Hong Kong palco de protestos pró-democracia

Hong Kong vive dias de tensão. Numa disputa sobre a forma como será escolhido o próximo líder da ilha chinesa, o movimento Occupy Central exige um protagonismo que incomoda as autoridades centrais em Pequim.

As eleições estão marcadas para 2017, mas a 31 de agosto o governo chinês emitiu uma resolução para pré-selecionar os candidatos a chefe do Executivo. Ativistas pró-democracia saíram então às ruas do território nas últimas semanas para se manifestar e planeiam ocupar o Central District, o centro financeiro da cidade, como protesto.

As manifestações desencadeadas pelos estudantes e entretanto apoiadas pelo movimento Occupy Central – que, na madrugada de domingo, anteciparam a sua campanha de desobediência civil – ganharam já uma dimensão para além de todas as expetativas.

A zona de Admiralty – onde se situa o complexo de Tamar, que além das secretarias do Governo também alberga o Conselho Legislativo (LegCo, parlamento) – continua a ser o palco principal das iniciativas para contrariar a decisão de Pequim.

Esta terça-feira, contudo, Hong Kong teve uma manhã atipicamente calma para a metrópole, com um ambiente radicalmente diferente do cenário violento de domingo, quando forças antimotim lançaram gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes que entraram na sede do governo.

O que quer o movimento Occupy Central?

O movimento, cujo nome completo pode ser traduzido por Ocupar Central com Paz e Amor, apela à desobediência civil, em defesa da democracia em Hong Kong.

Os ativistas pedem uma reforma política e eleições democráticas que cumpram normas internacionais. Eles planeiam para esta semana uma ocupação não-violenta no centro financeiro da cidade em resposta à decisão do governo chinês contra a realização de eleições abertas em 2017.

O grupo usa o mesmo nome do movimento “Occupy Wall Street”, lançado nos EUA em 2011 para protestar contra a desigualdade social.

Hong Kong está sob domínio chinês. Os protestos podem fazer alguma diferença?

Até os organizadores do movimento admitem que é pouco provável que consigam influenciar o governo central da China.

No entanto, os protestos podem ter um papel importante em Hong Kong: ali, onde a população tem liberdade de expressão, os cidadãos não podem eleger diretamente seus governantes.

Muitos veem o direito de protestar nas ruas como uma forma de forçar mudanças, e alguns protestos foram bem sucedidos, forçando a revogação de uma polémica lei de segurança nacional e de aulas de “educação patriótica” nas escolas.

No entanto, as exigências do Occupy Central, que se centram na representação democrática, são ma questão delicada, já que estão relacionadas com a forma como a ilha é governada e podem ser vistas como um desafio direto à autoridade exercida por Pequim.

Pode haver mais violência?

Os organizadores insistem que o protesto será não-violento, e Hong Kong tem tradição de manifestações pacíficas e bem-organizadas.

No entanto, a polarização da política na ilha refletiu-se em protestos mais combativos nos últimos anos, com confrontos entre manifestantes pró-democracia e os que apoiam o governo central chinês. Alguns críticos alegam que os organizadores do Occupy Central podem não ser capazes de controlar a multidão.

Na sexta-feira, um protesto de estudantes invadiu a sede do governo da cidade, mas o grupo foi expulso pela polícia no dia seguinte.

Como se dividem as opiniões em Hong Kong?

As manifestações atuais pró e contra a influência de Pequim têm reunido milhares de pessoas, mas as que são favoráveis ao governo são menos comuns – e, segundo a imprensa local, repletas de pessoas que foram pagas para estar lá.

No entanto, Hong Kong é uma cidade com visão empresarial, e muitos temem que confrontos com Pequim prejudiquem os negócios na ilha.

Em contrapartida, um número significativo de pessoas anseia por mais democracia e expressou o seu desgosto pela decisão chinesa de limitar os candidatos políticos.

Quem são as principais figuras dos protestos?

Os principais apoiadores do movimento são Benny Tai, professor de direito, Chan Kin-man, professor de sociologia, e Chu Yiu-ming, representante eclesiástico.

Estes três ativistas são considerados figuras moderadas do movimento pró-democracia.

O Occupy Central também é apoiado por partidos políticos e por associações de estudantes.

A decisão de Pequim de restringir as candidaturas políticas fez com que aumentasse o apoio popular ao Occupy, já que muitos viram as restrições como antidemocráticas e inaceitáveis.

No outro extremo do espectro, autoridades de Pequim e grupos empresariais tendem a ser contrários ao Occupy.

O que pensa a China?

