“Holodomor”, ou como Estaline matou à fome milhões de ucranianos

Milhões de ucranianos morreram de fome durante a ditadura de Estalinee, mas mais de 80 anos depois, a Ucrânia continua a lutar para que o “Holodomor”, como é conhecida a tragédia, seja reconhecida como um ato de genocídio pela comunidade internacional.

Mykola Onyshenko lembra que foi no outono de 1932 que as autoridades soviéticas começaram a requisitar o pão, os grãos de milho, o cereal, as batatas e todos os demais alimentos que constituíam o sustento de uma população maioritariamente rural, num país considerado “o celeiro da Europa”.

“Eu vi com os meus próprios olhos. Grupos de quatro ou cinco pessoas iam de casa em casa para fazer revistas. Chegaram à nossa e perguntaram-nos onde tínhamos escondido o pão”, afirmou Onyshenko, ao mesmo tempo que conta como guardavam desesperadamente as sementes entre a palha e noutros locais escondidos.

O objetivo de Estaline era obrigar os camponeses a integrar as suas propriedades em fazendas de exploração coletiva (Kolkhoz, em russo), uma política que justificou com a necessidade de aumentar a produção agrícola para exportar para países capitalistas, a fim de financiar a industrialização da União Soviética.

Onyshenko viveu na própria pele essas desapropriações brutais e a crise de fome que trouxe para o povo ucraniano de Roza, situada nos arredores de Berdiansk, na província oriental de Donetsk.

Tinha apenas sete anos, mas lembra-se com lucidez a forma como as autoridades soviéticas se apoderaram das terras de cultivo da sua família, “o que tinham de mais valioso os camponeses” nessa época.

“Antes da crise de fome a minha família trabalhava nas suas próprias terras e vivia mais ou menos bem. Mas o Governo queria que trabalhassem para o Estado e não para si mesmos. Por isso começaram a mandar as pessoas a essas fazendas, para as quais ninguém queria ir”, explicou Onyshenko, em uma conferência realizada em Kiev.

A migração da população que vivia nas zonas afetadas pela crise de fome foi restrita e as atividades comerciais foram proibidas, razão pela qual os camponeses não se podiam deslocar livremente na procura de alimentos.

Além disso, a coletivização foi acompanhada de uma violenta repressão contra os trabalhadores rurais que mostraram resistência às autoridades, que incluiu detenções, execuções e deportações maciças.

Na memória de Tamara Bodrenko, outra sobrevivente desta catástrofe, também continua viva a imagem dos vizinhos a agonizar como consequência da fome. Era apenas uma menina, e via os pais a voltarem todos os dias para casa com as mãos vazias depois de trabalhar duramente numa fazenda coletiva.

A minha mãe cantava-nos canções para que nos esquecêssemos da fome. Levaram tudo e só ficamos com uma vaca, graças à qual pudemos sobreviver”, afirmou à Efe Bodrenko, de 94 anos. “Na cidade, víamos como o povo caía nas ruas e lá ficavam durante um tempo. Ninguém os enterrava“.

O “Holodomor“, que deriva do ucraniano “moriti golodom“, traduz-se como “matar de fome”, foi uma catástrofe humanitária ocorrida nos anos 30 do século XX por causa da coletivização forçada da terra realizada pelo ditador soviético Iosef Estaline, aplicada com especial força na Ucrânia.

Historiadores ucranianos consideram que foi uma política de extermínio deliberadamente planeada por Estaline para achatar toda a resistência contra o regime comunista, suprimir os movimentos nacionalistas e “impedir a criação de um Estado ucraniano independente”.

Além de realizar expropriações maciças das colheitas e reduzir as cotas de comida, Estaline semeou o terror na Ucrânia ao ordenar o confisco dos produtos agrícolas e comestíveis de milhões de pessoas durante um ano para dobrar a oposição da população rural.

Segundo estimativas oficiais – baseadas no censo e arquivos secretos desclassificados após a desintegração da URSS -, calcula-se que pelo menos quatro milhões de ucranianos morreram por causa desta política em apenas dois anos (1932-1933). Apesar disso, dada a enorme perda de população e a elevada mortalidade registada nesse período, diversos estudos apontam que o número poderia chegar a dez milhões de vítimas.

Em novembro de 2006, o parlamento da Ucrânia adotou uma lei que reconhece este facto histórico como “genocídio do povo ucraniano“, realizado pelos dirigentes do regime comunista soviético, que negou durante décadas que tivesse acontecido.

Segundo o Ministério do Interior da Ucrânia, os parlamentos de 14 países já o reconheceram como tal, entre eles Geórgia, Equador, Estónia, Colômbia, México, Peru, Polónia e Hungria.

Apesar disso, não existe nenhum documento das Nações Unidas que utilize este termo para se referir a essa grande tragédia.

// EFE

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Quanto mais se descobre o quanto Poroshenko é ilegítimo mais se fala de Holodomor, a ordem é exatamente esta, se isto fosse verdade Lugansk e Donetsk não teriam se formado. a informação baseia-se em arquivos desclassificados. Toda coletivização forçada de terra sempre teve como efeito mais gente com mais alimentos, isto é um fenômeno que se repete pelo mundo, não há porquê de ter sido diferente na Ucrânia.

    • Concordo. Como, aliás, tudo é que é forçado traz sempre apenas elementos positivos… O seu comentário, por exemplo, se fosse forçado a ser apagado nem sabe o bem que lhe fazia…

    • Ainda bem que fez esse documentário; ele ilustra e serve muito bem para se fazer pedagogia alertando e deixando claro a todos a tremenda distorção e o alto nivel de destruição mental que tais ideologias conduzem os seus partidários que são capazes de defender os piores crimes cometidos contra a humanidade não só na URSS como em muitos outros países tão horrendos que no Camboja mataram metade da população nos campos de correcção e trabalhos forçados tipos dessas idelogias ditas libertadoras e do povo!
      Leia e estude a história dos horrores das ditaduras comunistas e como todas conduziram aos piores desastres.

