“Indecente e imoral”. Paquistão em guerra aberta com o TikTok, a rede social mais popular do país

O TikTok é a rede social mais popular no Paquistão, mas a aplicação mostra um lado do país que não se alinha com a sua imagem conservadora.

Em 2019, o TikTok tornou-se a segunda aplicação mais popular no Paquistão com cerca de 16,3 milhões de downloads entre janeiro e novembro. Muitos paquistaneses alcançaram a fama partilhando partes das suas vidas em áreas rurais.

Contudo, depois de se tornar a rede social mais popular do país, o TikTok foi banido. 



O governo do Paquistão proibiu a aplicação pela primeira vez em outubro de 2020, citando “conteúdo indecente” como motivo, de acordo com Vice. A proibição foi suspensa menos de duas semanas depois, mas outra voltou a ser implementada em março, com a Autoridade de Telecomunicações do Paquistão (PTA) citando “conteúdo antiético e imoral”.

Esta segunda proibição foi suspensa mais uma vez no início de abril.

“Onde quer que vá, as pessoas pedem-me selfies. Onde quer que passe, as pessoas dizem ‘Oh, é aquele rapaz!’ Essa é a reação que recebo, esse é o tipo de mudança [que o TikTok] trouxe à minha vida”, contou Zeeshan Akram, um agricultor e celebridade de TikTok de 21 anos.

Akram faz vídeos de si mesmo a semear arroz e a ordenhar vacas e agora tem cerca de 193 mil seguidores no TikTok. “Queria mostrar a todos que as pessoas no campo podem ser de todos os tipos. Alguns são instruídos e outros não”, disse.

O TikTok também deu a estes paquistaneses uma nova fonte de rendimento. “Todo o dinheiro que ganhei de empresas e marcas, todas as empresas com as quais colaborei e nas quais me tornei embaixador, e todas as promoções que fiz recebi por causa de TikTok”, disse Hareem Shah, um influencer de 27 anos com mais de 5,8 milhões de seguidores.

A rede social deu também uma voz a pessoas que eram excluídas nos grandes media. Por exemplo, Usman Nasim, um homem de meia-idade, partilha conteúdo religioso, e Tauqeer Abbas, um trabalhador partilha partes da vida na aldeia.

Contudo, as mesmas qualidades que tornam o TikTok tão atraente para a juventude paquistanesa também o tornam polémico.

A vida conservadora no Paquistão

O Paquistão é uma sociedade amplamente conservadora e patriarcal e o TikTok tornou-se uma plataforma que apresentava diferentes aspetos do Paquistão, aspetos esses que não coincidiam com o país muçulmano conservador.

Em agosto, o advogado Nadeem Sarwar entrou com uma petição no Tribunal Superior de Lahore para proibir o TikTok. Em entrevista ao jornal paquistanês Dawn, Sarwar disse que havia “pouca diferença entre alguns destes vídeos e a pornografia”, referindo-se a um vídeo em que uma mulher amamentava um bebé.

Isso foi seguido por relatos de incidentes perigosos relacionados com o TikTok, como o caso de uma jovem que foi supostamente violada por uma gangue depois de se encontrar com um amigo que conheceu na plataforma.

Quando o governo bloqueou oficialmente o TikTok em outubro, o PTA disse, em comunicado, que a decisão veio “[em] vista do número de queixas de diferentes segmentos da sociedade contra conteúdo imoral e indecente” na aplicação.

Há muitas pessoas céticas quanto aos motivos do Paquistão para proibir o TikTok.

“Se o TikTok é um meio para indecência, outras aplicações de redes sociais tabém o são. Temos dramas da televisão do Paquistão em rede nacional que promovem a vulgaridade. Se o Paquistão tiver problemas com a segurança nacional, apoiaremos o Paquistão. Mas essa desculpa de ‘vulgaridade’ não faz sentido , disse Shah.

Enquanto o governo cita a “indecência” como o seu principal motivador, outros acreditam que pode haver outros fatores em jogo. Quando a covid-19 chegou ao país, impactou o sustento da classe média baixa e da classe trabalhadora e aumentou o número de utilizadores ativos mensais no TikTok.

Antes da proibição, começaram a surgir os vídeos a criticar o governo. Alguns analistas e jornalistas acreditam que a proibição foi menos sobre conteúdo imoral e mais sobre como conter as críticas à resposta à pandemia do primeiro-ministro Imran Khan.

Esta não foi a primeira vez que TikTok foi banido de um país. A Índia baniu oficialmente o TikTok e uma série de outras aplicações chineses em julho de 2020, após um conflito entre tropas chinesas e indianas, com o governo a dizer que as plataformas estavam “envolvidos em atividades prejudiciais à soberania e integridade da Índia“.

O então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também tentou banir o TikTok por razões de segurança nacional, embora isso não tenha funcionado.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Pesca da sardinha reabre hoje após quase sete meses

A pesca da sardinha reabre hoje, após quase sete meses de interdição, com um limite de 10.000 toneladas que deverá ser revisto em junho. No entanto, num diploma publicado em Diário da República no dia 6 …

Cortes do Estado em contratos levaram ao encerramento de 20 colégios

Desde que o Estado começou a cortar nos contratos com os estabelecimentos de ensino particular e cooperativo já 20 colégios fecharam portas. Em 2016, o Estado começou a implementar cortes graduais nos contratos de associação com …

Portugal vai ser o país europeu com menor percentagem de população ativa

De acordo com as novas projeções, em 2050, Portugal terá 1,6 pessoas em idade ativa por cada idoso, sendo que atualmente conta com 2,9. As projeções do Eurostat, divulgadas pelo Jornal de Notícias, indicam que em …

"Sentimento anti-Modi." Pandemia deixa primeiro-ministro indiano debaixo de fogo

A segunda vaga de covid-19 na Índia tem alfinetado Narendra Modi. Restam saber quais serão as consequências políticas para o primeiro-ministro indiano. Narendra Modi chegou ao poder em 2014, cheio de promessas de crescimento e prosperidade …

"Um dia feliz". Britânicos voltam em força (e até o calor se antecipou)

Turistas de quase toda a Europa podem, a partir desta segunda-feira, entrar em Portugal, no regresso do turismo internacional. É "um dia feliz" para o turismo nacional, sobretudo devido ao regresso dos britânicos que trazem …

FC Porto avança por Beto e já há valores em cima da mesa

O negócio entre o FC Porto e o Portimonense pelo avançado Beto já estará numa fase bastante avançada. Apesar de os três grandes terem demonstrado grande interesse em Beto, segundo avança o jornal O Jogo, são …

Odemira não é um caso único. Em Santarém, há situações "em tudo semelhantes"

O SEF tem investigado em Santarém situações "em tudo semelhantes às investigadas em Odemira e no Alentejo" por auxílio à imigração ilegal e tráfico de pessoas. Odemira tem estado recentemente no centro de toda a atenção …

No último ato da Liga, há uma luta por uma vaga europeia e uma fuga à despromoção

Vitória de Guimarães, Santa Clara e Famalicão lutam pela derradeira vaga de acesso às competições europeias de futebol da próxima época, numa 34.ª e última jornada marcada também pela ‘fuga’ à despromoção da I Liga …

"O PSD nacional tem de mudar e já", apela Alberto João Jardim

O antigo presidente do Governo Regional da Madeira defendeu num artigo de opinião, publicado esta segunda-feira, que o PSD nacional tem de "acordar" e "mudar já" e "não esperar pelos resultados das eleições autárquicas". No artigo …

Marega quebrou as regras e não volta a jogar pelo FC Porto

Depois de interagir com o Al Hilal, o seu novo clube, nas redes sociais, Moussa Marega não deverá voltar a jogar ao serviço do FC Porto, por ordem de Sérgio Conceição. É certo que falta apenas …