//

Horário das 35 horas “é uma anormalidade”, um “luxo de país rico”

8

RTP / Flickr

O presidente do Fórum para a Competitividade, Pedro Ferraz da Costa

O Fórum para a Competitividade defendeu esta quinta-feira que o horário das 35 horas semanais, aplicado na administração pública, é “claramente um luxo de país rico”, sublinhando ainda que é uma “anormalidade” e uma “raridade”.

“A semana das 35 horas é uma raridade na União Europeia e no mundo, sendo claramente um luxo de país rico, com atividades muito concentradas nos serviços”, lê-se na nota de conjuntura de dezembro do fórum liderado por Pedro Ferraz da Costa.

Segundo defende a instituição, apenas “países muito mais ricos do que Portugal” podem sustentar o horário das 35 horas semanais.

“Só países, no mínimo 45% mais prósperos do que o nosso país, como a França, é que podem oferecer esse benefício a um grupo significativo dos seus trabalhadores”, defende a instituição, acrescentado que dos nove países mais desenvolvidos da OCDE, “só na Noruega existe este benefício”.

O Fórum adianta que países desenvolvidos como o Luxemburgo, a Irlanda, a Suíça, a Holanda, a Suécia e a Alemanha não praticam o horário das 35 horas semanais.

Além disso, defende a organização, “a economia portuguesa está quase estagnada há quase duas décadas, tendo sido ultrapassada por muitos países de Leste e passado ser a quarta mais pobre do euro”.

“Ou seja, a instituição, em Portugal, da semana das 35 horas na administração pública é uma anormalidade, em total desacordo com o nosso nível e evolução de desenvolvimento económico”, sublinha ainda o fórum, que questiona a constitucionalidade da medida por ser um “privilégio” dos trabalhadores do Estado.

Tendo em conta as finanças públicas, refere, “a anormalidade ainda é maior” já que “Portugal é o quarto país mais endividado do mundo dentro dos países desenvolvidos, só ultrapassado pela Grécia, Itália e Japão, sendo que a dívida portuguesa tem a particularidade de estar muito mais na posse de investidores estrangeiros, o que a torna muito mais vulnerável.”

“A dívida pública portuguesa é a mais perigosa no mundo desenvolvido (talvez com a exceção da Grécia), um sinal claríssimo de que as nossas contas públicas estão muito longe de estar minimamente saudáveis, ainda que o défice seja já baixo”, remata o fórum.

  // Lusa

 

8 Comments

  1. E andar por aí a arengar à toa também é um luxo de país rico. É incrível como ainda há quem ponha o microfone à frente da boca destes reacionários. Para sodomizar o operariado estão eles sempre prontos.

  2. Pobreza é este tipo de palhaços mentirosos terem voz, e haver quem acredite nestas balelas… Evidentemente que com o estado actual de desenvolvimento tecnológico não seria necessário trabalhar mais do que 30 horas semanais. É preciso é que a distribuição de rendimentos seja feita de forma mais justa e não como actualmente, em que meia dúzia enchem os bolsos e os restantes vivem à beira da miséria.

  3. Este artista não é aquele que há uns tempos disse que os portugueses não querem trabalhar e foi-se ver e ele praticamente nunca trabalhou na vida?!
    E o Fórum para a Competitividade não é mais uma associação que recebe dinheiros PÚBLICOS para defender os grandes grupos económicos?
    Pois!…
    Quando este souber o que é trabalhar, que venha cá dar conselhos!!
    .
    Uma anormalidade é em 2018 (e na Europa), alguém ter que trabalhar 40h por semana para receber 600€ (ou até menos, nos países de leste), enquanto estes parasitas ganham milhares/milhões em “cargos de representação”, sem produzirem praticamente nada de útil para a sociedade!!
    Se bem que, para não devia haver distinção entre português e todos deviam ter a mesma carga horária!
    Eu até já me dava por contente se só tivesse que trabalhar 40h/semana!…

