Huawei lança telemóvel sem aplicações do Google e Facebook

Rungroj Yongrit / EPA

Os novos telemóveis topo de gama da Huawei vão chegar ao mercado sem aplicações do Google pré-instaladas. O Mate 30 e o Mate 30 Pro terão um sistema Android, mas virão sem serviços como o navegador Chrome, os Google Maps, e o Gmail – e sem acesso à loja do Google para os instalar.

O Facebook, Messenger e Instagram também não virão incluídos, tornando os novos modelos pouco apelativos para consumidores nos mercados ocidentais e representando o primeiro grande impacto das sanções dos EUA na empresa chinesa.

Os novos Mate 30 virão todos com o novo processador Kirin 990, que permitirá descarregar vídeos e aplicações mais rapidamente, e quatro câmaras traseiras cada. Os preços irão variar entre os cerca de 800 e os 2100 euros.

Os aparelhos não têm qualquer botão para desligar. Em vez disso, os telemóveis virão com um ecrã que está sempre ligado e que mostra as horas ou um protector de ecrã personalizado, quando não está a ser utilizado. Não será preciso deslizar diretamente o dedo no ecrã para fazer scroll – basta fazer o movimento no ar.

Em vez do ecrã do telemóvel rodar automaticamente, consoante a posição do aparelho, os novos Mate 30 usam inteligência artificial para acompanhar o olhar dos donos e perceber se estão a olhar para o telemóvel na vertical ou na horizontal.

Outros elementos destacados foram a capacidade de carregamento sem fios, a capacidade de carregar outros telemóveis e um modo nocturno. Foi também apresentado um novo relógio inteligente da Huawei, o Huawei Watch GT, com um preço a começar nos 299 euros.

Os aparelhos foram apresentados esta quinta-feira em Munique, de acordo com o Público. Os futuros utilizadores terão a oportunidade de instalar aplicações que necessitem na própria loja de aplicações da Huawei, a App Gallery. A empresa está a disponibilizar um fundo de mil milhões de dólares (mais de 903 milhões de euros) para incentivar programadores a criarem novas aplicações para o sistema.

A iniciativa faz parte de uma estratégia para mitigar o impacto da falta de aplicações norte-americanas nos novos aparelhos da marca. Este ano, a Huawei viu-se no meio de uma disputa comercial entre os EUA e China quando a administração do presidente norte-americano Donald Trump incluiu a empresa chinesa numa “lista negra” de entidades às quais as empresas americanas não podem fornecer serviços ou produtos.

“As sanções dos EUA impedem-nos de usar os serviços móveis do Google, obrigando-nos a usar apenas o núcleo de serviços da Huawei”, admitiu Richard Yu, director executivo para a área de consumo da empresa chinesa, ao subir em palco em Munique.

Yu esperou duas horas antes de abordar a questão do conflito económico entre a China e os EUA. “Por isso, vamos disponibilizar um kit para ajudar programadores de aplicações a criar melhores aplicações para os serviços de telemóvel da Huawei”, disse Yu. “E vamos disponibilizar um programa de incentivos.”

O bloqueio do Google leva novos aparelhos da Huawei a ficarem barrados da loja de aplicações do Google e das atualizações do sistema operativo Android, que o Google desenvolve. Como alternativa, a Huawei está a optar por utilizar uma versão em código aberto do sistema, que está disponível para qualquer pessoa ou empresa, com a esperança de que o recurso a incentivos financeiros motive programadores a desenvolverem aplicações compatíveis com o EMUI 10, a versão do Android da Huawei.

Se o programa não tiver adesão, a falta de acesso a aplicações populares, como o Instagram, Facebook, WhatsApp, Google Maps, não é um bom presságio para a empresa.

Em 2017, a Microsoft desistiu de desenvolver o seu sistema operativo para telemóveis, o Windows Phone, devido à falta de oferta de aplicações para a plataforma. Lançado em 2010, o sistema da Microsoft chegou tarde demais, com o Android e o iOS a dominar o mercado.

Até novembro, estão em vigor algumas excepções às sanções americanas. A justificação é que as empresas de telecomunicações norte-americanas precisam de tempo extra para poderem funcionar sem a tecnológica chinesa. Mas estas excepções apenas dizem respeito a produtos que já estão no mercado.

Os telemóveis da Huawei têm vindo a conquistar consumidores. Nos últimos anos, a Huawei é das marca que mais tem crescido, tendo substituído a Apple no segundo lugar do pódio do maior número de telemóveis vendidos. A sul-coreana Samsung continua na frente.

