INEM afasta médico “indisposto” que recusou transportar doente (mas estaria numa tourada)

António Cotrim / Lusa

A decisão surge após inquérito sobre a recusa do médico em transportar um doente por, alegadamente, sofrer de uma indisposição. No entanto, há indícios de que estaria a trabalhar numa tourada. António Peças alega ter sido saneado.

António Peças, médico-cirurgião no Hospital de Évora e um dos mais experientes em emergência médica em helicóptero, foi dispensado pelo INEM. Na sexta-feira, recebeu um email do conselho diretivo do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) informando-o do fim do seu contrato de prestação de serviços.

O caso remonta a 29 de outubro de 2017. Um doente de 74 anos sofreu um traumatismo de crânio com uma extensa hemorragia subaracnóidea traumática e o hospital decidiu transportar o homem por helicóptero para o Hospital de São José, em Lisboa, onde uma equipa de neurocirurgia aguardava o paciente.

No entanto, o transporte acabou por não se concretizar porque o médico alegou sofrer de uma gastroenterite. O doente seria deslocado para Lisboa por ambulância dos bombeiros, acompanhado por um enfermeiro.

Um outro incidente ocorrido sensivelmente à mesma hora levanta, contudo, fortes suspeitas de que o médico estava a trabalhar em simultâneo na Arena d’ Évora onde teria lugar na mesma tarde uma corrida de touros.

O site Toureio.pt noticiou que o diretor do espaço, Marco Gomes, sofreu queimaduras no balneário enquanto tomava banho e foi assistido pela equipa médica afeta ao espetáculo, que incluía o médico António Peças.

Marco Gomes foi prontamente assistido na enfermaria da praça pela equipa médica afecta ao espectáculo: o Dr. António Peças, José Ribeiro da Cunha, técnico de emergência médica pré-hospitalar e o enfermeiro Gonçalo Louro“, reportou, na altura, o referido site.

“Aquilo que está a acontecer é o resultado do desconforto pelas declarações que tenho proferido. Sem dúvida alguma”, diz o médico ao Público, afirmando que não tem dúvidas de que está a ser saneado.

O jornal conta que, há cerca de duas semanas, António Peças foi prestar declarações à Inspeção-Geral de Atividades em Saúde (IGAS) sobre um processo relacionado com o alegado uso abusivo de um helicóptero, em 2017, pela médica Raquel Ramos, diretora do departamento de Emergência Médica do Instituto.

Em dezembro, numa reportagem da RTP, o médico disse que se se concluir que houve um uso abusivo, deve ponderar-se a demissão de quem teve responsabilidade – à semelhança do que aconteceu com o anterior presidente, Paulo Campos. São estas declarações que o médico diz estarem na base do seu afastamento.

No email que recebeu é-lhe apenas dito que o INEM não tem interesse em renovar a prestação de serviço. Ao diário, António Peças disse que não foi “acusado de más práticas, de nada. Não houve nenhum inquérito”. No entanto, é isso mesmo que o instituto alega para terminar o contrato.

O INEM teve conhecimento de uma denúncia que envolvia o médico António Peças, tendo decidido pela abertura de um processo de inquérito. Este processo foi concluído e, de acordo com as recomendações do instrutor, remetido às seguintes entidades: IGAS, Ordem dos Médicos e Hospital de Évora. Também decorrente das referidas recomendações, o INEM decidiu cessar a prestação de serviços do médico António Peças no INEM a partir do dia 1 de Fevereiro de 2019″, respondeu a entidade.

A denúncia em causa, que dizia que o médico estava ao serviço do helicóptero e que ao mesmo tempo estava ao serviço numa tourada em Évora, é feita numa carta anónima, assinada apenas por “um grupo de médicos do Hospital de Évora preocupados” e enviada ao INEM, ao Ministério da Saúde, ao Hospital de Évora e à Ordem dos Médicos há quase um ano. O INEM abriu um inquérito e decidiu cessar o contrato de prestação de serviços com o clínico.

Em relação a este inquérito, António Peças diz que não teve “conhecimento de nenhuma conclusão”, que não foi notificado e que em relação aos factos que lhe são imputados, são falsos e baseados numa “denúncia falsa”, sem base jurídica.

