Índia lança 20 satélites de uma vez e entra oficialmente na corrida espacial

A Organização de Pesquisa Espacial Indiana ISRO colocou 20 satélites em órbita com apenas um lançamento, fazendo o maior lançamento de satélites na história da agência espacial.

O recorde anterior da agência espacial indiana era de 10 satélites lançados com uma só missão, e esta última proeza deixa o país asiático muito mais perto dos números conseguidos pela NASA e pela agência espacial russa Roscosmos, solidificando o lugar da Índia no mercado espacial global.

Dos 20 satélites, 17 eram comerciais, utilizados por empresas para tarefas diversas como melhorar os sinais de TV ou previsões meteorológicas.

A principal carga lançada ao espaço, porém, foram os 725,5 quilos do ISRO CARTOSAT-2 – um satélite usado para a observação da Terra.

“Cada um desses pequenos objectos colocados no espaço vai realizar a sua própria actividade, que é independente uma da outra, e cada um deles vai viver uma vida maravilhosa por um período limitado”, disse o presidente da ISRO, A. S. Kiran Kumar.

Lançamento sincronizado

Conseguir um lançamento simultâneo como este não é uma tarefa fácil.

Os satélites, que foram lançados a partir da ilha de Sriharikota, tem que ser “injectados” em órbita a uma distância correta entre si para garantir que não acabem por se esmagar uns aos outros.

“Depois de cada satélite ter sido injectado em órbita, o foguete lançador é reorientado, se necessário, e o próximo satélite é colocado em órbita de modo a que a distância entre os satélites cresça regularmente”, explica o diretor do Vikram Sarabhai Space Centre, K. Sivan.

“Depois de uma enorme intervalo de 3.000 segundos, dá-se uma reignição durante 5 segundos”, acrescenta Sivan.

“Então, o lançador desligado por mais 3.000 segundos – e reiniciado por mais 5 segundos”.

Esta é na realidade uma grande notícia para a ISRO, por duas razões.

Representa por um lado o maior lançamento de satélites na história da agência – colocando-a mais próximo ao registo de 29 satélites da NASA e do recorde de 33 satélites da Roscosmos.

Por outro lado, mostra que as empresas estrangeiras estão dispostas a pagar à ISRO para lançar satélites.

“A Índia está a atrair operadores estrangeiros chave no mercado do espaço, graças à sua credibilidade e relação custo-eficácia”, explica o especialista Ajay Lele, investigador sénior do Instituto de Nova Delhi de Estudos e Análises de Defesa.

(dv) ISRO

A agência espacial indiana ISRO colocou em órbita 20 satélites com um só lançamento

A agência espacial indiana ISRO colocou em órbita 20 satélites com um só lançamento

A maior parte destes “operadores estrangeiros chave” são dos EUA.

13 dos 20 satélites colocados em órbita neste lançamento eram de empresas norte-americanas – entre as quais a Terra Bella, propriedade do Google.

Os outros 7 satélites – com excepção do CARTOSAT-2 – eram da Alemanha, Canadá e Indonésia.

Ao todo, a missão – chamada de PSLV-C34 – colocou em órbita cerca de 1.288 quilogramas de satélites, e provavelmente conseguiu fazê-lo isso com menos dinheiro do que outras agências espaciais.

Eficiência e economia

Ao longo dos últimos anos, a ISRO ganhou reputação de ser económica, especialmente porque muitas das suas missões são bem sucedidas, apesar da redução de custos.

Por exemplo, em 2014, a ISRO enviou uma sonda não tripulada a Marte, a Mangalyaan, que custou apenas 57 milhões de euros no total.

A sonda foi construída em tempo recorde, com um décimo do custo da sonda norte-americana MAVEN, que custou 600 milhões de euros, e menor do que a produção do filme de ficção científica “Gravity”, com George Clooney e Sandra Bullock, que custou 78 milhões de euros.

O êxito da missão colocou a Índia no restrito clube dos exploradores do Planeta Vermelho: EUA, Europa (ESA) e Rússia. O Japão e a China falharam as suas tentativas de chegar a Marte.

Mas o lançamento de foguetes baratos não é a única preocupação para a ISRO.

O mês passado, a agência testou uma versão inicial de um serviço de transporte espacial reutilizável para enviar astronautas ao espaço – e fazê-los regressar – como os antigos vaivéns espaciais da NASA costumavam fazer.

A ISRO está a tornar-se uma notável concorrente no jogo espacial – e isso é óptimo, porque é mais uma para nos ajudar a sair um dia desta enorme pedra azul e conhecer o resto do universo.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Claro, invés de se preocupar com o que se passa na terra (principalmente no seu país) a Índia está preocupada com a corria espacial!!!
    É sempre bom ter a prioridades bem definidas…

  2. A Índia devia gastar o dinheiro em programas de combate ao subdesenvolvimento, já que é o país com mais pobres e miséria no planeta. Com isso salvaria os muitos milhares que morrem à fome todos os dias na Índia, os milhares que todos os dias vendem órgão do seu próprio corpo para sobreviverem e os milhares que vivem em condições sub-humanas difíceis de acreditar nos países desenvolvidos.

  3. Com tanto satélite nos ares brevemente vão acabar por tapar o Sol e passamos todos a viver às escuras, os indianos esses já vivem na escuridão moral há muito tempo!

RESPONDER

YouTube remove vídeos que vinculam falsamente a Covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a engenheiros. Agora, o YouTube está a reprimir essa desinformação. O YouTube informou que removerá …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …

Dois milhões de máscaras furtadas em Espanha podem ter sido vendidas em Portugal

O equipamento médico e sanitário furtado está avaliado em cinco milhões de euros e terá sido adquirido por uma empresa portuguesa que conhecia a proveniência do material. Um empresário de Santiago de Compostela foi detido por, …

Facebook terá tentado comprar um software de espionagem em 2017

O Facebook tem estado envolvido em vários escândalos e o mais recente está relacionado com a alegada compra da ferramenta Pegasus, usada para hackear iPhones. A empresa de segurança informática NSO Group, responsável pela Pegasus, alega …

Primeiro-ministro espanhol diz que coronavírus desafia o futuro da UE. E fá-lo em sete idiomas

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez publicou no domingo um artigo em sete idiomas europeus, argumentando que o coronavírus pode ser a ruína da União europeia (UE) caso não sejam tomadas medidas mais drásticas para lidar …

Viseiras de Leiria despertam cobiça. Bélgica e EUA queriam comprar toda a produção

Várias empresas de moldes e plásticos da região de Leiria estão a fabricar viseiras de protecção contra a Covid-19. Uma adaptação em tempos de pandemia que está a levantar atenção no estrangeiro, com EUA e …

Apple vai começar a produzir um milhão de máscaras por semana

O presidente da Apple, Tim Cook, anunciou que a empresa poderá produzir um milhão de máscaras por semana a partir do próximo fim de semana. Tim Cook explicou, na sua conta da rede social Twitter, que …

Robert Weighton é o homem mais velho do mundo. Tem 112 anos

Com 112 anos completados no dia 29 de março, o britânico Robert Weighton tornou-se o homem mais velho do mundo. Robert Weighton nasceu no dia 29 de março de 1908, em Kingston-Upon-Hull, no Yorkshire. Ao longo …