Infeções em crianças triplicaram na primeira semana de aulas

3

Abir Sultan / EPA

Uma criança a ser inoculada contra a covid-19

É uma escalada “sem precedentes”. Na última semana, o número de infeções por SARS-CoV-2 na faixa etária dos 0-11 anos mais do que triplicou.

Segundo o Jornal de Notícias, este ano já se contabilizaram mais de 70 mil casos naquele grupo, o equivalente ao registado nos últimos cinco meses e meio do ano passado, de acordo com o matemático Carlos Antunes.

Uma subida que, para o pneumologista Filipe Froes, poderia ter sido atenuada com a antecipação da vacinação das crianças e o encurtamento do intervalo entre tomas.

De acordo com os dados de Carlos Antunes, a 10 de janeiro contavam-se 2.980 novos casos nos 0-11 anos, e a 17 de janeiro registavam-se 9.293 novas infeções.

Este período coincide com o regresso às escolas e com a alteração das regras de isolamento, recorda o matemático. Relativamente a particularidades etárias, a subida de 212% nos 0-11 anos contrasta com a de 68% verificada nos 12-17.

Já nos mais novos, dos 0 aos 9 anos, assistimos a uma subida exponencial. Só na passada terça-feira, quando Portugal atingiu o máximo histórico de 52.549 casos num só dia, naquela faixa etária contavam com 9.210 novas infeções.

“Desde o dia 9/10, temos uma parede abrupta neste grupo etário [mais 241%]”, explica o professor da Faculdade de Ciências de Lisboa.

Para se ter a noção, desmonta o matemático Óscar Felgueiras, “o número máximo nos 0-9 anos, numa média a sete dias, tinha sido atingido na semana de 27 de janeiro de 2021, com 655 casos por 100 mil habitantes.

Foi superado pela primeira vez a 29 de dezembro. Neste momento, até terça-feira, estava nos 4.093 casos a sete dias por 100 mil habitantes”. Para o professor da Universidade do Porto, “o crescimento nas crianças é algo sem precedentes“.

Tem impacto, avisam os matemáticos, nas faixas etárias dos pais, “com uma inversão de tendência nos 30-49”, diz Óscar Felgueiras. De acordo com as contas de Carlos Antunes, “na última semana, há um aumento de 20% no grupo 30-49 anos“.

O professor da Universidade de Lisboa sublinha que “há uma pressão muito forte, com tendência a aumentar, não sabemos qual é o limite”. Estima que, até ao final deste mês, Portugal atinja os “1,1 milhões de infetados com Ómicron“.

“Assistimos, com a abertura das escolas, a um aumento exponencial de casos, confirmando que esta variante é altamente transmissível e provando que a transmissibilidade também ocorre nas crianças”, vinca o coordenador do gabinete de crise da Ordem dos Médicos (OM).

Devíamos ter antecipado a vacinação — antes da abertura das escolas, não no fim de semana anterior — e devíamos ter reduzido o intervalo entre tomas para 3/4 semanas”, afirma Filipe Froes.

Para o pneumologista, é evidente que “temos que proteger mais, quando há mais necessidade de proteção”. Posição já defendida pela OM numa carta aberta em conjunto com o Instituto Superior Técnico.

Por outro lado, Filipe Froes critica o processo de vacinação em si, na medida em que quem não vacinou os filhos entre os dias 6 e 9 de janeiro, só o poderá fazer no primeiro e último fins de semana de fevereiro.

“Devemos ter capacidade de manter o autoagendamento para este grupo etário em determinados centros de vacinação. Com autoagendamento, juntam as pessoas e marcam, não tem nada especial. Para vacinar em tempo oportuno e sem interrupção”, conclui o especialista.

  ZAP //

3 Comments

  1. Ninguém se lembra das AULAS ONLINE? Enquanto eram uma constante, as infeções baixaram! Mas este Governo quer tudo aberto… que disparate!

    • Como professor, digo-lhe sinceramente: as aulas online não funcionam. A verdade é que temos uma geração destruída devido ao ano em que os miúdos estiveram enfiados em casa. Vai demorar a recuperar.

      • Tendo em conta o panorama atual, penso que é a melhor solução, para que se consiga mitigar esta epidemia de uma vez por todas. Os números falam por si.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE