Orbán diz que Hungria não cederá a “chantagem” da UE na questão dos migrantes

Patrick Seeger / EPA

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, acusou a União Europeia de condenar a Hungria por não querer ser um país de migrantes, rejeitando abdicar da defesa das fronteiras do seu país.

“Não cederemos à chantagem das forças que apoiam os migrantes contra a Hungria. A Hungria protegerá as suas fronteiras, parará a imigração ilegal e defenderá os seus direitos”, disse o líder húngaro em sessão plenária com os eurodeputados em Estrasburgo.

Nesta quarta-feira, o Parlamento Europeu vai decidir se ativa ou não o procedimento previsto no artigo 7º do Tratado da União Europeia, relativo à existência de um risco manifesto de violação grave dos valores europeus.

No documento elaborado por Judith Sargentini constam várias “preocupações” sobre  sobre “o funcionamento do sistema constitucional e eleitoral”, “a independência do judiciário” e várias liberdades individuais, bem como os direitos dos refugiados. Para a União Europeia, está em causa a violação de graves direitos europeus na Hungria.

O primeiro-ministro húngaro evitou abordar todos os pontos do documento, optando antes por um discurso de soberania. “O relatório que vocês têm fere a Hungria, fere o povo húngaro, fere a sua honra“, disse Orbán.

Para o líder da Hungria, o seu país vai ser condenado porque “os húngaros decidiram que não vão ser um país de migrantes”.

Orbán, que tem mantido uma linha dura quanto à receção de refugiados, acusou “as forças que apoiam os migrantes” de “chantagearem” o seu país, defendendo os valores cristãos da Hungria. “Construímos cercas, prendemos centenas de milhares de imigrantes ilegais, mas protegemos a Hungria e a Europa”, reiterou no Parlamento Europeu.

“Não vão condenar um Governo mas sim um país que faz parte da História dos países cristãos europeus há séculos”, declarou Orbán, assumindo reiterada a sua posição clássica de defensor da civilização cristã – face aos imigrantes muçulmanos.

“A Hungria vai ser punida por ter decidido que não vai ser um país de migrantes. Mas não deixarei de proteger a fronteira e de defender o povo húngaro. Todos os países têm o direito de organizar a vida no seu território”, acrescentou.

Num discurso inflamado, o primeiro-ministro húngaro anteviu que “a maioria [dos eurodeputados]” vai aprovar o relatório da comissão parlamentar das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos do PE, que considera que existe um risco manifesto de violação grave, pela Hungria, dos valores europeus.

A Hungria pode assim seguir os passos da Polónia, país onde a Comissão Europeia ativou o procedimento do artigo 7.º em dezembro, por encontrar preocupações quanto à violação de direitos. A longo prazo, esta ação pode implicar a suspensão do direito de voto do país na União Europeia.

ZAP // Lusa / RFI

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. somos todos hungaros…… de facto a uniao europeia esta podre, os seus dirigentes sao mafiosos discarçados corrompidos pelas promessas dos senhores da guerra e do petroleo…….infelizmente o que os comunistas e centristas portugueses disseram da UE…era verdade. infelizmente temos que , ao fim de 20 anos reconhecer a razao dos comunistas e dos centristas em denunciar a mafia instalada na conduçao da politica da europa . esta exigencia ` dos paises autorizarem emigraçao ilegal, legal especialmente dos paises muçulmanos, financiada pelos grandes mafiosos internacionais e destinada a auto destruiçao da europa a curto e medio prazo éabsurda e totalmente anti europeia.
    mesmo que nao seja possivel evitar a destruiçao do estado europeu cristao e pluralista… pelo menos podemos denunciar!!!!
    claro que o costa e seus aliados esfregam as maos de contentes….. com mais procura, as casas sobem a preços virtiginosos, os bens de 1 necessidade sobrem a cada mes que passa..e as taxas robles virao por ai a torto e a direito.
    os portugueses ja nao podem frequentar museus e monumentos nacionais , tal os preços proibitivos que estes sucias incrementaram.
    so falta taxarem as casas viradas a nascente, taxarem as cidades a beira mar, taxarem os apartamentos com vista para os rios e o atlantico……e talvez tambem alargarem a todas as multicacionais a possibilidade de anexarem as praias aos seus espaços de turismo. esta cambada bem conectada com a mafia europeia…nada mais resta…..
    agora temos que ser todos hungaros.
    antes sermos hungaros que termos que vir a ser adeptos de regimes totalitarios xenofobos racistas e opressores!!!!

RESPONDER

Hospitais privados dizem não ter recusado colaborar com SNS e querem plano da tutela

Os hospitais privados rejeitam que tenham recusado colaborar com o Serviço Nacional de Saúde e dizem que se mantêm disponíveis e a aguardar uma proposta concreta do Ministério da Saúde, para se poderem reorganizar. Numa resposta …

"Não devemos o silêncio ao presidente". Autor de artigo crítico sobre Trump revela identidade

Um antigo dirigente do Governo dos Estados Unidos revelou que foi o autor, em 2018, de uma coluna de opinião anónima e depois de um livro, em que denunciava o comportamento de Donald Trump. "Não devemos …

Região de Madrid confinada nos próximos dois fins de semana

O Governo regional de Madrid decidiu confinar a população da região nos próximos dois fins de semana, que são prolongados até segunda-feira devido a dois feriados, como forma de luta contra a pandemia de Covid-19. A …

Bolsonaro mudou legislação e compra de armas disparou. Registou-se um aumento de assassinatos

O comércio de armas disparou em quase dois anos, ou seja, desde que Bolsonaro chegou ao Governo e fez mudanças na legislação que seguem o modelo norte-americano. Estão na mão de radicais, alerta especialista. A compra …

Ilhas Marshall registam os dois primeiros casos desde o início da pandemia

As Ilhas Marshall, um dos últimos países do mundo poupados até aqui ao novo coronavírus, registaram os dois primeiros casos de covid-19 desde o início da pandemia, anunciou, esta quarta-feira, o Governo do arquipélago …

Parlamento espanhol prolonga estado de emergência por mais seis meses

O parlamento espanhol aprovou hoje em Madrid a prorrogação do estado de emergência para lutar contra a pandemia de covid-19 durante seis meses, até 09 de maio de 2021. A medida que já está em vigor, …

BCE avisa que recuperação económica "está a perder força mais rapidamente do que o previsto"

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, alertou esta quinta-feira que a recuperação económica está a perder força mais rapidamente do que aquilo que era previsto devido à aceleração da pandemia em vários …

CP permite reembolso dos bilhetes entre sexta e terça-feira. Rede Expressos cancela viagens

A CP irá reembolsar os utentes que pedirem devolução de dinheiro por bilhetes de viagens entre 30 de outubro e 3 de novembro, tendo em conta as restrições de movimentações entre concelhos, adiantou fonte oficial …

Marcelo Rebelo de Sousa não descarta novo estado de emergência

Marcelo Rebelo de Sousa abriu esta quinta-feira a porta à declaração de um novo estado de emergência em Portugal. O presidente admite fazer uma declaração ao país na próxima semana. O presidente da República não descarta …

Antissemitismo. Jeremy Corbyn suspenso do Partido Trabalhista

O Partido Trabalhista suspendeu hoje o seu antigo líder Jeremy Corbyn na sequência de um relatório que condenou a principal força da oposição no Reino Unido por "atos ilegais de assédio e discriminação" antissemita. Reagindo ao …