Ao Observador, o médico em questão nega todas as acusações, admite que passou na arena de Évora, mas de forma muito rápida e não como médico da corrida, e garante que nunca lhe foi feito qualquer pedido de transporte.

O médico irá fazer queixa à Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) e de acordo com a lei, não tem dúvidas que o caso só se resolverá em tribunal.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Não percebo. Então um gajo já não pode ir ver umas marradas?! A vida não é só trabalho… mesmo que seja no horário de trabalho…

  2. basicamente os colegas tinham que negociar com o Dr peças a saída do helicóptero de emergência do INEM.
    Não era uma questão de gravidade, necessidade de chegar ao hospital, da avaliação do médico do hospital, de uma momentânea diminuição da disponibilidade de ambulâncias, da hipóteses do paciente sobreviver ou aumentar as hipóteses de continuar a viver com melhores condições de vida.
    Tudo isso enfrentava a disposição e a disponibilidade do do Dr Peças.

RESPONDER

Britânico é absolvido por estar sonâmbulo durante a agressão sexual

Um britânico com 21 anos entrou na cama onde o melhor amigo e a namorada dormiam e iniciou contactos sexuais com esta. O indivíduo foi absolvido num tribunal em York, Inglaterra, porque a situação ocorreu …

Piratas de Edelweiss. A resistência de jovens que pôs açúcar no combustível dos tanques nazis

Os Piratas de Edelweiss foram um grupo de jovens da resistência alemã ao regime nazi durante a Segunda Guerra Mundial. Passaram despercebidos historicamente, mas foram uma peça importante na vitória dos Aliados. Durante a História da …

Nova espécie de dinossauro carnívoro identificada na Península Ibérica

Uma nova espécie de dinossauro carnívoro foi identificada na província de Castellon, em Espanha, o primeiro representante do grupo na Península Ibérica a que deram o nome de Vallibonavenatrix cani. A espécie habitou a Península Ibérica …

Lavar a loiça ou fazer jardinagem ajuda idosos a viverem mais tempo

Bastam pequenas mudanças nos hábitos do dia-a-dia - como ar um passeio na rua, lavar a loiça ou fazer jardinagem - para aumentar a longevidade na população mais idosa, concluiu uma investigação de uma universidade …

Apple lançou um cartão de crédito. Mas desaconselha andar com ele

A Apple lançou um cartão de crédito que dá aos utilizadores cerca de 2% do valor de cada compra de volta mas é quase impossível transportar o cartão sem o estragar, pelo menos sem danificar …

Município alemão está a oferecer um milhão de euros a quem provar que a cidade não existe

Uma cidade na Alemanha está a oferecer um milhão de euros à primeira pessoa que fornecer "provas incontestáveis" de que aquele local não existe. Autoridades em Bielefeld, a cerca de 100 quilómetros de Hanover, estão a …

Altice diz que decisão da Anacom na migração da TDT é "ambígua, omissa e vaga"

Em causa está o processo de libertação da faixa 700 MHz da televisão digital terrestre, necessário para o desenvolvimento do 5G, e que tem sido criticado pelo grupo. A Altice Portugal considera que o sentido provável …

Fitbit vai oferecer rastreadores a toda a população de Singapura

A empresa norte-americana Fitbit anunciou uma parceria com o Conselho de Promoção de Saúde de Singapura numa iniciativa de saúde pública, a Live Healthy SG, que fornecerá aos 5,6 milhões de habitantes do país rastreadores …

Japão acusa Coreia do Sul de minar confiança ao colocar fim na partilha de dados militares

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, acusou esta sexta-feira a Coreia do Sul de minar a confiança entre os dois países ao cancelar um acordo de partilha de informações militares. As declarações de Shinzo Abe foram proferidas …

Há uma nova denúncia contra Harvey Weinstein

O produtor de cinema Harvey Weinstein, que enfrenta dois processos por agressão sexual em Nova Iorque, terá uma nova audiência na próxima segunda-feira para ser informado de uma nova denúncia apresentada, informou na quinta-feira o …