Suspeito do homicídio de Bruno Candé nega ter agido impulsionado por racismo

Bruno Candé Marques / Facebook

O ator Bruno Candé Marques, morto a tiro em Moscavide, Loures

Evaristo Marinho disparou vários insultos racistas contra Bruno Candé: “Vai para a tua terra, preto, tens a família toda na sanzala e também devias lá estar”, foi um deles. Três dias depois acabou por matá-lo, mas agora diz que não foi impulsionado pelo racismo.

Os dois homens desentenderam-se porque, de acordo a acusação do Ministério Público,  a cadela de Bruno, ladrou a Evaristo, que a enxotou com a bengala. Por causa disso, Bruno Candé e Evaristo Marinho envolveram-se numa acesa discussão e o idoso tentou-o agredir com a bengala desviou-se, empurrou-o e referiu que não lhe batia “porque” era “velho”.

A discussão ocorreu em julho de 2020, e foi presenciada por várias testemunhas, que não só ouviram e relataram a discussão às autoridades como separaram os dois homens quando o confronto se tornou físico.

Evaristo, um auxiliar de ação médica então com 76 anos, garantiu à testemunha que o agarrou: “Eu vou matá-lo”. Desde aí, demorou três dias a cumprir a promessa.

Quando foi interrogado, apesar de assumir a autoria do homicídio e de ter “relatado os factos”, Evaristo Marinho negou qualquer motivação racista na morte de Bruno Candé, atribuindo-a ao desentendimento que ambos tiveram.

A tese que vai ser defendida pela defesa do homicida é que na altura do homicídio, os desentendimentos entre os dois homens e os insultos racistas de Evaristo a Bruno já vinham de trás. E sempre por causa da cadela da vítima.

Segundo a acusação, três dias depois da discussão, Evaristo Marinho viu Bruno Candé no mesmo banco onde o ator estava sempre “a ouvir música”, “tirou a arma do coldre” e, “de forma súbita”, disparou contra Bruno, que caiu de imediato no chão. Depois, aproximou-se e disparou mais quatro tiros à queima-roupa que atingiram a vítima no tronco e no abdómen, “provocando-lhe a morte”.

O crime de Evaristo Marinho foi cometido em plena luz do dia e foi testemunhado por várias pessoas, que o agarraram quando tentou fugir e chamaram a polícia para o prender.

Atualmente, está em prisão preventiva numa cela do Estabelecimento Prisional de Lisboa e ainda esta semana um juiz de instrução criminal confirmou que irá continuar preso até ao julgamento, dada a “gravidade e natureza do crime” e o “alarme social” que a sua libertação provocaria.

De acordo com o depoimento de vários vizinhos ouvidos pelo jornal Expresso na altura do crime, o auxiliar de ação médica, que serviu no Exército durante a Guerra do Ultramar, era “muito quezilento”, “nevrótico” e “impulsivo”, o que deu origem a alguns episódios tensos com a vizinhança.

Tal como Evaristo Marinho, também a polícia negou que este fosse um crime racista, mas a procuradora Alexandra Nunes acusa-o de ter agido não só “por razões vãs”, por “estar desagradado com a discussão”.

ZAP ZAP //

 

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Aproveitamento politico ,interessa a muita gente e associaçoes,fundaçoes,partidos etc ,transformar estes tristes Incidentes em Crimes racistas

RESPONDER

Depois do balde de água fria da pandemia, Israel vai ficar melhor do que nunca. Tudo pelos turistas

Israel está fechado em casa e viajar para este país não faz parte dos planos de muitas pessoas. No entanto, este período de acalmia pode mesmo ser o melhor momento para planear uma viagem - …

Menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais e menos 151 mil cirurgias em 2020

No ano em que a pandemia chegou a Portugal, houve menos 151 mil cirurgias e menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais públicos. A covid-19, que chegou a Portugal a 2 de março de 2020, obrigou …

Várias escolas de Tóquio pedem "certificados de cabelo real" aos alunos

As escolas japonesas são conhecidas pela sua rigidez relativamente à aparência dos seus alunos, tanto que os estudantes que não seguem o padrão de "cabelo liso e preto" têm de apresentar provas. Dados divulgados, esta semana, …

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …

Navalny chega a colónia penal a leste de Moscovo

O principal opositor do Kremlin chegou, este domingo, a uma zona a cerca de 200 quilómetros a leste de Moscovo para ser transferido para uma colónia penal onde vai cumprir a sua pena, informou um …

Já chegou o voo de repatriamento com 300 passageiros vindos do Brasil

O voo de repatriamento vindo do Brasil chegou, este domingo de manhã, ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com cerca de 300 passageiros. De acordo com a RTP, o voo de repatriamento vindo de São Paulo, …

Costa imune ao descontrolo da pandemia. Popularidade de Marcelo dispara

A sondagem TSF/JN/DN regista uma avaliação positiva do primeiro-ministro e do Presidente da República, com este a atingir um novo pico de popularidade. Os líderes do PSD e do Chega surgem empatados como principais figuras da …

Mais seis mortos nos protestos em Myanmar. Embaixador na ONU afastado

Seis manifestantes foram mortos em Myanmar, este domingo, por forças de segurança que dispersavam com violência as manifestações pró-democracia. Três manifestantes foram mortos em Dawei (no sul do país), enquanto dois adolescentes, de 18 anos, morreram …