Pequim preocupa-se com as crescentes tensões políticas e com o sentimento anti-China em Hong Kong, e o Partido Comunista chinês não quer que um movimento popular seja visto como uma ameaça à sua autoridade.

A imprensa estatal chinesa acusa “forças externas” de se intrometerem nos assuntos de Hong Kong e de fomentar “sentimentos separatistas” na ilha.

O presidente Xi Jinping, no poder desde 2013, parece ter adotado uma abordagem mais dura contra a dissidência, e especula-se se Pequim fará alguma ofensiva contra o Occupy Central caso considere insuficientes as ações das autoridades locais.

No entanto, acredita-se que o envolvimento direto do governo central seria um último recurso, tendo em conta as possíveis repercussões internacionais e impactos nos negócios.

Entretanto, esta terça-feira, o chefe do Executivo de Hong Kong, Leung Chun-ying, apelou ao movimento pró-democracia Occupy Central para acabar “imediatamente” com as manifestações que agitam há três dias o centro financeiro do território.

“Os fundadores do Occupy Central afirmaram repetidamente que se o movimento ficasse fora de controlo iriam apelar para que parasse. Eu estou agora a pedir-lhes para que cumpram a promessa que fizeram à sociedade e parem esta campanha imediatamente“, afirmou o líder do Governo, no seu primeiro comentário público desde que a polícia da antiga colónia britânica lançou, este fim de semana, gás lacrimogéneo contra os manifestantes.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Nu num cavalo branco e de saltos altos. Retrato de Emiliano Zapata gera indignação no México

Centenas de manifestantes invadiram o Palácio de Belas Artes do México, na passada terça-feira, por causa de um retrato do general Emiliano Zapata (1879-1919), considerado um herói revolucionário no país. A obra, pintada pelo artista …

Felipe VI designa Sánchez como candidato a formar o próximo Governo

O Rei de Espanha designou, esta quarta-feira, em Madrid, o secretário-geral do PSOE e primeiro-ministro em funções como candidato a chefe do próximo Governo, anunciou a presidente do Parlamento. "Sua majestade o Rei [...] comunicou-me a …

No Porto, há um painel publicitário que recicla tanto ar como 230 árvores

O painel publicitário da Volvo, instalado na fachada de um prédio entre a Avenida da Boavista e a Rua 5 de Outubro, no Porto, é mais do que publicidade. A tela ajuda a reciclar o …

Governo recua e deixa cair proposta sobre perda de férias em caso de baixa prolongada

O Governo recuou e deixou cair a proposta apresentada aos sindicatos que previa que os funcionários públicos mais antigos que estivessem de baixa prolongada perdessem dias de férias, disse esta quarta-feira o líder da Fesap, …

Marta Temido recusa ser "refém" de Centeno e anuncia maior concentração de Urgências até ao verão de 2020

"Eu nunca me senti refém [de Mário Centeno]. Tenho alguma dificuldade nessa leitura. Este reforço de meios também permitirá injetar mais confiança no sistema e criar respostas. Mas não considero que tenho estado refém do …

IVA da luz. Proposta do Governo foi afastada há um ano porque "não tinha enquadramento legal"

Em 2018, o Bloco de Esquerda apresentou a proposta da taxa reduzida do IVA da luz para um primeiro escalão de consumo. O Governo não fez o pedido a Bruxelas - como fez agora -, …

Nenhum dos treinadores do FC Porto ou Belenenses relatou agressões à PSP

Nem Sérgio Conceição nem Pedro Ribeiro mencionaram uma eventual agressão nas suas declarações à polícia. O treinador portista deverá ser ilibado de qualquer acusação. No domingo, os treinadores de FC Porto e Belenenses, Sérgio Conceição e …

Estado não cumpre os requisitos mínimos que criou para os cuidados paliativos

A maioria das equipas de cuidados paliativos do SNS não tem cumprido os requisitos mínimos definidos pelo próprio Estado. Há uma grave falta de profissionais nesta área. Os cuidados paliativos em Portugal têm vindo a regredir …

Rússia diz que pode organizar os seus próprios Jogos Olímpicos

Na sequência da exclusão por quatro anos, anunciada na segunda-feira, a presidente do Parlamento russo sugeriu que o país pode organizar os seus próprios Jogos Olímpicos. A presidente do Parlamento russo, Valentina Matviyenko, afirmou que o …

Israel vai voltar às urnas. É a terceira eleição consecutiva em menos de um ano

Israel vai ter o terceiro ato eleitoral consecutivo em menos de um ano, estancado num bloqueio político e com um primeiro-ministro acusado de corrupção. Ao terminar à meia-noite de quarta-feira o prazo do Parlamento para eleger …