substituto, recomendando Luís Rodrigues, da SATA, para liderar a TAP, considerando-o um “gajo muito bom” e um “fator de tranquilidade e descompressão”. Posteriormente, Rodrigues foi efetivamente nomeado e atualmente lidera a companhia aérea.

Christine Ourmières-Widener, por seu lado, continua a disputar judicialmente a sua demissão. O seu despedimento tornou-se um ponto central na sequência da controvérsia gerada pela indemnização a Alexandra Reis, que levou à demissão de vários altos cargos no Governo.

A indemnização de 500 mil euros a Alexandra Reis não só resultou na demissão da então secretária de Estado do Tesouro, mas também acelerou a saída de Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e da Habitação.

Após estas demissões, João Galamba assumiu a pasta das Infraestruturas, enquanto Marina Gonçalves ficou responsável pela Habitação. No entanto, as polémicas persistiram, culminando até em revelações de agressões físicas dentro do ministério, envolvendo o ex-adjunto Frederico Pinheiro.

ZAP //

11 Comments

  1. Agora está demonstrado que tem que ser ele (António Costa) a pagar a indemnização que ela está a pedir e que pelo que vejo vai ganhar muito fácil na justiça.

    16
    1
  2. ~E evidente que esta desgovernação e desmando é fruto de politicos incompetentes, de quem aproveita ocasiões para baralhar as cartas e decidir a sorte do jogo , tal como os árbritos de futebol que recebem chorudos prémios para arranjar uns penaltis a favor de quem lhes paga…

    13
  3. Isto e outras coisas, só vem provar que de há 30 anos para cá só temos a governar este pobre país políticos incompetentes, sem noção o que é governar a bem da Nação.

    11
  4. Urgente um manicómio para todos eles!

    E nada se faz, nada se concretiza, ninguém, é julgado, realmente um “polvo” feito por, e à medida de…

  5. “E nada se faz”… Tem de partir do povo português se revoltar contra o sistema instaurado, senão Portugal não deixa de ser um país corrupto… Mas o povo português está mais preocupado com as intrigas de big brothers e afins, assim como com futebol, pois pelos vistos é isso que lhes deve por o comer em cima da mesa… Portugal podia ser o paraíso da Europa, se todos fossem justos uns com os outros, tínhamos vencimentos justos, entidades patronais que não olham só para o próprio umbigo e governantes que tinham interesse em tornar o país num paraíso, sem favorecimentos aos amiguinhos… Temos recursos para isso tudo, basta quererem e acreditarem!

    13
  6. Era o costa e cambada Ps que devia pagar a indemnização a dita senhora, mas sobre sempre para os contribuintes pagantes, e ainda querem arranjar tacho para o Costinha,

  7. Pois é … é claro que o ex-1º ministro António Costa estava por trás de tudo mas, eu ainda me lembro de ele dizer, por várias vezes, aos microfones da Comunicação Social que não sabia de nada e que não tinha conhecimento de nada com uma cara de parvinho. É que ele mente muito bem ! O PS é o maior polvo do País, sim !!!

  8. Assim se governa Portugal desde sempre. O Partido, o Governo, as os Boys do partido sempre estarão à frente dos interesses nacionais, não importa quanto se tem de pagar, nem sobre quem terá de se passar por cima para que esses interesses prevaleçam. A politica está podre sempre esteve e não irá melhorar nunca, os votantes são o sangue que alimenta estes vampiros.

  9. O melhor primeiro ministro e o mais hábil político de sempre; o negociador, o taticista… enfim, tudo títulos que lhe atribuíram.
    Se repararem bem, a partir do momento em que atraiçoou o camarada António José e obteve um resultado muitíssimo pior que “poucochinho” (ou seja, perdeu ao contrário do outro), só lhe restou usar todas as táticas e subterfúgios para tentar sobreviver politicamente, pois caso contrário, teria de prestar contas ao próprio partido e, provavelmente, teria de ir fazer outra coisa qualquer, o que eu duvido que saiba fazer. Daí, a preocupação do momento em tentar arranjar-lhe um tacho na Europa, para depois, quem sabe, tentar umas presidenciais.
    Enfim, o povo gosta destas intrigas, até porque, a grande maioria não paga coisa nenhuma destas desaventuras (contrariamente ao que se diz, que o povo é que paga, a grande maioria não paga coisa nenhuma, antes pelo contrário, esperam ansiosamente uma esmolinha).

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.