No começo da apresentação desta quinta-feira, Richard Yu anunciou que as vendas de smartphones da empresa aumentaram 26% entre janeiro e agosto deste ano, face aos mesmos meses do ano passado. A Europa é um dos mercados onde a marca tem tido sucesso a vender aparelhos topo de gama, particularmente da série Mate e da série P.

Em 2018, a fabricante enviou 26,3 milhões de smartphones para a região, de acordo com dados da analista IHS Markit. Nesse ano, a receita total da empresa atingiu os 105 mil milhões, representando um aumento anual de 20%.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. serão portanto spyphones muito mais interessantes….

    depois é usar o fdroid e aptoide e siga!

    de preferência se derem para colocar uma rom de jeito.

      • Por acaso não o fazem a não ser por ordem do tribunal. Se há coisa que a Apple tem muita preocupação é com a privacidade dos seus clientes. É bem conhecido o caso do tiroteio de São Bernardino, CA, em que o FBI queria que a Apple disponibilizasse uma backdoor para entrar no iPhone do criminoso e a Apple recusou. Ou o caso em que ameaçou retirar a Uber da App Store por esta ter desenvolvido um mecanismo que a Apple entendeu invadir a privacidade dos clientes em violação dos termos da App Store.

        • Meu caro: conhece o adágio popular “públicas virtudes, vícios privados”? Assenta aqui, Apple incluída, que nem uma luva. Mais não posso escrever. Abraço.

  2. Vou já substituir o meu iphone.
    Já não há paciencia para a inteligencia artificial presente no facebook nem para as pseudo-beldades do instagram…

RESPONDER

Red Bull equacionou infeção voluntária dos seus pilotos

Um responsável da Red Bull admitiu que propôs aos pilotos da marca austríaca, que participa no Mundial de Fórmula 1, uma estratégia de infeção voluntária de covid-19, visando ficarem imunes no início da temporada. Helmut Marko …

TAP avança com lay-off para 90% dos trabalhadores (e reduz atividade para cinco voos semanais)

Numa mensagem enviada aos seus funcionários, a TAP revelou que vai mesmo avançar com um processo de 'lay-off' para 90% dos trabalhadores e com a redução do período normal de trabalho em 20% para os …

Estado vai devolver 3 mil milhões em reembolsos do IRS

O Estado vai devolver 3 mil milhões de euros aos contribuintes em reembolsos do IRS, cuja entrega arranca esta quarta-feira e se estende até 30 de junho. A informação foi avançada pelo ministro de Estado, …

Há quatro infetados no sistema prisional. Estão todos em isolamento domiciliário

O Ministério da Justiça revelou esta terça-feira que aumentou para quatro o número de infetados com covid-19 no sistema prisional e que estão todos em isolamento domiciliário segundo indicação da saúde pública. Em comunicado, o Ministério …

Sousa Cintra diz que Rafael Leão "não ficou no Sporting porque foi apertado"

Sousa Cintra, ex-líder da SAD do Sporting no tempo da Comissão de Gestão, lamenta a rescisão do jogador Rafael Leão, considerando que "ele não continuou porque foi apertado". O jovem jogador foi, recentemente, condenado a …

Portugal tem há cinco dias os mesmos 43 recuperados. DGS e especialistas explicam porquê

Portugal regista, desde o passado dia 27 de abril, os mesmos 43 recuperados da Covid-19, segundo os boletins epidemiológicos diários da Direção-Geral da Saúde. Questionado pela agência Lusa sobre a estagnação no número de altas hospitalares …

Morreu o coronel Andrade de Moura, um dos capitães de Abril

A Câmara Municipal de Estremoz, no distrito de Évora, prestou esta terça-feira homenagem ao coronel Andrade de Moura, um dos capitães de Abril de 1974, que morreu no passado dia 23 de março aos 86 …

À boleia da pandemia, Parlamento da Hungria reforça poderes de Viktor Orbán

O Parlamento húngaro aprovou, esta segunda-feira, uma série de medidas para fazer face à pandemia de covid-19, entre as quais um projeto de lei que permite o estado de emergência por tempo indeterminado. De acordo com …

Portugal deverá perder dois milhões de habitantes até 2080

A população residente em Portugal poderá baixar dos atuais 10,3 milhões de habitantes para 8,2 milhões em 2080, de acordo com projeções do Instituto Nacional de Estatística (INE) esta terça-feira divulgadas. Os mesmos dados indicam, porém, …

Ministro da Economia admite nacionalizar empresas em caso de necessidade para combater surto

O ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, admitiu esta terça-feira a possibilidade do Estado vir a nacionalizar empresas, caso seja necessário para combater as consequências económicas do surto de Covid-19. "O Estado tem ferramentas …