Homenagem a Bruno Candé recorda último episódio de um problema de “há muitos séculos”

Miguel A. Lopes / Lusa

A mulher de Bruno Candé, Sali, durante a manifestação contra morte de ator Bruno Candé e em defesa das vítimas do racismo, em Lisboa.

Mais de 300 pessoas homenagearam, ao final da tarde de hoje, em Lisboa, o ator Bruno Candé, que morreu baleado no último sábado, e exigiram medidas proativas para combater o racismo, um problema que “vem de há muitos séculos”.

“Sinceramente, acho que isto [a homenagem a Bruno Candé e a manifestação contra o racismo] não vai mudar nada. A mentalidade das pessoas racistas é que tem de mudar, mas é uma bonita homenagem que estamos a fazer ao Bruno e à família dele”, disse à agência Lusa Aminata Gebate, de 19 anos.

A homenagem ao ator, que tinha 39 anos, começou com cinco minutos de aplausos. As mais de 300 pessoas que se concentraram no Largo de São Domingos, em Lisboa, aplaudiram voltadas para uma das varandas laterais do Teatro Nacional D. Maria II, onde foi colocada uma enorme faixa com o rosto de Bruno Candé.

Alguns ‘smartphones’ ao alto registaram o momento, enquanto outros transmitiam a homenagem em direto através das redes sociais.

Depois dos aplausos, um semicírculo formou-se no meio da multidão. No centro estavam as irmãs de Bruno Candé, acompanhadas por outros familiares e amigos, que vestiam camisolas com o rosto do ator.

Em uníssono, os manifestantes entoaram várias palavras de ordem, como, por exemplo “justiça, justiça, justiça pelo Bruno Candé”.

Várias pessoas empunhavam cartazes onde era possível ler, por exemplo, “Bruno Candé ninguém te esqueceu! Portugal escuta nosso silêncio!” ou “racismo é burrice coletiva sem explicação”.

Uma manifestante fazia esvoaçar uma bandeira de Portugal onde estava escrito “o racismo não está a piorar, está a ser filmado”. E nem os decisores políticos ficaram de fora deste protesto.

Um cartaz empunhado por um manifestante exigia ao Presidente da República “uma resposta proativa e não reativa, como tem sido há 45 anos”, enquanto outro era direcionada para os deputados na Assembleia da República, acusados várias vezes de inação durante o protesto: “Racismo é crime, tanto na rua, como no parlamento.”

A manifestação de hoje é necessária para “acabar com um problema que já vem de há muitos séculos”, sublinhou Joana Sabino, de 18 anos.

A opinião de Joana é partilhada por Mauro Barros, que espera que o homicídio de Bruno Candé “sirva de exemplo” e seja o último crime de origem racial. Contudo, o manifestante de 20 anos mostrou-se pouco confiante.

“Sabemos que isto vai voltar a acontecer, só não sei se será este ano, se mais tarde”, explicou.

Já Martinho Fonseca, também de 20 anos, mostrou que se debruçou sobre o assunto e apontou para a alteração “dos planos educativos” como forma de acabar, de uma vez por todas, com o racismo.

O Governo tem de utilizar a Educação “para mudar mentalidades”, vincou o manifestante, uma vez que “muitas pessoas crescem, em casa, com mentalidades que não são as melhores”, alimentadas pelo pensamento “do antigamente”.

Referindo-se ao período dos Descobrimentos, Martinho Fonseca considerou que a História de Portugal é “grande e muito rica”, mas durante essa mesma História “foram cometidos muitos erros”.

“Não podemos voltar atrás, mas podemos reconhecer que aconteceram [erros] e que têm peso atualmente”, prosseguiu.

“Eu próprio, sendo branco, já ouvi muita coisa com a qual não concordo, mas não posso aceitar isso. Todos temos de ter um papel ativo nesta mudança”, explicitou.

E do papel que todas as pessoas para combater o racismo foi também aquilo que mais se entoou durante a manifestação, porque o racismo “é uma luta de todos” e este flagelo só poderá ser vencido “por todos”, gritou um dos manifestantes com um megafone.

Bruno Candé iniciou o seu percurso no grupo de teatro da Casa Pia, ainda na adolescência, tendo posteriormente frequentado o curso de formação teatral do Chapitô, onde chegou em 1995 e participou em vários espetáculos, dirigidos pelo encenador Bruno Schiappa.

O suspeito do homicídio vai aguardar julgamento em prisão preventiva.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O Bosão de Higgs foi apanhado a fazer algo inesperado

Uma equipa de cientistas do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) observou o Bosão de Higgs, a fazer algo inesperado: à medida que caía, esta parecia decompor-se numa combinação inesperada de partículas. De acordo com …

Feitos de estrelas. Os nossos ossos são compostos por estrelas que explodiram

Uma nova investigação concluiu que metade do cálcio do nosso Universo é oriundo de uma supernova rica em cálcio, que explodiu há milhões de anos. O novo estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista …

"Monarquia criminosa". Parlamento declara Catalunha republicana e não reconhece o rei

O Parlamento catalão aprovou esta sexta-feira uma resolução na qual declara que “a Catalunha é republicana e, portanto, não reconhece nem quer ter um rei”, rotulando a monarquia de “criminosa”. A resolução foi aprovada em sessão …

Novo método deteta metais tóxicos em alimentos e água em apenas algumas horas

Uma equipa de cientistas da Universidade de Joanesburgo, na África do Sul, desenvolveu um método sensível para detetar níveis perigosos de metais pesados em alguns alimentos e água. Os vestígios de metais como chumbo (Pb), arsénico …

Meghan Markle vence primeira batalha judicial contra jornal britânico

A Duquesa de Sussex conseguiu que o Tribunal Superior de Londres optasse por manter anónima a identidade das suas cinco amigas, como parte da ação legal que está a ser levada a cabo. O 39º aniversário …

Cientistas obrigados a rebatizar dezenas de genes humanos. A culpa é do Excel

Só no ano passado, os cientistas viram-se obrigados a mudar os nomes de 27 genes humanos por causa de um erro de leitura do Microsoft Excel. Tal como explica o portal The Verge, que avança …

"Vai continuar a queimar". Covid-19 é mais parecida com um fogo florestal do que com ondas e picos

Com o surgimento do novo coronavírus no mundo, vários especialistas previam que este iria surgir em ondas e picos. Agora a visão de futuro é outra e os especialistas dizem que a pandemia se compara …

Mudanças climáticas podem vir a causar mais mortes do que a covid-19, alerta Bill Gates

  As mudanças climáticas podem custar muito mais vidas nas próximas décadas do que a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O alerta é do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que, através de uma reflexão no seu …

Descoberta a primeira disrupção gigante nas nuvens de Vénus

Uma equipa internacional de cientistas, que incluiu um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), descobriu a "primeira disrupção gigante" nas nuvens de Vénus que tem fustigado as zonas profundas da atmosfera …

TVI aposta em estúdio a Norte. Nuno Santos quer Informação mais ao estilo da SIC Notícias do que da CMTV

O diretor-geral da TVI, Nuno Santos, afirmou, em entrevista ao jornal Público, que a estação de Queluz de Baixo vai apostar num estúdio no Norte, revelando ainda que pretende mudar a Informação do canal mais …