Indisciplina nas aulas aumentou e professores não têm formação para resolver conflitos

 

SESI SP / Flickr

-

Os professores do Ensino Básico sentem que a indisciplina na sala está a aumentar, havendo situações em que perdem metade da aula a resolver estes problemas. Um estudo nacional alerta para a falta de formação nesta área.

Em apenas dois meses, cerca de 1.500 docentes do 1º ao 9º ano responderam aos questionários do estudo sobre “Indisciplina em sala de aula no Ensino Básico“, que está a ser desenvolvido pela Universidade do Minho (UM).

“O estudo ainda não terminou, até porque ainda se pode responder aos inquéritos, mas já é possível perceber tendências sobre a perceção que os professores têm sobre indisciplina”, contou à Lusa João Lopes, docente do Instituto de Educação e Psicologia da UM e responsável pelo trabalho.

Mais de oito em cada dez professores inquiridos (84%) consideram que a indisciplina aumentou nos últimos cinco anos. Apenas 2,5% entende que a situação dentro da sala de aula está melhor e 11% acha que a situação se mantém inalterada.

Os problemas apontados “não são os mais graves”, sublinha o investigador, dando como exemplos a utilização de aparelhos eletrónicos durante a aula, falar com o colega do lado, sair do lugar e comer dentro da sala, ou ter uma atitude passiva e estar desatento.

Aulas quase inteiras a resolver problemas

No entanto, as atitudes perturbadoras obrigam muitas vezes a interromper a aula: um em cada quatro docentes (23%) perde 10% do tempo com problemas de indisciplina; outros 314 professores disseram gastar entre 20 a 30% da aula e 6% fica com menos de metade do tempo para dar matéria. Sete professores admitiram mesmo que perdem entre 80 a 90% com o mau comportamento dos seus alunos.

“Cerca de 12% dos professores perdem mais de 40% do tempo com este problema”, disse o especialista, alertando para o facto de 60% dos professores não terem tido, até hoje, qualquer tipo de formação específica para lidar com este problema.

João Lopes sublinha que existem muitos docentes que dão aulas há décadas e nunca receberam qualquer formação e, depois, existem “casos de professores que tiveram uma formação de apenas cinco horas”.

De quem é a culpa?

Para os inquiridos, a culpa da indisciplina dentro da sala de aula é, essencialmente, dos pais (39%), das políticas educativas governamentais (37%) e dos alunos (34%).

Com menos responsabilidade na indisciplina surgem os próprios professores. No entanto, ressalva João Lopes, “os professores não se desresponsabilizam completamente” e 3% considerou mesmo que estes são os principais responsáveis pela situação dentro da sala.

Além da recolha de dados demográficos e sobre os problemas mais registados na sala de aula, o estudo tem também questionários para aferir a perceção que o professor tem sobre a sua capacidade de lidar com os problemas, assim como a capacidade dos seus colegas e da própria escola.

O estudo questionou ainda os docentes sobre a frequência com que reportam os problemas a terceiros e as consequências das situações reportadas. “Nós sabemos que os casos reportados são muito menos do que os que ocorrem na sala de aula e os punidos ainda são menos”, sublinhou o investigador.

João Lopes diz que o estudo deverá em breve ser alargado ao Ensino Secundário e até ao Ensino Superior, onde acredita que se registem também cada vez mais casos de indisciplina.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Theresa May vence moção de censura

A primeira-ministra britânica venceu a votação por 200 votos contra 117 e continua na liderança do Partido Conservador e do governo. A moção foi apresentada por membros do seu próprio partido, insatisfeitos com o acordo …

Benfica vs AEK | Grimaldo de luxo no adeus à Champions

O Benfica fechou a sua participação no Grupo E da Liga dos Campeões com uma vitória, a segunda da temporada no adeus à prova, e frente ao mesmo adversário com que alcançara o primeiro triunfo, …

Uma tonelada de chocolate invadiu as ruas de uma cidade alemã

Um "rio" de chocolate invadiu as ruas de Werl, na Alemanha, nesta segunda-feira. Um tanque de uma fábrica local produtora de chocolate transbordou, derramando cerca de uma tonelada de chocolate nas ruas da cidade que …

Formações rochosas ancestrais destruídas no Utah. Vandalismo ou fraude?

Misteriosos vídeos apareceram recentemente na Internet que mostram formações rochosas antigas protegidas no deserto do Utah a ser destruídas com explosivos. Os vídeos levantam mais perguntas do que dão respostas. Num primeiro, vê-se um arco rochoso …

Bruno de Carvalho foi a personalidade portuguesa mais pesquisada no Google em 2018

O futebol liderou as pesquisas no Google em 2018. Bruno de Carvalho, ex-presidente do Sporting, foi a personalidade portuguesa mais pesquisada. Entretanto, a palavra mais pesquisada por portugueses foi "Mundial". Destituído da liderança do Sporting e …

McDonalds vai reduzir uso de antibióticos na produção da carne

A resistência aos antibióticos representa uma ameaça à saúde global e à segurança alimentar. Quanto mais antibióticos são dados ao gado, mais rapidamente as bactérias podem adaptar-se e tornar-se resistentes. Quando se trata de reduzir o …

Além de Amália e Eusébio, quem está afinal sepultado no Panteão Nacional?

Do fado de Amália Rodrigues ao espetáculo futebolístico de Eusébio, o Panteão Nacional é morada última de vários talentos nacionais, que marcaram a História de Portugal e levaram a imagem do país além fronteiras. Mas …

Espanha anuncia aumento do salário mínimo para 900 euros

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, anunciou a subida de 22% no salário mínimo - de 735,90 para 900 euros. Num discurso no parlamento espanhol, Pedro Sánchez sublinhou que a subida será de 22%, a maior desde …

Ex-advogado de Trump condenado a três anos de prisão

Michael Cohen, antigo advogado do Presidente norte-americano, foi esta quarta-feira condenado a três anos de prisão. Esta é a sentença mais pesada já atribuída nos processos saídos das investigações sobre as suspeitas de interferência da …

Demissão em bloco dos chefes de equipa de urgência do hospital D. Estefânia

Os chefes de equipa de urgência do hospital D. Estefânia, em Lisboa, consideram que houve "quebra do compromisso" feito pela instituição de contratar mais médicos. O anúncio, feito esta quarta-feira, refere que os médicos consideram que …