  4. Com o avanço da tecnologia e da Inteligencia Artificial irão desaparecer 40% dos empregos actuais até 2030. Isto irá implicar que a economia mundial vai sofrer grandes transformações na sua estrura, sendo uma a redução do horário de trabalho para 25 horas semanais de maneira a poder absorver a maioria de desempregados da sociedade. A Economia que Ferraz da Costa fala é Primitiva e não acompanha a evolução da tecnologia.E Portugal é RICO, temos é politicos e dirigentes traidores ao país e têm-nos vendido aos interesses financeiros estrangeiros que nos querem explorar. Temos mais recursos que a suiça, bélgica, holanda, luxemburgo, etc….Portugal tem as maiores reservas de litium da europa. Portugal tem as 15ª maiores reservas de outro do mundo deixadas por salazar. ( Eram quase 900 toneladas, mas depois do 25 de Abril de 1974 destruiram e fizeram desaparecer 450 toneladas de ouro. Portugal tem gás e Petróleo.- portugal pode ser a Arábia Saudita dos pequeninos. Portugal é Rei em energias renovaveis.Portugal tem OURO. Portugal tem hoteis melhores do mundo. ” Sabia que o nosso país é um dos principais produtores europeus de cobre e volfrâmio.? Que várias minas portuguesas,como S. Domingos, Aljustrel ou Panasqueira, se mantiveram em produção contínua por períodos que chegaram aultrapassar um século? Sabia que os nossos mármores e granitos são apreciados como rocha ornamental nos quatrocantos do mundo? Que possuímos as terceiras maiores reservas de urânio da Europa? Que há ouro em Montemor-oNovo?E que talvez venhamos a ser, no futuro, importantes produtores mundiais de lítio? Ah, pois é… Se calhar não sabia nada disto. É que, apesar de pequeno em área, Portugal continental possui uma invejável diversidade de recursos minerais metálicos e não metálicos, alguns dos quais em quantidades que justificaram ou justificam uma actividade extractiva significativa e com grande impacto na nossa vida colectiva e nas nossas raízes culturais, sociológicas e históricas. ” O problema está na gestão desses recursos e na falta da sua exploração.Portugal além dos recursos minerais, tem o Sol, vento, ondas que são grandes recurso energéticos não poluentes. Temos a maior zona económica exclusiva do mundo, do tamanho de 40 países como Portugal que não é praticamente explorada. Temos clima ameno, lindas praias. boa gente com tudo de bom para o turismo. Temos monumentos pousadas e hoteis equivalentes aos melhores do mundo. Temos Know-How nas industrias de calçado, textil, moldes metalomecanica, etc….Portugal é dos países mais ricos da europa.Os Portugueses são o povo da Europa que mais trabalha. Todos os Portugueses que emigraram são vistos como bons trabalhadores e produtivos. O mal esta em quem governa este país. Portugal podia ser como a Suiça…. Temos tudo melhor que a Suiça. No entanto não saimos da cepa torta devido aos interesses estrangeiros que não nos deixam enriquecer. Com tantos recursos que Portugal tem… e tão mal aproveitados.

  5. Forum para a competitividade,deveria ser um forum sobre respeito e dignidade para com os trabalhadores.Isso
    sim faria falta a muitos ditos empresários.

  6. Meu caro sr. Ferraz qualquer coisa, provavelmente não sabe, mas quando uma entidade admite trabalhadores/funcionários para os seus quadro de pessoal, elabora um contrato onde estão definidas as funções, o horário de trabalho e o respetivo salário. Como não sabe, eu digo-lhe que o tal contrato é assinado por ambas as partes, comprometendo-se (ambas as partes) a respeitar as alíneas o referido contrato, podendo o mesmo ser denunciado se houver alterações sem a concordância de ambas as partes.
    Ora, quando, antes dos tempos de crise, troika, a Administração Publica admitia funcionários, através de concurso público, estabelecia o horário de trabalho, 35 horas, ao qual correspondia um determinado vencimento.
    Como sabemos, com a entrada da troika em Portugal, passamos a trabalhar as ditas 40 horas que o sr Ferraz tanto apregoa. Aí já pressupõe uma ilegalidade, uma vez que há uma alteração ao contrato de trabalho sem o acordo de ambas as partes. Mas como se não bastasse passaram a trabalhar MAIS 5 horas por semana mas o vencimento não aumentou, os feriados foram abolidos e o salário não aumentou. Ou seja, os funcionários públicos foram pura e simplesmente roubados, ou visto por outra perspetiva, trabalharam “pro bono” durante pelo menos 6 anos.
    Portanto sr. Costa, trabalhar “pro bono”, trabalhe você que os funcionários públicos, já estão fartos de levar no lombo e de trabalhar por tuta e meia. Sou do Norte e até me apetecia dizer outra coisa, mas quem lêr isto pode-se sentir ofendido e não é esse o meu objetivo.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.