  2. Luciano….você hoje esqueceu-se de tomar a medicação.
    “Toda coletivização forçada de terra sempre teve como efeito mais gente com mais alimentos” De onde raios tirou você essas conclusões? Tudo o que é forçado é mau!!!! Nem há discução sobre este assunto.

  3. O comunismo no seu melhor, e nós a caminharmos para lá. Não percebo o que se passa com as pessoas que não vem o obvio. O comunismo a extrema esquerda só é bom para eles próprios.
    Enquanto não destruírem tudo não descansam. Se calhar é o que merecemos anda tudo adormecido. Enfim…

  4. Se eu admirar publicamente o nazismo o que não é o caso, insultam-me até à minha tetra-avó. Já os camaradas do nosso PC que elogiam esta gente , têm o estatuto de democratas

  5. Contas bem feitas este Estaline tem mais mortos à sua conta do que o Hitler, no entanto tem por cá ramificação a viver num regime dito democrático, o Cunhal e seus lacaios andaram por lá a aprender estas formas que bem procuraram implantar por cá aproveitando a distracção do povo e dos outros partidos em nome de uma bacoca democracia.

  6. Luciano,
    Foram milhões que o teu ídolo matou à fome.
    Olha se tivesse sido o Salazar. O que não diria o PCP…, sempre pronto a atacar os OUTROS fascistas.
    Vocês comunistas ainda não quiseram ver que são tão bons como os NAZISTAS. Pessoalmente eu diria que são bem piores. Porque se cobrem com uma pele de cordeiro, mas só enganam quem é lorpa.

  7. Ainda bem que fez esse documentário; ele ilustra e serve muito bem para se fazer pedagogia alertando e deixando claro a todos a tremenda distorção e o alto nivel de destruição mental que tais ideologias conduzem os seus partidários que são capazes de defender os piores crimes cometidos contra a humanidade não só na URSS como em muitos outros países tão horrendos que no Camboja mataram metade da população nos campos de correcção e trabalhos forçados tipos dessas idelogias ditas libertadoras e do povo!
    Leia e estude a história dos horrores das ditaduras comunistas e como todas conduziram aos piores desastres.
    Stalin bateu o recorde de mortos por conta de qualquer dos ditadores e regimes. Os Historiadores contabilizam entre 80 milhões a 150 milhões o impacto directo e indirecto das suas ordens!

RESPONDER

PS e CDS na Madeira desencontrados, PSD e Bloco continuam no Norte

No arranque da segunda semana de campanha para as autárquicas, os líderes do PS e do CDS-PP apostam na Madeira mas com horários desencontrados, enquanto BE e PSD continuam a norte, e PAN e PCP …

Depois de "disparate" em Matosinhos, Costa promete "lição exemplar" à Galp. Empresa não comenta

António Costa deixou críticas ao encerramento da refinaria de Matosinhos, na sequência da decisão da Galp de concentrar as operações em Sines. A empresa escusou-se a fazer qualquer comentário sobre as declarações. No domingo, o secretário-geral …

Confronto entre EUA e China é "perigoso para o mundo", alerta Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou no domingo que um confronto entre os Estados Unidos (EUA) e a China é "perigoso para o mundo" e que, apesar das diferenças, há áreas onde …

Portugal recebeu no domingo grupo de 80 afegãos

Portugal recebeu no domingo 80 afegãos, na maioria atletas da equipa de futebol feminino e seus agregados familiares, elevando para 178 o total de cidadãos acolhidos após a emergência humanitária no Afeganistão, anunciou esta segunda-feira …

Inspeção obrigatória das motas começa em janeiro de 2022

Quase dez anos depois de a medida ter sido aprovada pelo Governo, a inspeção obrigatória de motas com mais de 125 cc vai arrancar em janeiro de 2022. Jorge Delgado, secretário de Estado das Infraestruturas, referiu …

André Ventura - Chega

Ventura diz que PSD está "igual" ao PS - e desafia Rio a justificar atraso no interior

O líder do Chega, André Ventura, manifestou-se hoje preocupado com o panorama político à direita, observando que o PSD está “igual” ao PS e acusando ambos os partidos de terem abandonado o interior do país. “Estou …

Sem Cristiano, o que se passa com a Juventus?

Nenhum triunfo em quatro jornadas do campeonato. Não acontecia há 60 anos. E o problema maior não estará no ataque, apesar da saída de Cristiano Ronaldo. Estreia na temporada: 2-2 no terreno da Udinese. Receber o …

Pacto AUKUS. Nova aliança dos EUA na Ásia-Pacífico pode levar a "corrida às armas nucleares"

A nova aliança dos Estados Unidos (EUA) na região da Ásia-Pacífico e a recente compra de submarinos norte-americanos por parte da Austrália pode desencadear uma "corrida às armas nucleares" na região, avisou esta segunda-feira a …

Costa foi omnipresente, agradeceu a regueifa e recarregou a "bazuca" como arma política

António Costa correu oito concelhos do Norte, em missão de campanha eleitoral. A "bazuca" europeia é usada como arma política, assim como a gestão da pandemia. A pandemia era um ponto de inflexão para as eleições …

"Queremos justiça", exigem famílias de vítimas do ataque em Cabul. CIA alertou para a presença de civis

A família das 10 vítimas mortais do ataque com drone dos EUA a um veículo em Cabul exigem que os operadores sejam julgados em tribunal. A CIA terá alertado para a presença de civis segundos …